terça-feira, 26 de junho de 2012

ZERO HORA- MATÉRIA 26.06.2012

Caos nas perícias do INSS afeta trabalhadores

Enquanto peritos denunciam gestores, superintendência do órgão em Brasília resolveu lançar suspeitas sobre médicos gaúchos

Guilherme Mazui e Letícia Costa

guilherme.mazui@gruporbs.com.br | leticia.costa@zerohora.com.br

Médicos e dirigentes do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) concordam com o diagnóstico: o serviço de perícias entrou em colapso no Rio Grande do Sul. E é praticamente só nisso que eles concordam.

Enquanto os peritos denunciam os gestores como responsáveis por um desmonte no instituto, que seria responsável por demoras de até quatro meses para agendar um exame, a superintendência do órgão em Brasília resolveu lançar suspeitas sobre a produtividade dos médicos gaúchos e deflagrou uma intervenção branca na gerência de Porto Alegre. Em meio ao bate-boca, o trabalhador sofre com o péssimo atendimento.

Em entrevista concedida ontem a ZH (veja nesta página), o presidente do órgão, Mauro Hauschild, disse que peritos gaúchos realizam menos exames que seus colegas de outros Estados e afirmou suspeitar de que parte deles burla o sistema de ponto eletrônico para não trabalhar. Hauschild sofre pressão da Casa Civil para elevar a quantidade de perícias no Estado, onde o desempenho está entre os piores do país.

Na próxima quinta-feira, Hauschild estará em Porto Alegre para discutir mudanças. Cobrará reforço nos atendimentos e mudará a distribuição dos médicos. A corregedoria do INSS ainda vai apurar se os peritos de fato cumprem a jornada de trabalho, já que todos os profissionais são obrigados a bater o ponto eletrônico.

Os representantes dos médicos contam outra história. Segundo eles, a demora nos atendimento é por falta de servidores. Clarissa Bassin, vice-presidente da associação dos peritos gaúchos, afirma que o problema é a debandada de profissionais, por aposentadoria ou pedido de demissão. Segundo dados da Associação, 1.332 médicos demitiram-se nos últimos 40 meses no país. De dezembro de 2008 a abril de 2012, o total de profissionais no sistema teria caído de 5.362 para 4.590 — queda de 14,39%.

— A acusação de que os médicos não trabalham não confere. Estão dizendo isso para criar uma cortina de fumaça e esconder que fazem uma gestão horrorosa. Os salários estão congelados desde 2008 e as condições de trabalho são horríveis. Os médicos pedem demissão e o INSS não consegue repor — afirma Clarissa.

Luís Carlos Rogério Freire, delegado da Associação Nacional dos Médicos Peritos na gerência de Novo Hamburgo, diz que é impossível não cumprir os horários, porque a marcação de ponto é eletrônica e ligada diretamente a um controle central.

— Muitos estão saindo, com exonerações e aposentadorias diárias. Os peritos precisam se deslocar de agência para cobrir a falta de médicos em outras cidades.

O quadro é considerado extremo em gerências do INSS do Rio Grande do Sul, onde a remuneração oferecida pelo instituto está abaixo da média do mercado, o que motiva as demissões. Composta por quatro unidades, a gerência da Capital tinha, em 2010, 80 peritos. Atualmente, são 57, sendo que somente a metade faz consultas agendadas. O restante realiza atividades distintas.

— Há dois anos, a espera para uma perícia era de um dia em Porto Alegre. Hoje, a média supera os 90 dias— aponta Verusa Guedes, diretora de Saúde do Trabalhador do INSS.

Para reverter o atual panorama, Hauschild promete redistribuição de servidores, mas também quer aumento de produtividade. Na semana passada, repassou aos gerentes das unidades do INSS a ordem de alavancar os atendimentos. No caso de Porto Alegre, cada médico terá de realizar 18 perícias diárias, segundo ele o dobro do desempenho atual. Para o sindicato nacional da categoria, o ideal seria fazer 12 atendimentos ao dia. — O correto é trabalhar seis horas diárias com atendimentos, numa média de meia hora por paciente. O INSS só pensa em quantidade, não em qualidade de serviço — critica Eduardo Henrique Almeida, diretor de Relações Interinstitucionais do sindicato.

3 comentários:

Heltron Israel disse...

Melhorou bastante a materia do Zero Hora.

Saiba a Sociedade que o INSS tem o sistema mais rígido existente de controle de servidores
1) As APS tem câmeras instaladas
2) O agendamento do Perito é informatizado com senha digital para fazer o laudo, abrir outro programas e incluive seu proprio computador
3) Ponto eletrônico rigoroso e homologado por gerente da APS não médico
4) central de monitorização em Brasilia que enxerga em tempo real quantos aguardam e esperam
5) não há possibilidade de um perito atender agenda eletrônica do outro e os peritos não podem transfereir segurados da sua agenda para a de outros

O presidente do INSS tem muita coisa para explicar para a Gauchada. O desespero justificaria o que foi dito? Não sei.
Sei quem sofre é o povo!

aldofranklin disse...

Vai tchê continua apertando os médicos!
O que vai acontecer é o seguinte:
O Rio Grande do Sul vai ficar sem Perito medico! Como o emprego é Federal então o governo vai ter que fazer uma proposta Salarial e de Condições de trabalho interessante para a Classe! Se botar medico meia boca o gasto estoura então nAo terá outra saída a nAo ser valorizar o Perito Gaúcho tchê e com isso os peritos de todo Brasil ganham...

aldofranklin disse...

"Se apertar o parafuso com muita força ele espana, Gênio da lâmpada"