quinta-feira, 19 de outubro de 2017

AH, QUE SAUDADE DA MINHA BOULANGERIE

"Ah, como era lindo o meu bistrô.... que saudade da minha boulangerie, je ne parle pas français mas curti o briochê...."

Assim, cantarolando versos românticos pelo "Bloco O" afora, o renovado e refrescado Presidente do INSS, Lèonard Gadêlhe, após sua idílica visita à Paris, a cidade luz, retornou ao batente (retour à l'arrêt) junto ao INSS, o Instituto blecaute.

Acompanhado de seu braço direito, Alex Monsieur, Lèonard Gadêlhe aproveitou os momentos na icônica capital gaulesa para interagir com seus pares previdenciários franceses em uma espécie de performance interativa pele-à-pele de cunho pós-impressionista quando de sua visita à  tradicional "École d´arts et de la sécurité sociale de France", mundialmente conhecida como Moulin Rouge.

Quando estavam livres de compromissos oficiais, Gadêlhe e Monsieur aproveitaram para inspecionar, in loco, o modelo previdenciário aplicado às principais boulangeries e bistrôs de Paris e seus benefícios mais tradicionais tais como os brioches, croissants, baguetes, macarons, canelés, éclair, carolinas, tarte citron e petit gateau. 

Ao passarem pela Pont des Arts, aproveitaram e deixaram lá seus cadeados destrancados, uma tradição francesa.

Tanta motivação e entusiasmo chamou a atenção de recrutadores do BID que passavam na Champs Élysées, e lhes rendeu um convite para participarem do Programa Jovens Profissionais do Banco Interamericano de Desenvolvimento. De cara ganharam um cartão de beneficiário do BID e um visto para os Estados Unidos.

Tamanha sorte, aliado aos ares frescos de Paris, só reforçou o sentimento de Lèonard Gadêlhe em deixar, à francesa, a presidência do Reino Inssano, ao qual ele prometeu fazer de forma bem discreta em 17/11. Dizem que na entrada do Charles de Gaulle, Lèonard disse: "Dinheiro não traz felicidade, mas ajuda a sofrer em Paris. Au revouir, mon cher..."

Má notícia para o Conde Champignon, que acuado pela investigação da Operação Lava Cana, está impedido de tentar assumir o trono. A rápida retirada de Léo do Reino não o favorece. Ao Conde Champignon, seu destino será mesmo o Strogonoff....

50 POR 10? ANDRÉ LEANDRO MAGALHÃES ESTÁ APROVADO PARA SER PRESIDENTE DO INSS

André Leandro Magalhães, atual presidente da Dataprev (Dataperde), está com seu nome aprovado na Secretaria de Governo da Presidência da República para ser o próximo Presidente do INSS, em substituição ao neo-francês Lèonard Gadêlhe, que deixará o cargo a princípio em 17/11. 


Militar de formação e pertencente ao quadro da Reserva de Oficiais do Exército Brasileiro, André Leandro é especialista em gestão de tecnologia de informações e atua há vários anos em chefias de órgãos federais, tendo sido responsável pela Subsecretaria de Gestão da Informação do GDF, Coordenador-Geral de Modernização e Informática do Ministério das Cidades, Assessor Técnico do Senado Federal, Conselheiro do Conselho Superior de Informações e Operações Policiais do Distrito Federal, Auditor de Conformidade e Perito Técnico Judicial.

Magalhães já foi diretor da Diretoria de Aeroportos da Infraero em 2016 e desde março de 2017 é presidente da Dataperde (Dataprev).

As qualidades de André Leandro para o cargo de Presidente do INSS são inquestionáveis. Como atual presidente da Dataprev, ele aprendeu o que é trabalhar na zona e o que é comandar um elefante branco paralítico improdutivo. Como ex-diretor de aeroportos da Infraero, André Leandro adquiriu larga experiência com atrasos, cancelamentos, reagendamentos, queda de sistemas, desrespeito ao cidadão, filas sem fim, retenção de canivetes e outras armas brancas de usuários, desperdício de recursos, desvios de malas, encomendas, pacotes e outros bens públicos e privados, ou seja, é o melhor perfil para comandar o INSS que atualmente dispõe o governo.

Por fim, em tempos de INSS Digital, nada como um especialista em TI, big data, business inteligence, call center e demais modernidades que a vida moderna propinaciona

A única dúvida é se ele está disposto ao sacrifício, afinal de contas na Dataperde ele ganha um salário que pode chegar a R$ 50 mil, fora o sossego e a sombra do cargo, e no INSS irá ganhar 5x menos e sentará literalmente na cadeira elétrica do décimo andar. Que estímulo faria um cidadão trocar o céu pelo inferno?

Missão dada, missão cumprida? Teremos que perguntar isso ao General Mourão, quer dizer, General Moura, seu comandante imediato. Mas, por enquanto, é o nome que está indicado pelo generalato para o INSS.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

CHEGA DE ENROLAÇÃO, GABAS. QUEREMOS A PALESTRA DO ROLEX.


O ex-Comissário e ex-croque da Previdência, Carlos Gabas, após conseguir seu refúgio no Senado Federal e após cumprir a suspensão por condenação no PAD da Aposentadoria irregular da Presidanta Dilma, voltou a dar palestras país afora sobre a "reforma da previdência"

Deixa de enrolação, Gabas! Ninguém quer saber disso. O que os servidores querem aprender é como que um técnico do seguro social, com seu salário acrescido apenas de penduricalhos dos cargos ocupados conseguiu, em tão pouco tempo, comprar tantos relógios Rolex, canetas Mont Blanc e carros Mercedes Benz como os apreendidos pela Polícia Federal além de pagar uma das mais caras faculdades de medicina do país para a prole, casar filhos no Caribe em resort 6 estrelas e morar de aluguel no metro quadrado mais caro de Brasília.

Essa é a palestra que queremos, Gabas. Esqueça a reforma. Nos ensine o segredo, escreva um livro e fique rico, ou mais rico, sei lá...

terça-feira, 10 de outubro de 2017

GADELHA NA CIDADE-LUZ E O INSS NA DATATREVAS.


Quem passa hoje em frente ao Bloco "O" da Quadra 2 do Setor de Autarquias Sul, em Brasília, imagina estar diante do mais novo templo religioso de Brasília, um lindo e espelhado edifício que reflete o brilho de centenas de velas que adornam suas janelas, escadas e colunas, com dezenas de pessoas agachadas e ajoelhadas no que aparentam estar em prece ou oração.

Ledo engano. Trata-se do bom e velho Edifício Central do INSS, de onde se comandam (ou se deveriam comandar) as políticas previdenciárias que afetam todos os brasileiros de Norte ao Sul do país.

Antes de partir para as pradarias francesas, o donatário do Reino Inssano, Leonardo Gadelha, preocupado com o resultado dos indicadores contidos no último relatório de gestão e ao verificar o resultado do último IMA-GDASS, comentou em alto som: "que os últimos apaguem as luzes!", e se picou para a Avenue des Champs-Élysées, onde neste momento se divide entre os brioches, macarons, medeleines, trufas e éclair. Segundo informes, o TMDD (Tempo Médio de Degustação da Délicatesse)  do Rei Léo está em 5 minutos.

O problema é que seu chefe da guarda, o General Osório, ouviu o desabafo e o interpretou como uma ordem, e para um General quatro-estrelas, missão dada é missão cumprida. De imediato, editou uma "Resolução Institucional"  determinando a apreensão e confisco de todas as lâmpadas do prédio. As luminárias que conseguiram escapar foram pro exílio em Roma ou Londres, porque Cuba e Venezuela é coisa de intelectual ou otário.


O resultado dessa opressão é que a escuridão tomou conta do Reino Inssano, literalmente. De imediato, servidoras agitadoras ligados a movimentos sociais vermelhos subversivos começaram a acender velas nas escadas, colunas e fazer correntes pedindo democracia, diretas já e velas para todos, gritando a palavra de ordem "Não é minha atribuição".

Mas ao perceberem que, com tanta vela acesa, teriam que voltar ao trabalho, desistiram do protesto e preferiram ir para a clandestinidade, onde não teriam que habilitar BPC LOAS e Salário Maternidade e continuariam a ter sua GDASS garantida pelo esforço escravo dos outros servidores.

Quem gostou dessa história foi o Conde de Magalhães, Senhor Feudal do Reino de Datatrevas, que apesar de ser um feudo à parte, exerce forte influência sobre o Reino Inssano e seus príncipes.  Para alguns, o Conde de Magalhães é a identidade do Imperador Galático, entidade mítica ainda não fotografada e que é o verdadeiro dono da Galáxia Previdenciária, onde, além do Reino Inssano e de Datatrevas, co-existem o reino da Prevaric, ainda sob comando de Ali Gabbas e seus 40 ladrões e o reino da Fazenda, sob comando de Bruncaa, the Hut.

Único registro fotográfico do Imperador Galático da Previdência. Suspeita-se que ele e o Conde de Magalhães, donatário do Reino da Datatrevas, sejam a mesma pessoa.


Com o INSS no escuro, ficou muito mais fácil para o Rei da Datatrevas tomar posse do Reino Inssano, afinal seu exército extremamente equipado e com um serviço de tecnologia de informação poderoso, está preparado para avançar na escuridão inssana com muita facilidade.


Acima, demonstrativo dos sofisticados equipamentos de TI disponibilizados para os soldados da Datatrevas invadirem e ocuparem o Reino Inssano.

A ocupação do INSS pelo Reino da Datatrevas, de fato, já teve início e tende a se aprofundar a medida que o Rei Léo aparentemente terá o mesmo destino de Luís XVI, Rei da França e Navarra de 1774 até ser  guilhotinado pela Revolução Francesa. Sem poder assumir os dois tronos ao mesmo tempo, o Imperador está à busca de um aliado para poder comandar as duas casas em harmonia.

As tropas tecnológicas do Reino da Datatrevas, com seus óculos de visão noturna, encontraram no oitavo andar do prédio central do INSS dois servidores da DIRBEN, desaparecidos há 20 anos. Segundo relatos, eles estavam procurando até hoje qual era, afinal de contas, as atribuições das servidoras sociáveis.

Soubemos que o Conde de Champignon tentou uma aproximação com o Conde de Magalhães mas foi vetado pela polícia intergaláctica, que está à sua caça e montou a Operação Strogonoff para investigar desvio de cana-de-açúcar de seu condado. 

Nesse cenário, surge como líder absoluto dessa corrida maluca o Lorde Oliva, que aparentemente conseguiu abafar o golpe urdido contra sua pessoa e promete, ao assumir o Reino Inssano, assinar a anistia às lâmpadas e implantar o INSS DIGITAL junto com o "Minha Lâmpada, Minha Vida".

Símbolo do INSS Digital

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

SAÍDA À FRANCESA

A trairagem está rolando solta no Reino dos Inssanos. Tal qual a França pré-revolucionária, a cadeira real está sendo alvo de intensa cobiça, e o grupo que parecia unido para suceder a dinastia gadelhiana está se desfazendo diante de notícias de traições e conspirações em seu próprio núcleo.

Os aristocratas dos Cinco Condados Regionais, que antes pareciam unidos para emplacar um sucessor para a Casa Real de Brasília, estão agora rachados em seu projeto de sucessão real. 

Dois chefes de condados se uniram e estão capitalizando apoio para sucederem o trono inssano, ao contrário do que havia sido pactuado no Tratado de Lindóia, assinado com sangue pelos dignatários meses atrás.

Diante de tanta infidelisdade, o líder dos aristocratas, Lorde Oliva, Senhor das Terras do Mordor e chefe do Condado dos Bandeirantes, corre o risco de ter seu objetivo guilhotinado pela traição do chefe do Condado do Pantanal, Canavial e Matas Virgens, o Conde Champignon, que se aliou ao chefe do Condado dos Guararapes, o Conde Luan Santana, para assumir a cadeira Real após derrubar Gadelha e isolar Lorde Oliva no exílio.

Os líderes da conspiração não estão sozinhos. Apesar de aparentemente ser uma união sem nenhum nexus, a segurança do grupo conspirador está alicerçada com financiamento de setores produtivos do Reino,  interessados em fornecer ao Gabinete Real e seus protetorados o que há de mais moderno em  logística, equipamentos mobiliários e de vigilância. O Duque de Arteline tem sido o interlocutor desse apoio dos setores produtivos.

Conde Champignon inclusive já teria se articulado com a quadrilha de Lularápio e seus 40 ladrões para fornecer quadros para ocupar as cadeiras do Reino, de forma a tranquilizar a aristocracia de que sua ascensão não causaria ruptura de poder.  Consta que 3 mercenários e vigaristas dessa tropa já estariam articulados para assumir o Ministério de Doenças e Saúde do Reino.

Mesmo diante de tamanha fervura, o donatário da cadeira, Leonardo Gadelha, irá passar os próximos dias em Paris, em missão oficial do Reino Inssano em terras francesas. Tal qual Maria Antonieta, ele corre o sério risco de ir à Champs Elysees comer um brioche e perder a cabeça no meio do caminho.

Mas como em Paris, tudo é festa, pode ser que essa viagem seja apenas uma forma do elegante donatário dar uma espécie de "saída à francesa" do Reino Inssano, evitando maiores exposições. Está aberta a batalha.

Au Revoir, mon cher ami!

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

UPGRADE: DE COORDENADOR-GERAL POR UM DIA A DIRETOR SUBSTITUTO POR UM MÊS

Este blog parabeniza o servidor Vitor Poubel, coordenador-geral da DIRAT que completou nessa semana um mês como Diretor de Atendimento, substituto, do INSS.

De Coordenador-Geral por um dia (vide link), ele já está há 30 dias como Diretor de Atendimento do INSS, em substituição por vacância do cargo de titular. É o que se chama de "upgrade" em teoria de administração.

Não é nada, não é nada, mas ele já é Diretor da DIRAT há mais tempo que o ex-titular do cargo, William Giuliano dos Prazeres, que ficou na cadeira por incríveis 27 dias.

Por outro lado, William já está há mais tempo dizendo que "vai voltar" do que de fato "foi um dia". É o que se chama de "downgrade" em teoria de administração.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

DGP COLOCA OS PINGOS NOS "I" SOBRE "SOCIÁVEIS" - NÃO SÃO PROFISSIONAIS DE SAÚDE E NÃO SÃO ASSISTENTES SOCIAIS DO INSS. ELAS SÃO ANALISTAS DO SEGURO SOCIAL.

Tirando a brincadeira e o tom de crítica, o blog denunciou aqui que grupos ligados a estas servidoras estavam aparelhando politicamente sua atividade, em detrimento do atendimento à população, resultando em desvio de finalidade de atividade e de pagamento de pesquisas externas, baixíssima produtividade, filas inexplicáveis de atendimento, descumprimento de edital e, principalmente, que apesar do discurso, não existe uma carreira de assistentes sociais no INSS. Todas elas, incluindo as psicólogas, terapeutas ocupacionais, etc, são analistas do seguro social, logo, precisam cumprir as funções típicas de analistas do seguro social.

Em 01/09/2017 a Diretoria de Gestão de Pessoas (DGP) do INSS, através do Memorando-Circular nº25 DGP/INSS, informou que, após consulta ao MPOG, ficou claro e sem dúvidas que "as atividades das analistas do seguro social com formação em serviço social no âmbito do INSS não são profissionais de saúde para fins de enquadramento da excepcionalidade inserta no art. 37, inciso XVI, alínea "c" da Constituição Federal e, dessa forma, não há que se falar na possibilidade de acumulação por falta de amparo legal."

Indo além, a DGP diz que o mesmo entendimento vale para Analistas do Seguro Social com formação em Terapia Ocupacional, Fisioterapia e Psicologia e que o fato "do concurso permitir o recrutamento e seleção por áreas de especialização, tem como objetivo o atendimento das necessidades específicas de interesse público, em alguns momentos, sendo equivocado pensar que a formação superior exigida para a ocupação de um cargo público determina sua natureza."

O entendimento desse memorando da DGP está baseado na Nota Informativa nº51/DOUP/COLEGIS/CGGP/DGP/INSS de 31 de agosto de 2017 e na Nota Técnica nº3687/2016-MP do Ministério do Planejamento, que inclusive dizem que embora o Conselho Nacional de Saúde (CNS) "reconheçam" essas profissões como "de área da saúde", os próprios conselhos de classe dessas entidades afirmam que não são "exclusivas da saúde" e que o entendimento do CNS é restrito apenas ao próprio CNS, não sendo expansível a outras áreas da administração pública.

Leiam os documentos:

Memorando Circular nº25 DGP/INSS de 01/09/2017

Os pareceres também lembram que a posição sólida da AGU e da jurisprudência dizem que independente da nomenclatura do cargo, a garantia de poder acumulá-losna forma prevista da CF está atrelada às atividades exercidas pelo profissional.

Portanto, se um médico ocupar um cargo de Auditor-Fiscal do Trabalho, ele não poderia alegar ser médico para acumular um segundo cargo público, pois seu cargo original não é exclusivo de saúde, da mesma forma que a assistente social que ocupe cargo de Analista do Seguro Social.

Com isso, não apenas está proibida a acumulação de dois cargos públicos por parte de Analistas do Seguro Social com formação em Assistente Social, Psicologia, Terapia Ocupacional e Fisioterapia, como também os cargos já acumulados deverão ser alvo de sindicância individual nos termos da Lei 8.112/90 e essas profissionais deverão ser colocadas para realização de atividades típicas de analistas, como atender no balcão para habilitação de benefícios, reconhecimento de benefícios previdenciários e todas as atividades que são comuns aos analistas do seguro social.

Está então, provado e ratificado, pelo próprio Instituto, tudo o que denunciamos aqui nos últimos meses.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

GABAS QUIS SER VISTO NA GEX CENTRO SEXTA PASSADA. SUSPENSÃO DE PAD O PROÍBIA DE ENTRAR NA REPARTIÇÃO.

Pelo menos 5 servidores do INSS procuraram anonimamente este blog hoje de manhã confirmando que viram sim o ex-comissário Carlos Gabas, acompanhado de um senhor japonês de baixa estatura, entrando e circulando livremente na Gerência São Paulo Centro.


"Se ele quisesse entrar escondido, bastaria entrar de carro preto na garagem e subir no elevador exclusivo do subsolo. Ele entrou pela calçada, no portão central, e  aparentemente quis ser visto pelos servidores". - Disse um relato.


"Isso vai dar problema pro Gabas, pois se ele estava em cumprimento do período de suspensão, não poderia ter adentrado ao prédio da administração do INSS dessa forma, pois está com direitos e deveres suspensos nesse período." - Disse outro relato.

"Foi um ti-ti-ti quando vazou no prédio que ele estava aqui dentro. Se fechou no gabinete com Edgar e um monte de servidor".  - Disse outro.

Mentira tem perna curta. Gabas comete o mesmo erro que cometeu em 2016, quando pareceu um pavão entrando na APS Asa Sul, em Brasília. O resultado todos conhecem, qual será o resultado desta nova aparição?

A pergunta que não quer calar: Ele foi a SP de avião ou pilotando sua reluzente e novíssima moto italiana Ducati? Como todos sabem, qualquer servidor do INSS possui renda para comprar esse tipo de moto...


Moto similar a que Gabas foi visto circulando em Brasília... Bem popular....

EXCLUSIVO: GABAS E PT PLANEJAM GOLPE EM SÃO PAULO - ERRO DE SUPERINTENDENTE PODERÁ LHE CUSTAR O CARGO.

Passo em falso - Pedido de ajuda do Superintendente de São Paulo ao PT poderá lhe custar o cargo. 

Gabas esteve na última sexta-feira na GEx São Paulo Centro - A pauta foi a derrubada de Oliveira. Ex-comissário quer voltar a ser protagonista.


Sexta-Feira, 25 de agosto de 2017. Carlos Gabas, cumprindo sua suspensão de 10 (dez) dias no PAD em que foi condenado por improbidades na aposentadoria da ex-Presidente Dilma, entra na sede da Gerência Executiva em São Paulo-Centro, a maior do país, acompanhado de um senhor japonês de baixa estatura. 

Em seguida, se reúne a portas fechadas com o Gerente-Executivo, Edgar Campos e uma equipe de petistas, incluindo ex-gerentes executivos da era PT, composta por Vilma Ramos, Francisca Iara, Sônia, Regina Scarpin (Chefe da Administração da GEx), José Hilton (antigo chefe de benefícios, muito ligado a Gabas e Elisete Berchiol),  Dalvina Suguiyama (ex-chefe de Orçamento e Finanças da Centro) com seu marido Elio Suguiyama (SERAT) e Samuel Rapchan (atual chefe da SERAT GEx Centro). 

Antes de continuar, o leitor precisa saber que todos desse grupo acima listado, exceto o Gerente Edgar, falam mal abertamente do atual Superintendente, Oliveira, e torcem por sua queda. Recentemente Oliveira exonerou José Hilton e Dalvina de seus cargos DAS.

Na reunião, o grupo pediu a Gabas ajuda para se fortalecerem politicamente em São Paulo. Relataram mudanças recentes no INSS que lhes vem causando muita preocupação e comentaram a fragilidade atual vivida pela superintendência, por estar com mais de 90.000 processos represados há mais de 90 dias, número que vem crescendo mensalmente a despeito dos esforços feitos para eliminar estoques, como criação de GT e outras estratégias de priorização da diminuição do passivo.

Após muita malhação ao superintendente e, em especial, ao chefe de gabinete dele, Edson, foi elaborada uma estratégia política de derrubada de Oliveira e o início de uma campanha interna de combate ao atual gabinete da Santa Ifigênia (Sede da SR).

O mais curioso é que, segundo relatos, foi o próprio Oliveira que teria incentivado tal reunião, mas por motivos bem diferentes. Segundo uma fonte exclusiva contou a este blog, Oliveira estava preocupado com o que sentia como boicote a sua gestão e procurou o PT para pedir ajuda: o partido ajudaria o INSS em SP a pressionar quadros ainda possuidores de cargos no Estado a estimularem os servidores à executar as tarefas necessárias à redução do estoque e, em troca, voltaria a colocar petistas em cargos de confiança na Superintendência. Segundo essa fonte, primeiramente Oliveira teria procurado Dulcina Golgato, ex-SR, pensando que ela seria o contato com Gabas em São Paulo.

Orientado corretamente, procurou Gabas e teria autorizado o Gerente Edgar a fazer as negociações em seu nome, para evitar ser visto junto com o célebre ex-comissário, condenado na Justiça em 2014 e no PAD em 2017. Só que a trairagem rolou solta e a tal reunião serviu para marcar a cova política do atual Superintendente.

Pior: segundo a fonte, Oliveira não poderá contar com o apoio de seu padrinho político, o deputado federal Arnaldo Faria de Sá, que inclusive teria orientado Oliveira a procurar o PT para lhe ajudar. A fonte afirma que o deputado Arnaldo é visto falando, publicamente, que Gabas fez muito favor a ele e não iria agir contra Gabas.

Inclusive por conta dessa blindagem, Gabas ainda desfrutaria de uma rede de apoios na SR Paulista: consta que ainda estejam em suas mãos um número significativo de indicados a chefias de APS,  benefícios e cargos estratégicos, além de toda a Previc ("Prevaric") paulista, que comeria em sua mão.

Há meses este blog vem alertando que Oliveira está sendo boicotado de forma sistemática por setores vermelhos do INSS. Infelizmente não fomos ouvidos e parece que passos em falso do superintendente poderão lhe custar o cargo, pois agora ele está, literalmente, nas mãos dos chefes de benefícios e gerentes de APS de São Paulo. 

Sendo verdade esta versão, constata-se que Oliveira foi pedir ajuda a seu caçador para fugir da caçada. O resultado desse tipo de erro nós já conhecemos.

Como diz o ditado: quem dá a mão ao diabo, não pode reclamar da queimadura.

domingo, 20 de agosto de 2017

GABAS DESCUMPRE TAC E PODERÁ SER PRESO POR CONDENAÇÃO EM PAD

TAC assinado em outubro de 2014 com o MP do DF o obrigava a não cometer crimes e/ou ser processado criminalmente nos próximos dois anos. Crime de favorecimento para aposentadoria de Dilma Rousseff, ocorrido em 01.08.2016, segundo apurou sindicância do PAD ao qual ele foi condenado, anula o acordo e poderá levar Gabas à prisão, além da perda dos benefícios conquistados pelo acordo de 2014.
_______________________________________

O ex-Ministro da Previdência, Carlos Gabas, foi condenado em 2014 por falso testemunho em processo aberto em sua cidade natal, Araçatuba (SP), no ano de 2012. Na ação, uma empresa cobrava comissão por intermediação de uma venda de imóvel ligado à família de Gabas. 

O juiz local foi enfático: “Deste modo, não pode prevalecer (...) o depoimento prestado pela testemunha dos requeridos, Carlos Eduardo Gabas, amigo de infância do réu Sidney, razão por que deve ser desprezado, tratando-se, na verdade, de relato suspeito e suspicaz de parcialidade, merecendo, inclusive, melhor elucidação para apuração da eventual prática de crime de falso testemunho”. O assunto foi noticiado em primeira mão pelo blog dos médicos peritos do INSS (www.perito.med.br) e foi noticiado posteriormente na mídia de todo o país.

O juiz mandou o caso para ser investigado pela polícia do Distrito Federal, onde Gabas residia à época da acusação. O Ministério Público Federal ofereceu denúncia contra o acusado à 5ª Vara Criminal de Brasília, por falso testemunho, enquadrando-o no artigo 342 do Código Penal.

Em 09 de outubro de 2014, a defesa de Gabas aceitou acordo com o Ministério Público se comprometendo a não dar motivos para ser processado criminalmente; não frequentar determinados lugares, como casas de prostituição, de jogos de azar, e de não se ausentar do Distrito Federal, por prazo superior a trinta dias, sem autorização do juízo, além de comparecer obrigatoriamente ao juízo, a cada dois meses. Em 19 de janeiro de 2015, a 5ª Vara Federal declinou da ação pois o Gabas havia sido nomeado Ministro da Previdência Social. Pela lei, o processo foi remetido ao STF, sob relatoria da Ministra Carmem Lúcia, gerando a ação penal 918, movida pelo Ministério Público Federal.

A ministra Carmem Lúcia notificou Gabas no dia 16 de junho de 2015 a começar a cumprir o acordo com o MPF na 5ª Câmara Criminal do DF. O acordo durou dois anos e, se fosse cumprido, o caso seria arquivado, mas ele deixaria de ser considerado réu primário de qualquer maneira. 

O processo voltou à 5ª Vara Criminal em virtude da exoneração de Gabas do Ministério em 12 de maio de 2016. Válido até 16 de junho de 2017, acordo foi violado em 01/08/2016, data em que, segundo o PAD, Gabas usou de seu prestígio para furar a fila do INSS e obter, em tempo recorde, a aposentadoria da ex-Presidente Dilma Rousseff, cassada na véspera pelo Senado Federal.

Cabe agora ao MP do DF definir o que fazer em relação à violação do TAC relativo ao caso Gabas.

Para saber mais:

GABAS - PRIMEIRO TÉCNICO A SER MINISTRO, PRIMEIRO MINISTRO A SER CONDENADO EM PAD.

Falta agora apurar o crime de favorecimento apurado pela sindicância do PAD. Gabas é reincidente pois em 2014 foi condenado por perjúrio, crime do qual cumpriu pena alternativa após acordo com o MPF.

Carlos Gabas, o ex-comissário da Previdência, ex-croque do INSS e ex-motoqueiro da Presidência da República, é um vanguardista do serviço público federal.

Primeiro servidor de carreira a virar Ministro de Estado da Previdência, se tornou esse fim de semana o primeiro Ministro de Estado da história do Brasil a ser condenado em PAD.

Segundo a Revista Veja, confirmado hoje pelo Jornal Nacional (Rede Globo), um despacho assinado pelo ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, aplicou uma suspensão de 10 (dez) dias ao ex-ministro Carlos Gabas, responsável por Dilma ter furado a fila do INSS.
Segundo matéria da Veja, "Por ter usado da influência de ex-ministro da Previdência para furar a fila de agendamentos do INSS a fim de acelerar o processo de aposentadoria de Dilma, Carlos Gabas foi suspenso do serviço público por 10 dias. Servidor de carreira do órgão, Gabas está cedido para o gabinete do petista Humberto Costa (PE), líder da minoria no Senado. Com a punição assinada pelo ministro Osmar Terra, ele não poderá trabalhar nesse período e terá o salário descontado em folha. “As apurações demonstraram que as ações do indiciado (Gabas) contribuíram para agilizar a concessão do benefício, assegurando seu deferimento em condições mais favoráveis ou benéficas que o usual”, registra o relatório final da sindicância: “O servidor atuou como intermediário junto à repartição pública, fora das exceções permitidas em lei, em atitude incompatível com a moralidade administrativa”

Apesar da condenação, este blog discorda da comissão processante que disse que a pena seria menor por ele ter "bons antecedentes". Isto não procede. Gabas foi condenado em 2014 por crime de perjúrio e não é mais réu primário (http://www.perito.med.br/2015/06/gabas-e-condenado-por-falso-testemunho.html)

De qualquer maneira, este blog homenageia mais uma condenação do ex-pupilo de ouro do INSS e o ex(?)-Marajá da Previdência lembrando 13 (sim, homenagem ao PT) temas que ainda faltam a apurar contra o motoqueiro de Dilma:

1) Gabas x Nomeação de Funcionário Fantasma no MPS:


2) Gabas x Recebimento Indevido de Auxílio-Moradia (essa com repercussão nacional)


3) Gabas x Vida de Marajá - Recebimento Acima do Teto do STF
http://www.perito.med.br/2014/04/vida-de-maraja-de-gabas-e-destaque-em.html


4) Gabas x Manipulação da CGU


5) Gabas x Dossiês Políticos:


6) Gabas x Operação Porto Seguro


7) Gabas x Omissão no Conselho Fiscal do SESC:


8) Gabas x Escândalo do Bancoop:


9) Gabas x Nepotismo: 
http://www.perito.med.br/2016/08/gabas-casa-filha-em-resort-5-estrelas.html

10) Gabas x Escândalo dos Consignados

11) Gabas x Lava Jato
http://www.perito.med.br/2016/10/corre-gabas-corre.html

12) Gabas x Previc (Prevaric - Fundos de Pensão)

13) Gabas e Condenação por Perjúrio e possível descumprimento do TAC
http://www.diariodopoder.com.br/noticia.php?i=34598474758
http://www.perito.med.br/2015/06/caso-gabas-uma-ja-foi-faltam-as-outras.html

terça-feira, 8 de agosto de 2017

LACAIOS GERIÁTRICOS DA FENASPS DECLARAM APOIO AO ASSASSINO E DITADOR MADURO - QUEM É RUIM SE DESTRÓI SOZINHO.


Inacreditável, a pá de cal que faltava em quem ainda levava a sério o braço do PSTU/PSOL chamado de FENASPS, que há décadas monopoliza a representação sindical dos administrativos do INSS em prol de políticas partidárias a quem são servos, lacaios e subservientes.

Em manifestação patética, para dizer o mínimo, a FENASPS acaba de enterrar as já parcas chances de organizar uma greve dos administrativos em 2017 ao misturar, nas deliberações de sua executiva nacional realizada dia 05/08, em Brasília, temas como greve, defender estudante vagabundo que agride professor e, acreditem, defender a ditadura assassina de Nicolás Maduro na Venezuela. Vejam abaixo a deliberação 19:

Isso mesmo... a FENASPS está defendendo a ditadura assassina e sanguinolenta de Nicolás Maduro, que está matando dezenas de pessoas toda semana, prendendo, torturando e estuprando opositores diariamente em porões políticos espalhados pelo pobre país, usando milícias como controle de multidões, inclusive milícias ligadas ao grupo terrorista Hezbollah.

Só há uma resposta a isso: a desfiliação maciça desse antro de loucos, dessa escumalha que de tão incompetente até hoje nem carta sindical possuem.

Abaixo um modelo simples de desfiliação, que deve ser enviada com A.R.  (não tentem ir ao sindicato protocolar pois eles estão recusando dar ciência em tais pedidos, ou inventando moda de pedir assinatura com firma, etc). Informem no A.R. que se trata de "solicitação de desfiliação do sindicato":


Para interromper imediatamente o desconto, encaminhem carta ao SOGP exigindo interrupção no desconto a partir do mês corrente.

Por fim, avisem ao gerente do Banco para bloquear o desconto em conta bancária, caso haja, do respectivo sindicato.

Quem defende estuprador e assassino merece nosso mais profundo repúdio.

Para saber além do que esses xiitas insanos esquerdistas falam, o que de fato ocorre na Venezuela:

domingo, 6 de agosto de 2017

ESCÂNDALO: CLIPPING DA SUPERINTENDENTE KATHIA (CHAMEX) CHAMA PRESIDENTE TEMER DE "ILEGÍTIMO" E "GOLPISTA"

Causou espécie nos servidores do INSS o clipping oficial da Superintendência Sul no último dia 02/08/2017, pois trazia entre as notícias "selecionadas" uma oriunda de um blog sujo petista, intitulado "Blog do Esmael", que dizia que o Presidente Temer era "ilegítimo", "golpista" e que a convocação de 55 mil segurados para o PRBI (Lei 13.457/17) seria "chamar inválidos para provarem que são incapazes".


Que a Superintendente Kathia, carinhosamente chamada de Superintendente Chamex, não é fã do Presidente Temer, já sabemos, pois durante o Governo Dilma sempre defendeu o PT e ocupou cargos de poder junto à Gerência de Joinville.

Mas chegar a esse nível, de colocar no clipping oficial da Superintendência um panfleto sectário e odioso como o desse blog petista, trata-se de uma grave afronta que com certeza, deveria ter uma resposta à altura do Governo.


Será que o deputado Mauro Mariani (PMDB-SC), que banca a nomeação de Kathia na SR, gostará de ser associado a esse tipo de comportamento e propaganda? 


A cada dia que passa, com tantas notícias polêmicas envolvendo a Superintendente Chamex, nos perguntamos: Após licitar 200 mil resmas de papel, não defender servidores de ameaças de morte e chamar o Presidente da República de ilegítimo, qual é o verdadeiro papel da Superintendente? O deputado Mariani está por trás dessas ações? Ou não?

Abaixo a notícia copiada da tela dos computadores do INSS e a transcrição do e-mail recebido pelos servidores da Superintendência., que chama Temer de golpista, ilegítimo e de querer caçar inválidos.

Chamex, chamex..... Isso que dá comprar tanto papel, agora fica passando papelão....





> -----Mensagem original-----
>
> Assunto: Clipping Eletrônico de 2 de agosto de 2017
>
> Remetente: "COMSOCPR Curitiba"
> <comsocpr@inss.gov.br>
>
> Para: lista-geral-pr@inss.gov.br,
luciane.gervasio@agu.gov.braud.ctb@inss.gov.br,
apepr@previdencia.gov.br,
maristela.trindade@previdencia.gov.br,
16a.juntarecursos@previdencia.gov.br,
noely.kostin@previdencia.gov.brsiass.inssctb@inss.gov.br,
anaspspr@gmail.com,
>  sindprevspr@onda.com.brasps@asps.org.br,
acssc@inss.gov.br
>
> Data: 02/08/2017 15:40
>
>
> Clipping da Superintendência Regional Sul
>
> 02/08/2017
> (quarta-feira)
>
>
> Blog do Esmael
>
> Política
>
> 01/08/2017
>
>
> Temer quer que inválidos provem que precisam de benefícios do INSS
>
> Era só que faltava. O ilegítimo Michel Temer convocou segurados do INSS pelo Diário Oficial da União, desta >terça (1º), para que provem que necessitam do benefício por incapacidade.
>
> A medida de Temer de convocar beneficiários é para revisar a concessão de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez de milhares  de brasileiros, que de alguma forma, não se enquadram nas condições necessárias para o recebimento. Ao total, 20,3 mil benefícios já foram cancelados devido ao não comparecimento dos e já foram enviadas 435 mil cartas de convocação.
>
> Os segurados convocados têm até cinco dias, ou até sábado (5), para informar ao Instituto Nacional do Seguro >Social a data da perícia  que comprovará a necessidade da manutenção do benefício.
>
> Caso o segurado não compareça à convocação, o INSS informa que suspenderá o pagamento do benefício ao
> incapacitado.
>
> O diabo é que isso tudo visa engordar o caixa do governo, dinheiro para formar o superávit primário e >pagamento os juros [para bancos e rentistas] da dívida interna.
>
> Se Michel Temer realmente estive preocupado em salvar a Previdência Social ele, ao invés de caçar inválidos e incapazes, cobraria os R$ 500 bilhões que as grandes empresas sonegadoras devem.
>
> Resumo da ópera: o golpe não tem alma nem coração; muito menos compaixão.
>
>
> Clipping:
http://www-inss.prevnet/tipo_utilidade/clipping/?menu_local=1&ol=14001
> Expediente