quinta-feira, 14 de setembro de 2017

UPGRADE: DE COORDENADOR-GERAL POR UM DIA A DIRETOR SUBSTITUTO POR UM MÊS

Este blog parabeniza o servidor Vitor Poubel, coordenador-geral da DIRAT que completou nessa semana um mês como Diretor de Atendimento, substituto, do INSS.

De Coordenador-Geral por um dia (vide link), ele já está há 30 dias como Diretor de Atendimento do INSS, em substituição por vacância do cargo de titular. É o que se chama de "upgrade" em teoria de administração.

Não é nada, não é nada, mas ele já é Diretor da DIRAT há mais tempo que o ex-titular do cargo, William Giuliano dos Prazeres, que ficou na cadeira por incríveis 27 dias.

Por outro lado, William já está há mais tempo dizendo que "vai voltar" do que de fato "foi um dia". É o que se chama de "downgrade" em teoria de administração.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

DGP COLOCA OS PINGOS NOS "I" SOBRE "SOCIÁVEIS" - NÃO SÃO PROFISSIONAIS DE SAÚDE E NÃO SÃO ASSISTENTES SOCIAIS DO INSS. ELAS SÃO ANALISTAS DO SEGURO SOCIAL.

Tirando a brincadeira e o tom de crítica, o blog denunciou aqui que grupos ligados a estas servidoras estavam aparelhando politicamente sua atividade, em detrimento do atendimento à população, resultando em desvio de finalidade de atividade e de pagamento de pesquisas externas, baixíssima produtividade, filas inexplicáveis de atendimento, descumprimento de edital e, principalmente, que apesar do discurso, não existe uma carreira de assistentes sociais no INSS. Todas elas, incluindo as psicólogas, terapeutas ocupacionais, etc, são analistas do seguro social, logo, precisam cumprir as funções típicas de analistas do seguro social.

Em 01/09/2017 a Diretoria de Gestão de Pessoas (DGP) do INSS, através do Memorando-Circular nº25 DGP/INSS, informou que, após consulta ao MPOG, ficou claro e sem dúvidas que "as atividades das analistas do seguro social com formação em serviço social no âmbito do INSS não são profissionais de saúde para fins de enquadramento da excepcionalidade inserta no art. 37, inciso XVI, alínea "c" da Constituição Federal e, dessa forma, não há que se falar na possibilidade de acumulação por falta de amparo legal."

Indo além, a DGP diz que o mesmo entendimento vale para Analistas do Seguro Social com formação em Terapia Ocupacional, Fisioterapia e Psicologia e que o fato "do concurso permitir o recrutamento e seleção por áreas de especialização, tem como objetivo o atendimento das necessidades específicas de interesse público, em alguns momentos, sendo equivocado pensar que a formação superior exigida para a ocupação de um cargo público determina sua natureza."

O entendimento desse memorando da DGP está baseado na Nota Informativa nº51/DOUP/COLEGIS/CGGP/DGP/INSS de 31 de agosto de 2017 e na Nota Técnica nº3687/2016-MP do Ministério do Planejamento, que inclusive dizem que embora o Conselho Nacional de Saúde (CNS) "reconheçam" essas profissões como "de área da saúde", os próprios conselhos de classe dessas entidades afirmam que não são "exclusivas da saúde" e que o entendimento do CNS é restrito apenas ao próprio CNS, não sendo expansível a outras áreas da administração pública.

Leiam os documentos:

Memorando Circular nº25 DGP/INSS de 01/09/2017

Os pareceres também lembram que a posição sólida da AGU e da jurisprudência dizem que independente da nomenclatura do cargo, a garantia de poder acumulá-losna forma prevista da CF está atrelada às atividades exercidas pelo profissional.

Portanto, se um médico ocupar um cargo de Auditor-Fiscal do Trabalho, ele não poderia alegar ser médico para acumular um segundo cargo público, pois seu cargo original não é exclusivo de saúde, da mesma forma que a assistente social que ocupe cargo de Analista do Seguro Social.

Com isso, não apenas está proibida a acumulação de dois cargos públicos por parte de Analistas do Seguro Social com formação em Assistente Social, Psicologia, Terapia Ocupacional e Fisioterapia, como também os cargos já acumulados deverão ser alvo de sindicância individual nos termos da Lei 8.112/90 e essas profissionais deverão ser colocadas para realização de atividades típicas de analistas, como atender no balcão para habilitação de benefícios, reconhecimento de benefícios previdenciários e todas as atividades que são comuns aos analistas do seguro social.

Está então, provado e ratificado, pelo próprio Instituto, tudo o que denunciamos aqui nos últimos meses.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

GABAS QUIS SER VISTO NA GEX CENTRO SEXTA PASSADA. SUSPENSÃO DE PAD O PROÍBIA DE ENTRAR NA REPARTIÇÃO.

Pelo menos 5 servidores do INSS procuraram anonimamente este blog hoje de manhã confirmando que viram sim o ex-comissário Carlos Gabas, acompanhado de um senhor japonês de baixa estatura, entrando e circulando livremente na Gerência São Paulo Centro.


"Se ele quisesse entrar escondido, bastaria entrar de carro preto na garagem e subir no elevador exclusivo do subsolo. Ele entrou pela calçada, no portão central, e  aparentemente quis ser visto pelos servidores". - Disse um relato.


"Isso vai dar problema pro Gabas, pois se ele estava em cumprimento do período de suspensão, não poderia ter adentrado ao prédio da administração do INSS dessa forma, pois está com direitos e deveres suspensos nesse período." - Disse outro relato.

"Foi um ti-ti-ti quando vazou no prédio que ele estava aqui dentro. Se fechou no gabinete com Edgar e um monte de servidor".  - Disse outro.

Mentira tem perna curta. Gabas comete o mesmo erro que cometeu em 2016, quando pareceu um pavão entrando na APS Asa Sul, em Brasília. O resultado todos conhecem, qual será o resultado desta nova aparição?

A pergunta que não quer calar: Ele foi a SP de avião ou pilotando sua reluzente e novíssima moto italiana Ducati? Como todos sabem, qualquer servidor do INSS possui renda para comprar esse tipo de moto...


Moto similar a que Gabas foi visto circulando em Brasília... Bem popular....

EXCLUSIVO: GABAS E PT PLANEJAM GOLPE EM SÃO PAULO - ERRO DE SUPERINTENDENTE PODERÁ LHE CUSTAR O CARGO.

Passo em falso - Pedido de ajuda do Superintendente de São Paulo ao PT poderá lhe custar o cargo. 

Gabas esteve na última sexta-feira na GEx São Paulo Centro - A pauta foi a derrubada de Oliveira. Ex-comissário quer voltar a ser protagonista.


Sexta-Feira, 25 de agosto de 2017. Carlos Gabas, cumprindo sua suspensão de 10 (dez) dias no PAD em que foi condenado por improbidades na aposentadoria da ex-Presidente Dilma, entra na sede da Gerência Executiva em São Paulo-Centro, a maior do país, acompanhado de um senhor japonês de baixa estatura. 

Em seguida, se reúne a portas fechadas com o Gerente-Executivo, Edgar Campos e uma equipe de petistas, incluindo ex-gerentes executivos da era PT, composta por Vilma Ramos, Francisca Iara, Sônia, Regina Scarpin (Chefe da Administração da GEx), José Hilton (antigo chefe de benefícios, muito ligado a Gabas e Elisete Berchiol),  Dalvina Suguiyama (ex-chefe de Orçamento e Finanças da Centro) com seu marido Elio Suguiyama (SERAT) e Samuel Rapchan (atual chefe da SERAT GEx Centro). 

Antes de continuar, o leitor precisa saber que todos desse grupo acima listado, exceto o Gerente Edgar, falam mal abertamente do atual Superintendente, Oliveira, e torcem por sua queda. Recentemente Oliveira exonerou José Hilton e Dalvina de seus cargos DAS.

Na reunião, o grupo pediu a Gabas ajuda para se fortalecerem politicamente em São Paulo. Relataram mudanças recentes no INSS que lhes vem causando muita preocupação e comentaram a fragilidade atual vivida pela superintendência, por estar com mais de 90.000 processos represados há mais de 90 dias, número que vem crescendo mensalmente a despeito dos esforços feitos para eliminar estoques, como criação de GT e outras estratégias de priorização da diminuição do passivo.

Após muita malhação ao superintendente e, em especial, ao chefe de gabinete dele, Edson, foi elaborada uma estratégia política de derrubada de Oliveira e o início de uma campanha interna de combate ao atual gabinete da Santa Ifigênia (Sede da SR).

O mais curioso é que, segundo relatos, foi o próprio Oliveira que teria incentivado tal reunião, mas por motivos bem diferentes. Segundo uma fonte exclusiva contou a este blog, Oliveira estava preocupado com o que sentia como boicote a sua gestão e procurou o PT para pedir ajuda: o partido ajudaria o INSS em SP a pressionar quadros ainda possuidores de cargos no Estado a estimularem os servidores à executar as tarefas necessárias à redução do estoque e, em troca, voltaria a colocar petistas em cargos de confiança na Superintendência. Segundo essa fonte, primeiramente Oliveira teria procurado Dulcina Golgato, ex-SR, pensando que ela seria o contato com Gabas em São Paulo.

Orientado corretamente, procurou Gabas e teria autorizado o Gerente Edgar a fazer as negociações em seu nome, para evitar ser visto junto com o célebre ex-comissário, condenado na Justiça em 2014 e no PAD em 2017. Só que a trairagem rolou solta e a tal reunião serviu para marcar a cova política do atual Superintendente.

Pior: segundo a fonte, Oliveira não poderá contar com o apoio de seu padrinho político, o deputado federal Arnaldo Faria de Sá, que inclusive teria orientado Oliveira a procurar o PT para lhe ajudar. A fonte afirma que o deputado Arnaldo é visto falando, publicamente, que Gabas fez muito favor a ele e não iria agir contra Gabas.

Inclusive por conta dessa blindagem, Gabas ainda desfrutaria de uma rede de apoios na SR Paulista: consta que ainda estejam em suas mãos um número significativo de indicados a chefias de APS,  benefícios e cargos estratégicos, além de toda a Previc ("Prevaric") paulista, que comeria em sua mão.

Há meses este blog vem alertando que Oliveira está sendo boicotado de forma sistemática por setores vermelhos do INSS. Infelizmente não fomos ouvidos e parece que passos em falso do superintendente poderão lhe custar o cargo, pois agora ele está, literalmente, nas mãos dos chefes de benefícios e gerentes de APS de São Paulo. 

Sendo verdade esta versão, constata-se que Oliveira foi pedir ajuda a seu caçador para fugir da caçada. O resultado desse tipo de erro nós já conhecemos.

Como diz o ditado: quem dá a mão ao diabo, não pode reclamar da queimadura.

domingo, 20 de agosto de 2017

GABAS DESCUMPRE TAC E PODERÁ SER PRESO POR CONDENAÇÃO EM PAD

TAC assinado em outubro de 2014 com o MP do DF o obrigava a não cometer crimes e/ou ser processado criminalmente nos próximos dois anos. Crime de favorecimento para aposentadoria de Dilma Rousseff, ocorrido em 01.08.2016, segundo apurou sindicância do PAD ao qual ele foi condenado, anula o acordo e poderá levar Gabas à prisão, além da perda dos benefícios conquistados pelo acordo de 2014.
_______________________________________

O ex-Ministro da Previdência, Carlos Gabas, foi condenado em 2014 por falso testemunho em processo aberto em sua cidade natal, Araçatuba (SP), no ano de 2012. Na ação, uma empresa cobrava comissão por intermediação de uma venda de imóvel ligado à família de Gabas. 

O juiz local foi enfático: “Deste modo, não pode prevalecer (...) o depoimento prestado pela testemunha dos requeridos, Carlos Eduardo Gabas, amigo de infância do réu Sidney, razão por que deve ser desprezado, tratando-se, na verdade, de relato suspeito e suspicaz de parcialidade, merecendo, inclusive, melhor elucidação para apuração da eventual prática de crime de falso testemunho”. O assunto foi noticiado em primeira mão pelo blog dos médicos peritos do INSS (www.perito.med.br) e foi noticiado posteriormente na mídia de todo o país.

O juiz mandou o caso para ser investigado pela polícia do Distrito Federal, onde Gabas residia à época da acusação. O Ministério Público Federal ofereceu denúncia contra o acusado à 5ª Vara Criminal de Brasília, por falso testemunho, enquadrando-o no artigo 342 do Código Penal.

Em 09 de outubro de 2014, a defesa de Gabas aceitou acordo com o Ministério Público se comprometendo a não dar motivos para ser processado criminalmente; não frequentar determinados lugares, como casas de prostituição, de jogos de azar, e de não se ausentar do Distrito Federal, por prazo superior a trinta dias, sem autorização do juízo, além de comparecer obrigatoriamente ao juízo, a cada dois meses. Em 19 de janeiro de 2015, a 5ª Vara Federal declinou da ação pois o Gabas havia sido nomeado Ministro da Previdência Social. Pela lei, o processo foi remetido ao STF, sob relatoria da Ministra Carmem Lúcia, gerando a ação penal 918, movida pelo Ministério Público Federal.

A ministra Carmem Lúcia notificou Gabas no dia 16 de junho de 2015 a começar a cumprir o acordo com o MPF na 5ª Câmara Criminal do DF. O acordo durou dois anos e, se fosse cumprido, o caso seria arquivado, mas ele deixaria de ser considerado réu primário de qualquer maneira. 

O processo voltou à 5ª Vara Criminal em virtude da exoneração de Gabas do Ministério em 12 de maio de 2016. Válido até 16 de junho de 2017, acordo foi violado em 01/08/2016, data em que, segundo o PAD, Gabas usou de seu prestígio para furar a fila do INSS e obter, em tempo recorde, a aposentadoria da ex-Presidente Dilma Rousseff, cassada na véspera pelo Senado Federal.

Cabe agora ao MP do DF definir o que fazer em relação à violação do TAC relativo ao caso Gabas.

Para saber mais:

GABAS - PRIMEIRO TÉCNICO A SER MINISTRO, PRIMEIRO MINISTRO A SER CONDENADO EM PAD.

Falta agora apurar o crime de favorecimento apurado pela sindicância do PAD. Gabas é reincidente pois em 2014 foi condenado por perjúrio, crime do qual cumpriu pena alternativa após acordo com o MPF.

Carlos Gabas, o ex-comissário da Previdência, ex-croque do INSS e ex-motoqueiro da Presidência da República, é um vanguardista do serviço público federal.

Primeiro servidor de carreira a virar Ministro de Estado da Previdência, se tornou esse fim de semana o primeiro Ministro de Estado da história do Brasil a ser condenado em PAD.

Segundo a Revista Veja, confirmado hoje pelo Jornal Nacional (Rede Globo), um despacho assinado pelo ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, aplicou uma suspensão de 10 (dez) dias ao ex-ministro Carlos Gabas, responsável por Dilma ter furado a fila do INSS.
Segundo matéria da Veja, "Por ter usado da influência de ex-ministro da Previdência para furar a fila de agendamentos do INSS a fim de acelerar o processo de aposentadoria de Dilma, Carlos Gabas foi suspenso do serviço público por 10 dias. Servidor de carreira do órgão, Gabas está cedido para o gabinete do petista Humberto Costa (PE), líder da minoria no Senado. Com a punição assinada pelo ministro Osmar Terra, ele não poderá trabalhar nesse período e terá o salário descontado em folha. “As apurações demonstraram que as ações do indiciado (Gabas) contribuíram para agilizar a concessão do benefício, assegurando seu deferimento em condições mais favoráveis ou benéficas que o usual”, registra o relatório final da sindicância: “O servidor atuou como intermediário junto à repartição pública, fora das exceções permitidas em lei, em atitude incompatível com a moralidade administrativa”

Apesar da condenação, este blog discorda da comissão processante que disse que a pena seria menor por ele ter "bons antecedentes". Isto não procede. Gabas foi condenado em 2014 por crime de perjúrio e não é mais réu primário (http://www.perito.med.br/2015/06/gabas-e-condenado-por-falso-testemunho.html)

De qualquer maneira, este blog homenageia mais uma condenação do ex-pupilo de ouro do INSS e o ex(?)-Marajá da Previdência lembrando 13 (sim, homenagem ao PT) temas que ainda faltam a apurar contra o motoqueiro de Dilma:

1) Gabas x Nomeação de Funcionário Fantasma no MPS:


2) Gabas x Recebimento Indevido de Auxílio-Moradia (essa com repercussão nacional)


3) Gabas x Vida de Marajá - Recebimento Acima do Teto do STF
http://www.perito.med.br/2014/04/vida-de-maraja-de-gabas-e-destaque-em.html


4) Gabas x Manipulação da CGU


5) Gabas x Dossiês Políticos:


6) Gabas x Operação Porto Seguro


7) Gabas x Omissão no Conselho Fiscal do SESC:


8) Gabas x Escândalo do Bancoop:


9) Gabas x Nepotismo: 
http://www.perito.med.br/2016/08/gabas-casa-filha-em-resort-5-estrelas.html

10) Gabas x Escândalo dos Consignados

11) Gabas x Lava Jato
http://www.perito.med.br/2016/10/corre-gabas-corre.html

12) Gabas x Previc (Prevaric - Fundos de Pensão)

13) Gabas e Condenação por Perjúrio e possível descumprimento do TAC
http://www.diariodopoder.com.br/noticia.php?i=34598474758
http://www.perito.med.br/2015/06/caso-gabas-uma-ja-foi-faltam-as-outras.html

terça-feira, 8 de agosto de 2017

LACAIOS GERIÁTRICOS DA FENASPS DECLARAM APOIO AO ASSASSINO E DITADOR MADURO - QUEM É RUIM SE DESTRÓI SOZINHO.


Inacreditável, a pá de cal que faltava em quem ainda levava a sério o braço do PSTU/PSOL chamado de FENASPS, que há décadas monopoliza a representação sindical dos administrativos do INSS em prol de políticas partidárias a quem são servos, lacaios e subservientes.

Em manifestação patética, para dizer o mínimo, a FENASPS acaba de enterrar as já parcas chances de organizar uma greve dos administrativos em 2017 ao misturar, nas deliberações de sua executiva nacional realizada dia 05/08, em Brasília, temas como greve, defender estudante vagabundo que agride professor e, acreditem, defender a ditadura assassina de Nicolás Maduro na Venezuela. Vejam abaixo a deliberação 19:

Isso mesmo... a FENASPS está defendendo a ditadura assassina e sanguinolenta de Nicolás Maduro, que está matando dezenas de pessoas toda semana, prendendo, torturando e estuprando opositores diariamente em porões políticos espalhados pelo pobre país, usando milícias como controle de multidões, inclusive milícias ligadas ao grupo terrorista Hezbollah.

Só há uma resposta a isso: a desfiliação maciça desse antro de loucos, dessa escumalha que de tão incompetente até hoje nem carta sindical possuem.

Abaixo um modelo simples de desfiliação, que deve ser enviada com A.R.  (não tentem ir ao sindicato protocolar pois eles estão recusando dar ciência em tais pedidos, ou inventando moda de pedir assinatura com firma, etc). Informem no A.R. que se trata de "solicitação de desfiliação do sindicato":


Para interromper imediatamente o desconto, encaminhem carta ao SOGP exigindo interrupção no desconto a partir do mês corrente.

Por fim, avisem ao gerente do Banco para bloquear o desconto em conta bancária, caso haja, do respectivo sindicato.

Quem defende estuprador e assassino merece nosso mais profundo repúdio.

Para saber além do que esses xiitas insanos esquerdistas falam, o que de fato ocorre na Venezuela:

domingo, 6 de agosto de 2017

ESCÂNDALO: CLIPPING DA SUPERINTENDENTE KATHIA (CHAMEX) CHAMA PRESIDENTE TEMER DE "ILEGÍTIMO" E "GOLPISTA"

Causou espécie nos servidores do INSS o clipping oficial da Superintendência Sul no último dia 02/08/2017, pois trazia entre as notícias "selecionadas" uma oriunda de um blog sujo petista, intitulado "Blog do Esmael", que dizia que o Presidente Temer era "ilegítimo", "golpista" e que a convocação de 55 mil segurados para o PRBI (Lei 13.457/17) seria "chamar inválidos para provarem que são incapazes".


Que a Superintendente Kathia, carinhosamente chamada de Superintendente Chamex, não é fã do Presidente Temer, já sabemos, pois durante o Governo Dilma sempre defendeu o PT e ocupou cargos de poder junto à Gerência de Joinville.

Mas chegar a esse nível, de colocar no clipping oficial da Superintendência um panfleto sectário e odioso como o desse blog petista, trata-se de uma grave afronta que com certeza, deveria ter uma resposta à altura do Governo.


Será que o deputado Mauro Mariani (PMDB-SC), que banca a nomeação de Kathia na SR, gostará de ser associado a esse tipo de comportamento e propaganda? 


A cada dia que passa, com tantas notícias polêmicas envolvendo a Superintendente Chamex, nos perguntamos: Após licitar 200 mil resmas de papel, não defender servidores de ameaças de morte e chamar o Presidente da República de ilegítimo, qual é o verdadeiro papel da Superintendente? O deputado Mariani está por trás dessas ações? Ou não?

Abaixo a notícia copiada da tela dos computadores do INSS e a transcrição do e-mail recebido pelos servidores da Superintendência., que chama Temer de golpista, ilegítimo e de querer caçar inválidos.

Chamex, chamex..... Isso que dá comprar tanto papel, agora fica passando papelão....





> -----Mensagem original-----
>
> Assunto: Clipping Eletrônico de 2 de agosto de 2017
>
> Remetente: "COMSOCPR Curitiba"
> <comsocpr@inss.gov.br>
>
> Para: lista-geral-pr@inss.gov.br,
luciane.gervasio@agu.gov.braud.ctb@inss.gov.br,
apepr@previdencia.gov.br,
maristela.trindade@previdencia.gov.br,
16a.juntarecursos@previdencia.gov.br,
noely.kostin@previdencia.gov.brsiass.inssctb@inss.gov.br,
anaspspr@gmail.com,
>  sindprevspr@onda.com.brasps@asps.org.br,
acssc@inss.gov.br
>
> Data: 02/08/2017 15:40
>
>
> Clipping da Superintendência Regional Sul
>
> 02/08/2017
> (quarta-feira)
>
>
> Blog do Esmael
>
> Política
>
> 01/08/2017
>
>
> Temer quer que inválidos provem que precisam de benefícios do INSS
>
> Era só que faltava. O ilegítimo Michel Temer convocou segurados do INSS pelo Diário Oficial da União, desta >terça (1º), para que provem que necessitam do benefício por incapacidade.
>
> A medida de Temer de convocar beneficiários é para revisar a concessão de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez de milhares  de brasileiros, que de alguma forma, não se enquadram nas condições necessárias para o recebimento. Ao total, 20,3 mil benefícios já foram cancelados devido ao não comparecimento dos e já foram enviadas 435 mil cartas de convocação.
>
> Os segurados convocados têm até cinco dias, ou até sábado (5), para informar ao Instituto Nacional do Seguro >Social a data da perícia  que comprovará a necessidade da manutenção do benefício.
>
> Caso o segurado não compareça à convocação, o INSS informa que suspenderá o pagamento do benefício ao
> incapacitado.
>
> O diabo é que isso tudo visa engordar o caixa do governo, dinheiro para formar o superávit primário e >pagamento os juros [para bancos e rentistas] da dívida interna.
>
> Se Michel Temer realmente estive preocupado em salvar a Previdência Social ele, ao invés de caçar inválidos e incapazes, cobraria os R$ 500 bilhões que as grandes empresas sonegadoras devem.
>
> Resumo da ópera: o golpe não tem alma nem coração; muito menos compaixão.
>
>
> Clipping:
http://www-inss.prevnet/tipo_utilidade/clipping/?menu_local=1&ol=14001
> Expediente

quarta-feira, 26 de julho de 2017

SUPERINTENDENTE CHAMEX 2 - O FIM DAS 7 HORAS

Pela segunda vez na semana a Superintendência Chamex, como é conhecida a SR Sul, virou a protagonista do dia no INSS. 

Após a descoberta da milionária licitação de papel promovida pela Superintendente Chamex, Kathia Braga, hoje o dia foi do seu substituto, que também é Gerente Executivo em Florianópolis, que espalhou nas redes sociais um áudio devastador sobre a reunião de diretoria do INSS ocorrida hoje, onde ele sepultou a possibilidade das sete horas, prometidas para a semana que vem, causando desespero, rancor e ranger de dentes em todo o INSS.

Segundo seu relato, as "sete horas subiram no telhado, entendem o que significa subir no telhado?", foram suas palavras no impactante áudio.

Claro que sabemos o que significa subir no telhado. Quem tiver dúvidas, pode perguntar para a titular do cargo, a Superintendente Kathia, o significado dessa expressão. Dizem, aliás, que junto com as sete horas, foi visto no telhado uma resma de papel Chamex. O que será que isso significa?

A única coisa que, em nossa opinião, ficou estranha é que, com tanto papel a gastar em Florianópolis, o substituto de Kathia deveria ter feito o relato por escrito, e não por áudio, mas deixa pra lá....

segunda-feira, 24 de julho de 2017

SUPERINTENDÊNCIA "CHAMEX" - SR KATHIA (SUL) GASTA R$ 3 MILHÕES EM PAPEL NO ANO DE 2016

Gasto representa quase 50% de todo o orçamento do INSS em papel, no ano de 2016, segundo site do INSS Digital. Crime ecológico? Desperdício? Ou excesso de burocracia?

Na fotomontagem: SR Kathia e as pilhas de resmas. Carinhosamente vem sendo chamada na boca míuda de "superintendente chamex"


Está chamando a atenção um misterioso edital de pregão eletrônico, misterioso pois não foi achado numeração própria de SICON ou SIDEC (pelo menos não estava disponível até esta publicação), feito pela Superintendente Regional de Florianópolis, Kathia Braga, publicada na Página 134 da Seção 3 do Diário Oficial da União (DOU) de 25 de Novembro de 2016, para aquisição de materiais de insumo para a toda a Superintendência (RS, PR e SC), em valor total aproximado de R$ 5,5 milhões. Até ai tudo bem, não parece nada anormal. 

O que torna, porém, mais misterioso ainda, é o item 55, com a aquisição de 202.600 itens a custo unitário de R$ 14,64, perfazendo um total aproximado de R$ 3 milhões de reais. O item 55 se refere a resmas de papel (cada resma possui 500 folhas, dando total de 101 milhões de folhas).

Acima, imagem do site de pregões do Governo Federal mostrando o resultado final.

Nos dados públicos do INSS, em especial divulgados pela implantação do INSS Digital, consta que o gasto anual da autarquia com papel é de R$ 8 milhões. Considerando que o Edital previu fornecimento para igual período, como que apenas a SR Sul consegue ser responsável por quase a metade desse gasto? A SR Sul representa 20% de todo o serviço anual do INSS, mas pelo visto o gasto de papel lá é excessivo, o que é estranho em uma SR que em sua grande maioria das Gerências se recusa a formalizar o processo de concessão do auxilio-doença, principal serviço demandado, não instruindo processos capeados para cada requerimento.

Não consta a motivação da necessidade de tanta resma de papel, mesmo sabendo que se trata apenas de edital de preços para compra futura, válido por 9 meses. 

Pelo visto, a Superintendente gosta mesmo de um "papelão" (para entender o papelão que ela fez recentemente com uma perita médica - clique aqui).

Link da Proposta Vencedora: (clique aqui).
Link da Ata do Pregão: (clique aqui).
Link da Publicação no DOU com o resultado: (clique aqui).
Link do Edital de Licitação: (clique aqui).
Link para ver outros Editais da SR Sul (clique aqui).

domingo, 9 de julho de 2017

É COM ESTE TIPO DE PROFISSIONAL QUE O PAÍS QUER ENTREGAR A AVALIAÇÃO DOS DEFICIENTES? CADE A SERIEDADE E O COMPROMISSO?

Assinatura de certificado em branco mostra o descaso e o desrespeito com o qual a UnB e o Comitê estão tratando a questão da avaliação do PcD.

É necessário retirar da SDH o comando desse comitê e passá-lo urgente para as mãos de quem, de fato, opera os benefícios existentes aos deficientes: O MDS/INSS.

Recentemente este blog denunciou o escracho que estava sendo a condução do Comitê criado pelo governo para montar o modelo único de avaliação de Pessoas com Deficiência (PcD) que será usado a partir de 2018 para o reconhecimento da condição de deficiente bem como seu acesso a pelo menos 28 tipos diversos de benefícios e direitos existentes no país. Estamos falando de, no mínimo, 15% da população brasileira e cifras multibilionárias envolvidas.

Com uma união de descaso dos órgãos governamentais e resquícios de radicais xiitas do governo petista ainda com cargos de confiança, estava sendo armada uma bomba que iria implodir não apenas todos os programas para deficientes, como poderia inclusive destruir toda a economia nacional. Os radicais xiitas, liderados por Wederson Rufino (SDH) e Maria Valdênia (MDS), estavam para aprovar um modelo baseado em conceitos "socialistas" que nivelava por baixo todas as diferentes qualificações profissionais existentes no país, especialmente a médica, e iria permitir que leigos de diversas matizes (como psicopedagogos e antropólogos) pudessem determinar que um indivíduo seria deficiente (PcD) e, portanto, ter acesso automático a miríade de direitos existentes. Na prática, estavam usando a oportunidade para fincar bandeiras na guerra ideológica anti-médica que a esquerda vem pregando desde a década de 60.

Um simulacro deste modelo, realizado pela mesma SDH a partir de 2010,  com a conivência dos então gestores do MPS/INSS, fez explodir a concessão de BPC de 2 para 4 milhões de beneficiários, com gastos de 11 para 50 bilhões anuais no período. Não à toa, o BPC foi o único benefício assistencial ou por incapacidade que entrou na PEC 287 (Reforma da Previdência). 

O que ocorreu foi bem simples: ao tirar da perícia médica o poder de definir quem tem deficiência física, mental, intelectual ou sensorial, milhões de doentes crônicos, não deficientes, passaram a ser considerados "deficientes" pelas avaliações sociais, baseado na maluca e comunista teoria "social" da deficiência, que tenta negar a biologia e dizer que tudo é meramente uma questão de balanço social.

Porém soubemos que após a divulgação destes planos maquiavélicos, houve já uma intervenção e, por ora, o plano surubático dos petistas não foi concretizado, sendo pelo menos foi adiado. O golpe que estava sendo armado seria concretizado em uma oficina liderada pela UnB (Universidade de Brasília), famoso centro de formação de esquerdistas radicais, que iria dar a chancela na validação do iníquo modelo "IFBra" para esse modelo unificado de avaliação de PcD.

Como todos sabem, esse modelo IF BRa, já alvo de várias críticas por este blog, além de ser um fracasso, prejudica os deficientes e não está validado cientificamente. A ideia seria declará-lo "validado", como se a validação pudesse ser feita ao estilo "diretório acadêmico". Com a intervenção emergencial do governo,  a oficina afundou e virou apenas um seminário de "idéias". Mas.....

Vejam os senhores como os certificados foram entregues...  Tivemos acesso exclusivo a um deles:


Assim mesmo: em branco. Quem assina um certificado em branco? Só quem não está levando a sério este modelo, este comitê e esta discussão. Este, senhores, é um documento público. Assiná-lo em branco e entregá-lo a alguém é crime de responsabilidade, no mínimo. A UnB recebeu dinheiro por esta oficina? Deveria entregá-lo de volta e pedir desculpas ao Governo.

É assim que a UnB certifica seus eventos? 

É assim que foi "validado" o IFBRa para a LC 142?

É este o tipo de profissional que o país quer para homologar algo tão importante?

É este o tipo de compromisso que o país quer para construir algo que custará centenas de bilhões por ano ao Tesouro?

É este o tipo de seriedade que o país quer para regulamentar o direito dos PcD?


As associações de PcD vão gostar de saber que terão que disputar seus direitos com milhões e milhões de pessoas não-deficientes, mas que por possuírem algum tipo de desvantagem social ou doença crônica, serão classificados como deficientes pelos antropólogos e sociólogos do Wederson e da SDH?

Não deixa de ser irônico: o certificado em branco equivale ao cheque em branco que estava sendo dado pelo governo a este comitê. Está na hora de acabar com o politicamente (in)correto e termos seriedade nesta avaliação e na regulamentação deste direito.

domingo, 2 de julho de 2017

O SILÊNCIO DAS SOCIÁVEIS - PARTE 5: ESTÁ NA HORA DO PENTE FINO NAS PESQUISAS EXTERNAS DAS SOCIÁVEIS.

Houve choro e ranger de dentes após a publicação da série "Silêncio das Sociáveis", neste blog, mês retrasado, que mostrava o pantanoso submundo dos bastidores da atuação de algumas pessoas ligadas a movimentos do "Serviço Social" dentro do INSS e que revelou o chocante dado de que o INSS precisa de 10 (dez) sociáveis para fazer o trabalho de 1 (um) Perito Médico.

Em recente reunião técnica em uma capital do Nordeste, as sociáveis fizeram questão de mostrar a sua "produtividade" como que em resposta aos artigos deste blog, porém o resultado foi um fiasco. De janeiro a maio de 2017, segundo seu próprio relatório, todo o conjunto de sociáveis produziu apenas 3.584 avaliações de BPC, o que dá apenas uma média de 716 BPC por mês, confirmando a média de 1 atendimento por dia detectado por este blog.


Apenas UM Perito Médico, neste mesmo período, fez em média 315 perícias mensais, ou 1.575 perícias de janeiro a maio de 2017.

Na prática, bastam 2 Peritos Médicos para fazer o trabalho de TODAS as cerca de 25 assistentes sociais da referida gerência, no mesmo período.

O que chama a atenção é que elas apresentaram um enorme quantitativo de ações de "socialização de informações previdenciárias e assistenciais", em um total de 7.083 individuais e 893 "coletivas". Para traduzir o que quer dizer isso, é como se o Perito Médico deixasse de atender segurado na APS para fazer "reuniões em hospitais e clínicas para explicar assuntos previdenciários".

Além de ser obscena a baixa quantidade de atendimento feito em APS, chama a atenção a enorme quantidade de "socializações" e "atividades externas" feitas no período, com destaque para o "socializações coletivas", que na prática não significam NADA para o cidadão que aguarda na fila do INSS, mas geram alguns questionamentos: 

1) Foram pagas "Pesquisas Externas" e demais deslocamentos para a realização dessas "atividades de socialização"? 

2) Quais os eventuais comprovantes de atendimento que embasaram eventuais pagamentos de "pesquisas externas" a essas sociáveis por tais atendimentos?

3) As sociáveis tiveram PONTO DO SISREF abonado por isso? 

4) Qual o critério dessas atividades? Quem define a prioridade?

5) Porque temos mais eventos externos do que internos se a fila do BPC está a perder de vista?

6) É razoavel dividir pesquisas externas, que poderiam ser feitas por apenas um servidor, por vários servidores, alegando que "cada um acompanha o seu segurado", sendo que o segurado não é do servidor e sim do INSS?

7) É razoável lançar várias pesquisas externas feitas em um único deslocamento em vários dias diferentes?

8) É razoável fazer 2 a 3 pesquisas externas no mês para "acompanhamento de curso" para o mesmo segurado, alegando que "o professor da noite é diferente do professor do dia"? E é recomendável pagar pesquisa externa para "acompanhamento de curso"?

Enfim, um verdadeiro escândalo que precisa de uma séria apuração da auditoria e da corregedoria do INSS e da CGU.

Após o sucesso do pente-fino dos benefícios por incapacidade, está na hora urgente de se iniciar o pente fino das pesquisas externas das sociáveis.