segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

EDISON GARCIA E O PROGRAMA DE EXPANSÃO DE FACTÓIDES

O Presidente do INSS, Edison Garcia, está plantando notícias de que teria sido convidado a ficar no cargo mas não aceitou pois foi convidado para ser Presidente da CEB - Cia Energética de Brasília. 

Trata-se de um grande factóide. O Comodoro Gancho tentou de tudo para permanecer no INSS, até usou essa suposta indicação a CEB para alavancar seu "passe" mas não conseguiu. Se Garcia fosse tão bom na gestão como é em cavar notícias, já teria prendido toda a quadrilha que opera no.... opa, pera. 

Na verdade, nos poucos meses em que ficou como Presidente, Garcia pareceu muito mais empenhado em fazer viagens pela Europa, como um bon vivant, para ajudar a eleger Marcelo Caetano (ex-Secretário da Previdência) como Presidente da ISSA (Associação Internacional de Seguridade Social - sediada em Genebra) do que resolver os graves problemas da Previdência Social. 

Foram múltiplas viagens, inclusive durante o período de transição. Vejam o resumo do gasto com o nosso dinheiro que Garcia promoveu para ser macaco de auditório do Marcelo Caetano, que fracassou em aprovar a Reforma da Previdência no Governo Temer:

A eleição foi em 07 de dezembro, em Genebra, às suas custas, cidadão.


Oba, ganhei R$ 40.000 para fazer a social em Genebra e publicar factóides.

Parece que a grande especialidade do Presidente Garcia são os factóides. Até mesmo pegar um Acordo de Cooperação Técnica de Reabilitação Profissional entre o INSS e os Correios e divulgá-lo como se fosse um acordo de cooperação internacional feito com os alemães o nosso querido Comodoro fez. Coitado dos alemães que acharam que lidavam com um Mercedes-Benz mas na verdade era um Fiat Marea 98 duas portas VT. 

Edison Garcia inaugurou em sua gestão o novo PEX - Programa de Expansão de Factóides.

A mídia divulga que a missão do próximo Presidente do INSS será combater as fraudes e os desvios de gestão do INSS. Ora, se a gestão do Comodoro tivesse sido essa cocada toda, não precisaria combater mais nada disso. Mas como ele não resolveu patavinas, e em alguns casos a situação ainda piorou, como o INSS SEM DIGITAIS e os 5 milhões de processos represados, ou o contrato da RSX ainda ativo, será necessário um novo Presidente para colocar as coisas em ordem.

Edison Garcia disse que irá levar a expertise do INSS para a CEB. Mais um factóide. Cuidado, Governador Ibanes, para ele não querer inventar a CEB Digital.

Funcionaria aos moldes do INSS Digital: o cidadão irá numa agência física da CEB (claro, pois o digital do programa se refere aos dedos das mãos para contar as folhas e não à internet), entregar documentos pedindo instalação de ponto ou religamento. 

Um estagiário da CEB vai escanear tudo em scanners caríssimos distribuídos apenas nas agências onde o chefe é amigo do superintendente local,  o cidadão receberá um número de protocolo inútil que não servirá para nada pois o número será irrastreável, o processo ficará numa nuvem perdida em algum local e, após dois anos de espera - sem luz ou sem religamento - o processo será arquivado de forma sumária para melhorar as estatísticas de desempenho e o cidadão continuará sem luz.

Mas se o cidadão constituir um advogado, for amigo do sindicato, conhecer alguém dentro da CEB ou tiver um padrinho político, seu processo será analisado favoravelmente e na frente dos outros.

Teremos também o CEB Consignado, onde o cidadão pedirá um empréstimo a um banco usando o extrato da conta de luz como base de cálculo, o banco irá emprestar o dinheiro a juros caríssimos e qualquer dúvida sobre o empréstimo o cidadão irá na CEB, e não no banco. As parcelas serão debitadas junto com a conta de luz e se não for paga, a luz será cortada como garantia ao banco. 

Todo o processo de corte e religamento será às custas da CEB, não dos bancos, e com a inovadora IN 100 CEB/GDF, quem irá fiscalizar todo o processo será a própria Febraban juntamente com a Dataprev. OU seja, a CEB entra com a garantia e todo o trabalho e custo de logística, os bancos entram apenas com o dinheiro e a Febraban e a Dataprev farão a fiscalização. 

Mas o melhor será o PEX CEB - Programa de Expansão de Postes Elétricos. Ele irá mandar construir 720 usinas de energia com toda a rede de distribuição (postes, torres, etc) em áreas remotas e despovoadas, iluminando florestas, montanhas e todo o cerrado brasiliense. Sem nenhum funcionário a operar e nenhum cidadão a usufruir, o equipamento ficará parado a um custo anual bilionário. Tudo bem que não haverá nenhum cidadão que se beneficiará disso, mas as inaugurações serão muito legais.

Em um universo paralelo onde o "modelo INSS" for aplicado a uma Cia Energética, ela funcionará assim: A represa são os servidores, a água são os segurados/cidadãos, a linha de transmissão são os bancos e o gato é do deputado. Os gestores, indicados pelo deputado, farão contratos de consultoria com empresas e fábricas de software para legalizar o gato.

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

QUERO MEU PRÊMIO, MINISTRO GUEDES!! TOMA AI MAIS UM ESCÂNDALO DO EDISON GARCIA: MILHÕES POR CONSULTORIA EM TI. PARA QUE SERVE A CGTIC MESMO? COMODORO GANCHO ATACA DE NOVO.

Na posse do Presidente da Caixa Econômica Federal, ontem, o Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que os servidores que denunciarem malfeitos e corrupção deveriam ser premiados.

Clique aqui para ver o vídeo, a partir do minuto 8:16

Denunciar malfeito é o que este blog faz há 8 anos, quando foi criado. Vários furos e denúncias de desvios da administração pública foram feitos aqui. Várias linhas da Lava Jato foram antecipadas aqui entre 2012 e 2014. Recentemente mostramos as farsas dos Presidentes indicados pelo Deputado André Moura. Mais recentemente ainda denunciamos a mariola de R$ 8 milhões do IBICT (que aliás nem a entregou ainda, apesar dos aditivos).

Queremos nosso prêmio, Ministro!!!

Na verdade, é dever do servidor público prover o Estado de tais denúncias. O maior prêmio que se pode dar ao servidor é o reconhecimento público de seu ato e de sua importância, e blindá-lo de perseguições políticas.

Vejam mais essa do Presidente Edison Garcia, o Comodoro Gancho, em parceria com seu amigo e aliado, o ex-Presidente Francisco Lopes, o Fran Fran e atinge inclusive o ex-presidente Leonardo Gadelha. O que une esses três nomes? PSC e André Moura.

O INSS possui em sua estrutura a Coordenação-Geral de Tecnologia de Informação e Comunicações - CGTIC, uma assessoria direta da Presidência do INSS.

Segundo o Decreto 9.104/17, da estrutura do INSS, compete à CGTIC:

Art. 8.  À Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação e Comunicações compete:
I - planejar, propor, coordenar, controlar, executar e avaliar projetos e atividades inerentes à gestão de tecnologia de informação e comunicação, à segurança da informação e à disponibilidade de recursos tecnológicos;
II - gerenciar planos, programas e ações relativos à tecnologia da informação, em articulação com o Ministério do Desenvolvimento Social e com a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência - Dataprev;
III - coordenar as atividades de identificação de tecnologias da informação e comunicações, e de seleção de produtos tecnológicos de mercado;
IV - estabelecer diretrizes, normas e padrões técnicos de implantação, utilização e modernização dos sistemas corporativos e da rede de dados, em articulação com as Diretorias do INSS;
V - coordenar e propor ações de segurança da informação e comunicações no âmbito do INSS; e
VI - coordenar e supervisionar os serviços de modernização, suporte e manutenção de informática à rede de atendimento do INSS.
Também compete à CGTIC:
Art. 17. Aos órgãos de assistência direta e imediata ao Presidente do INSS, aos órgãos seccionais e aos específicos singulares, respeitadas as suas áreas de atuação, compete:I - submeter ao Presidente do INSS proposta de:
(...)
c) planos, projetos, programas e metas de inovação tecnológica em processos e sistemas utilizados em suas atividades, em articulação com a Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação e Comunicações; e
Apesar da GCTIC contar com um quadro qualificado de profissionais, servidores públicos, que entendem do assunto e entendem de previdência, isso não pareceu suficiente para o INSS, que aderiu a uma ata de de registro de preços nº 11/2016 do Ministério dos Transportes (MT) e contratou a peso de ouro (milhões de reais) uma empresa de São Paulo chamada "GARTNER DO BRASIL SERVIÇOS DE PESQUISA" para realizar, segundo o extrato do contrato: "serviços técnicos especi alizados de pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia da informação."

A assinatura do contrato foi em 14/06/2017, sob a gestão Leonardo Gadelha. Veja aqui os dados: 


Desde então, vários aditivos vem sendo feito ao contrato. Somente em 2018 foram dois aditivos, igualmente milionários. O último aditivo é agora de dezembro de 2018, já sob a gestão Edison Garcia, veja os Boletins de Serviço Locais (BSL):




Ora senhores, se o INSS tem uma CGTIC para fazer o mesmo serviço, porque diabos se contrata uma empresa externa, a peso de ouro, para fazer a mesma coisa?

É por isso que está em curso na mesa do Presidente do INSS uma proposta de revisão do Regimento Interno que acaba com a CGTIC, ou fundindo-a a DIRAT ?

Por que tantos contratos com empresas de TI como a RSX (escândalo do software fantasma e da adega de vinhos) e essa GARTNER?

Para que esse dinheiro todo? Para onde ele vai? Por que manter uma CGTIC se há a real necessidade desse tipo de contratação? Ou não há a necessidade?

Analisando os dados, a situação parece ser pior: Essa empresa GARTNER possui 53 contratos diversos com o Governo Federal, de órgãos como Exército, Fazenda, PRF, INSS, ITI, Fundacento, dentre vários outros órgão do Governo, vide nesse link:
http://compras.dados.gov.br/contratos/v1/contratos?cnpj_contratada=02593165000140 .

Aqui estão os dados cadastrais da empresa junto ao sistema de compras do Governo Federal. O cadastro inicial dela foi feito via Fundacentro:
http://compras.dados.gov.br/fornecedores/doc/fornecedor_pj/02593165000140

Aqui estão os dados relativos ao pregão que gerou a ata ao qual o INSS aderiu:
http://compras.dados.gov.br/licitacoes/doc/licitacao/39000405000062016

Aqui estão os quase 400 contratos assinados nos últimos anos pela Coordenação-Geral de Licitações e Contratos da DIROFL/INSS:
http://compras.dados.gov.br/licitacoes/v1/licitacoes?uasg=512006


Ministro Guedes, onde pegamos o prêmio?


quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

ESCÂNDALO EDISON GARCIA - IBICT PARTE 2: OS DOCUMENTOS COMPROMETEDORES.

Na imagem: retratação do comandante naval do INSS: o Comodoro Gancho.

O Presidente do INSS, Edison Garcia, indicado pelo Dep. André Moura e que está de saída para Presidir a CEB (Cia Energética de Brasília) no Governo Ibaneis (DF), soltou nota pública ontem para negar a denúncia deste blog a respeito das irregularidades envolvendo a contratação do IBICT - pelo INSS - para organizar a metodologia do INSS Digital e (ainda não ter) entregue uma Biblioteca Digital com uma Pesquisa e uma mariola.

Em breve síntese, Edison Garcia diz que o INSS assinou o contrato e fez a transferência orçamentária em dezembro de 2017, que de fato em 12/12/18 o IBICT fez a apresentação do trabalho realizado mas o INSS não atestou nem validou o produto final, que o trabalho foi importante (apesar de ainda não ter sido validado nem atestado) e confirma o documento da CGU solicitando informações sobre o INSS Digital. Por fim, chama o blog de corporativista, com práticas deletérias de divulgação leviana, mentirosa e quiçá, criminosa e defendeu sua gestão como sendo ética e transparente.

De cara, uma pergunta: Por que o INSS contratou o IBICT em final de dezembro/2017 para organizar e disseminar metodologia de um projeto já pronto (INSS Digital) que teve inicio em 2016 e aplicou sua prova de conceito de janeiro a dezembro de 2017 ?

Isso é tão estranho que tem cheiro de cambalacho. Seria como o Presidente Edison Garcia, após assumir a CEB, contratar o IBICT para organizar a metodologia e distribuição de luz elétrica no Distrito Federal, 60 anos depois de sua inauguração. Faz sentido?

Bom, vamos aos fatos.

Preliminarmente cabe dizer que o último Presidente do INSS que disparou essas acusações contra este blog foi demitido em praça pública e virou a manchete do dia com direito a abrir a escalada do Jornal Nacional, né Fran Fran? Olha a PF ai heim?

O blog denunciou que a IBICT foi contratada em dezembro de 2017 para organizar a metodologia do INSS Digital, bem como fazer seu planejamento estratégico e servir de suporte. Vejam portanto o extrato original publicado no BSL de 13 de dezembro de 2017:



De fato o dinheiro foi rapidamente liberado, sem nenhuma contrapartida do IBICT, em 27/12/17, conforme extrato do SIAFI:



Aqui já temos outras questões:

1) Por que a empresa recebeu de cara quase 1,5 milhão de reais sem nem ao menos ter gasto uma folha de papel? 

2) Por que a Pressa na liberação de valores?

3) O IBICT recebeu os valores no ato da assinatura mas iniciou os trabalhos quando? E em quantas unidades? 

Edison Garcia teve a chance de suspender esse negócio espúrio, e em sua nota tenta jogar a culpa no colo de seu antecessor, mas o documento abaixo prova que não apenas ele deu continuidade, como assinou aditivo ao contrato, com mudança do seu teor e adição de muito dinheiro mesmo enquanto o IBICT ainda não havia terminado de receber as parcelas originais:


Então não é verdade que o Presidente Edison Garcia, o Comodoro Gancho, não teve participação nesse projeto. Teve sim, e um papel bem ativo.

Novamente: Por que aditivou contrato que ainda estava sendo pago? Qual trabalho havia sido entregue até o momento para justificar a prorrogação desse contrato?

Quem que a IBICT contratou para executar esse trabalho? Quais empresas?

Vejamos os responsáveis pelo contrato por parte da IBICT:


Uma analista da EMBRAPA, ocupando cargo de confiança no IBICT, mais um administrador, um contador e dois CPF não-identificados, constam como responsáveis.

Qual a experiência que eles tem em INSS Digital, atendimento ao público ou previdência social para serem contratados as pressas, no final do ano de 2017, para organizarem a metodologia de um programa já validado e em curso há pelo menos 1 ano e meio antes de serem contratados?

O INSS, decerto, deve pensar que os segurados são gado, só isso explica chamar alguém da EMBRAPA para organizar a metodologia de atendimento do INSS Digital....

O próprio INSS Digital está no alvo da CGU, vejamos a íntegra da determinação de auditoria sobre o programa, reparem nas perguntas: 



Então respondendo ao Presidente do INSS:

1) Sim, este blog publica mentiras. Mas não são nossas. Nós publicamos as mentiras dos outros.

2) Acusações levianas? Hummm, acho que não...

3) Quiçá Criminosas? Se há crime, não é nosso, conforme exposto.

4) O INSS não testou nem validou o produto: claro, ele ainda não foi entregue!!! Mesmo após vários aditivos e tanto tempo depois, sobre algo que já existe. Por que não foi entregue? Existe algo mesmo sendo feito? 

OBS: O INSS já validou e testou software fantasma contratado junto à RSX? Pergunto isso pois soubemos que há intenção do INSS em pagar mais 4 milhões para essa empresa de fachada. 

5) O INSS contratou em 2017 um sistema de organização, planejamento estratégico, metodologia e suporte do INSS Digital. No final de 2018 aguarda receber uma biblioteca virtual e uma pesquisa em 12 unidades do INSS (De um total de 104 gerências e 1.600 unidades), a um custo final de perto de R$ 8 milhões. Para quem foi esse dinheiro? Quem a IBICT subcontratou? 

6) Porque o Presidente Edison Garcia mudou o escopo e assinou aditivos ainda com as parcelas originais sendo pagas, sem nada ainda ter sido entregue?

7) Ética e transparência? Então por favor publique o Cronograma do Planejamento desse Contrato.

8) Gestão correta? Responda a CGU, por favor.

O INSS virou um cais de navios piratas, onde se assenta um iate clube fantasma, comandado pelo Comodoro Gancho.

sábado, 29 de dezembro de 2018

ESCÂNDALO IBICT: PAGUE R$ 8 MILHÕES POR UM SERVIÇO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E SUPORTE MAS RECEBA UMA BIBLIOTECA DIGITAL COM UMA MARIOLA DE TROCO. INSS ESTÁ VIRANDO UMA CASA MAL ASSOMBRADA DE TANTO CONTRATO FANTASMA.

Na foto, a nova paisagem do Prédio Central do INSS - A Casa Mal Assombrada.

Vaidade é um horror. Em maio desse ano o então presidente do INSS, Francisco Lopes, foi flagrado pagando R$ 4 milhões à empresa RSX por um software fantasma acompanhado de garrafas de vinho. Caiu. Mais tarde verificou-se que a própria empresa era de fachada.

Reprodução da manchete de O Globo de 16.05.2018 - softwares feitos com uvas Chardonnay, Malbec, Cabernet Sauvignon e Syrah...

O atual presidente, Edison Garcia, aparentemente ficou com inveja desse feito e resolveu dobrar a meta: pagou R$ 8 milhões ao IBICT (vide site) por um "serviço de planejamento estratégico e de políticas públicas com atuação direta na concepção ou no suporte do INSS Digital" porém o que foi entregue pelo IBICT foi uma "biblioteca virtual" (que nem constava no contrato) e uma "pesquisa sobre a metodologia do INSS Digital" feita em "12 unidades do INSS". 

Na foto, Edison Lopes, quer dizer, Fran Garcia, quer dizer, Fran Fran e Edison Garcia. Disputa pelo contrato mais furado gera guerra de vaidades.

No evento de entrega das "chaves" do serviço de planejamento estratégico e suporte que virou uma pesquisa com biblioteca virtual, o IBICT ainda teve a cara de pau de dizer que, após um ano e meio recebendo dinheiro do INSS, não havia nada pronto e entregaria posteriormente os resultados da pesquisa. Restaram o café e a mariola distribuída no evento.

Vejam o convite do INSS para o evento:

 E vejam o que o próprio site do IBICT publicou: 



Em algum momento, o "serviço de planejamento estratégico e de políticas públicas com atuação direta na concepção ou no suporte do INSS Digital" virou "pesquisa e estudo da biblioteca digital de procedimentos do INSS digital". Bem diferente, não? 


Só que esse truque não convenceu a CGU, que segundo documento obtido com exclusividade, está cobrando do INSS onde está o tal serviço de planejamento e suporte:


 
E agora, Presidente? 

O INSS está virando uma casa mal assombrada. É INSS Digital sem digitais - fantasma - , é software de segurança fantasma (Fran Fran), é processo nas nuvens que assombram os segurados e os auditores da União e agora temos um serviço de planejamento estratégico e de suporte do INSS Digital IGUALMENTE fantasma.

É muito fantasma para uma autarquia só. Soubemos que diante dessa nova realidade, a Divisão de Auditoria passará a se chamar Divisão de Caça-Fantasmas e a Corregedoria vai virar Central de Exorcismo.

 Na foto acima, a nova equipe de auditores do INSS.

 Na foto acima, o novo Corregedor-Geral do INSS em atuação.

 No flagrante, servidor da DIROFL após assinar a liberação de pagamento de mais um contrato demoníaco.

Neste flagrante feito com câmeras captadoras de espectroplasma, da esquerda para a direita: o software da RSX, o serviço do IBICT e à direita, o INSS Digital.

A equipe de Bolsonaro terá muito, mas muito trabalho em 2019.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

MEIA VOLTA URGENTE


Soubemos que após o vazamento dos planos de mudanças na IN 28 (que favoreceriam sobremaneira os bancos) a Presidência do INSS ficou a deriva e foi obrigada a rever seus planos.

Constatado que o projeto adernou e naufragou após a bordada recebida por este torpedeiro digital, o Capitão Pirata - comandante supremo da nau previdenciária - voltou atrás e numa meia volta brusca, determinou outro padrão de mudanças na IN 28, mais dura e restritiva ao sistema bancário.

Não havia como continuar depois da exposição solar a que foram submetidos. O jeito foi pegar no timão e dar meia volta no Prevbarco. 

Porém continua como exclusivo deste blog a notícia de que a IN 28 sofreria mudanças ao apagar das luzes. Por isso foi necessário iluminar esse processo. 

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

NO APAGAR DAS LUZES, A DÍVIDA SERÁ PAGA? ESSE SIM SERÁ O VERDADEIRO APAGÃO DO INSS.


Informações dão conta de que até o dia 31/12 será publicada no DOU alterações na IN 28, que trata dos consignados, de forma a entregar para os bancos a chave da porteira dos empréstimos junto aos beneficiários do INSS.

Um grupo secreto sediado no gabinete da Presidência do INSS, sem consultar a área técnica, está elaborando alterações na IN 28 de forma a facilitar de toda a sorte para os bancos a gestão dos empréstimos consignados, com todo o ônus a cargo da autarquia. Tem até Coordenador importante da DIRBEN, muito querido pelos administrativos, que está em São Paulo fazendo a ponte da Febraban com o INSS em Brasília.

Na prática, os bancos estão definindo as penalidades contra eles mesmos. Atendidas as alterações pedidas pela FEBRABAN e pela ABBC, será uma abertura sem precedentes de todas as porteiras com enorme risco de prejuízos para a autarquia, que segundo fontes teria que até mesmo indenizar os bancos em caso de encerramento de benefícios de segurados com empréstimos contraídos. 

Soubemos que representantes da alta cúpula previdenciária ficaram reunidos hoje até de noite elaborando as mudanças, com direito a frases do tipo "Ou é agora ou nunca. Não sabemos quem estará aqui semana que vem".  

A imprensa vem veiculando há meses um "apagão" no INSS para 2019, com a aposentadoria de 40% dos servidores ativos. Isso na verdade é um falso apagão. Com cada vez mais processos automatizados e com o avanço da gestão de sistemas, a maior parte desses servidores aposentáveis não causará paralisia nas atividades. Uma mera mudança do sistema de gestão do INSS resolverá essa questão.

O verdadeiro apagão do INSS é o que foi feito pela turma do Deputado André Moura desde 2016, que poderá ser culminado com esse verdadeiro ato de ataque contra a autarquia. Este blog já vinha denunciando essa questão do INSS e bancos desde a denúncia do Sistema ECO, ainda em 2017.

Já anunciado para Presidente da CEB (Companhia Energética de Brasília) em 2019, o atual Presidente do INSS, Comodoro Edison Garcia, prometeu dar um choque de gestão na empresa e levar para lá toda sua expertise adquirida no INSS. Não sabemos se isso foi um anúncio ou uma ameaça, pois se concretizado o fato, os brasilienses que se preparem para 4 anos de muitos apagões de energia na cidade.

Apagão em Brasília será comum a partir de 2019 - Gestão do INSS será levada à CEB.



Na foto acima, brasilienses se desesperam com anúncio de Edison Garcia na CEB e correm aos mercados para comprar velas, fósforos, lampião a gás e lanternas. Estoque já acabou no plano piloto.

Soubemos que uma das primeiras medidas a ser anunciadas para 2019 será o consignado energético, onde o cidadão levará ao banco apenas a conta de luz paga e, com o histórico de consumo, receberá um empréstimo com quitação das parcelas diretamente na conta de luz. Se não pagar, basta cortar a energia.

Não faz sentido uma medida dessas, de mudanças na IN 28, nos últimos dias de governo. Se for efetivada tal medida, só poderá significar uma coisa: pagamento de dívida. Resta saber o que constará nessa "nota fiscal" apresentada.

terça-feira, 25 de dezembro de 2018

INSS SEM DIGITAL - O JOGO DAS SETE SACANAGENS E 5 MILHÕES DE PROCESSOS REPRESADOS



O INSS Digital era para ter sido um projeto inovador no serviço público federal com a finalidade de  modernizar o atendimento ao cidadão de forma a dar celeridade à análise e concessão de seus requerimentos, segurança jurídica ao INSS e economia de toneladas de papel por ano, desobrigando a Superintendente do Sul Kathia Braga - a Super Chamex - a ter que ficar comprando papel para todo o INSS conforme denunciado aqui em 2017 (vide aqui e aqui).

Lançado aos mares de forma atabalhoada pelo então Presidente Gadelha, em 2017, viu-se rapidamente que essa embarcação não tinha leme, a proa estava pela metade e o casco cheio de furos. Além disso, ficou sem timoneiro, pois Leonardo Gadelha - ao perceber as furadas em que tinha se metido -  pulou fora da nave para atravessar o perigoso mar eleitoral paraibano, onde morreu na praia em outubro recente, faltando 400 votos (metros) para chegar ao paraíso.

Para salvar a embarcação, trouxeram o inexperiente sommelier e instalador de NET de Brasília, Francisco Lopes, o Lawrence do Cerrado. Indicado pelo Vice-Almirante André Leandro, da Dataprevbarco, empresa especializada em sucatas navais e reciclagem de astúcias, Lopes aloprou no comando do Timão. Empreendendo uma verdadeira caça ao tesouro, Lopes usou a embarcação para tentar amealhar o máximo de baús de ouros, pratas e pedras preciosas possíveis, mas acabou tropeçando numa adega e foi catapultado do navio, acusado de pagar 8 milhões por um disquete vazio acompanhado de uma cesta de vinhos de má qualidade. Junto com Lopes caíram seus imediatos Ilton Fernandes - Capitão de Corveta - e o marinheiro Ariel.

Diante do iminente naufrágio, o Almirante André Moura - que em breve ficará desempregado -, atual comandante supremo da Bacia do Poxim, destacou seu melhor quadro naval para tentar impedir o naufrágio da mega-embarcação: Edison Garcia, o Comodoro. Além de fluente em cinco línguas, expert em cartas náuticas e especialista em direito marítimo, Edison Garcia era o Comodoro do prestigiado Yatch (5 letras) Clube (5 letras) de Brasília, detentor de um dos litorais mais vastos do Brasil, com 40.000 pescadores em seguro-defeso durante a piracema do Lago Paranoá, que dura o ano todo.

Edison Garcia, com a ajuda fiel de seus comandados Agnaldo Curado - o escrivão -, Luis Collyer Pontes - o cara da NET-, Saulo Milhomem - o espertão -, Sidnei Cottet - o bombeiro - (todos nomeados pelo Almirante André Moura) , e dos superintendentes do INSS : José Carlos Oliveira (Kassab e Alckmin), Paulo Cirino (Quintão e Cunha), Kathia Braga (Mauro Mariani e PT) , André Fidelis (PT, Lula, Dilma, Garibaldi) e Marcos de Brito (PSB, Gonzaga Patriota), empreenderam uma operação de guerra para manter de pé a Nau do INSS Digital, que agora é vendido como exemplo de gestão mas na verdade é um conjunto de sacanagens com o cidadão, o servidor e o País.

A primeira sacanagem do INSS DIGITAL é que ele foi feito de forma atabalhoada, sem projeto executivo, sem planejamento estratégico, sem estudo de impacto, sem infra-estrutura, sem previsão de custos, estimativa de resultados, apenas usando o mantra "girar a chave". Como se "vira a chave" de um projeto desses sem a mínima estrutura, com link de 512K para toda uma agência, sem sistema eletrônico que processe os pedidos, armazene os dados e organize a fila de processos, sem servidores treinados, sem registro físico ou digital do andamento do processo? O resultado só poderia ser o desastre atual do projeto, com 5 milhões de processos represados (físico + nuvem), sem prazo de solução. A tal "nuvem" onde ficariam os processos está em local incerto e indefinido, e dizem que parece uma daquelas "cumulus nimbus".

Foto rara da nuvem do INSS DIGITAL, na última vez que foi vista, em data indefinida e local incerto.

A segunda sacanagem do INSS DIGITAL é que ele vem sendo usado de forma politiqueira com Acordos de Cooperação Técnica (ACT) com Prefeituras e OAB, que terceirizam mão de obra para digitalizar os processos físicos, o que na prática é a terceirização do trabalho do INSS nas mãos de grupos de interesse representados em detrimento do cidadão comum. Hoje em dia se você não está representado por um político, um advogado ou um sindicato amigo dos superintendentes, é praticamente impossível conseguir que seu processo seja tramitado de forma adequada e no tempo devido. Ou seja, o INSS DIGITAL sequestrou o serviço previdenciário nas mãos dos amigos dos amigos (não confundir com a facção criminosa ADA - amigos dos amigos - do Rio de Janeiro).

A terceira sacanagem do INSS DIGITAL é com a CGU e o TCU, pois estão sendo ludibriados em um projeto sem nenhum planejamento, que travou a autarquia, que está gastando milhões em compras de scanners e equipamentos de outsourcing sem nenhum benefício ao segurado e ao País.

A quarta sacanagem é com o MPOG e o Governo pois o INSS DIGITAL não está entrando na conta de tempo de andamento dos processos e da Idade Média do Acervo (IMA), nem da contagem da gratificação dos servidores (IMA-GDASS) pois simplesmente não há REGISTRO da entrada desses processos nos sistemas corportivos, muito menos como localiza-los de forma organizada, falseando o IMA-GDASS, beneficiando todos os servidores ao mesmo tempo que o cidadão está há mais de um ano esperando algum resultado.
Nem com lupa se acha os processos no INSS SEM DIGITAL

A quinta sacanagem é com o servidor da APS, pois ele acaba sendo o muro das lamentações dos usuários e segurados, revoltados com a paralisação do andamento dos pedidos de processos, enquanto que servidores eleitos e iluminados são premiados com uma verdadeira farra de diárias em grupos de trabalho nas superintendências ou resorts de luxo para, em tese, trabalhar exclusivamente na análise dos processos que estão nas nuvens. Mas se o processo está na nuvem, porque o INSS paga diária para juntar servidor em um local específico??

A sexta sacanagem é com o estagiário. O programa de estágio do INSS era para fazer o jovem trabalhador aprender rotinas de um ofício ou ter alguma experiência no tema em que passou o estágio, mas o INSS, de forma absolutamente irregular, está colocando esses jovens para serem mão de obra forçada escaneando documentos o dia todo.

A sétima sacanagem é com o cidadão segurado. Na prática, o INSS DIGITAL funciona assim: o cidadão vai na APS pedir um benefício: um estagiário escaneia os documentos dele e manda para a nuvem via sistemas internos. Não é gerado número de protocolo nem senha de acompanhamento. O processo fica orbitando na nuvem sem estar registrado em nenhum sistema corporativo, por isso não impacta na nota da gratificação dos servidores. A não ser que você seja amigo dos gerentes ou superintendentes, dos sindicatos amigos ou constitua um advogado, a chance do cidadão ver seu processo finalizado de maneira correta é quase zero. O cidadão não é informado de nada, nem do resultado. E quando este ocorre, normalmente é indeferindo o pedido.

Além disso existe uma sacanagem extra: preocupados com auditorias que começaram a surgir, grupos de trabalhos começaram de forma oculta a indeferir de ofício pacotes de centenas ou milhares de processos nas nuvens, sem dar ciência ao cidadão, tirando dele a chance e oportunidade de pedir recurso da decisão. Porém aparentemente este processo foi freado após denúncias.

Quando se vai apurar as responsabilidades desta verdadeira ZONA e falta de respeito com o segurado, surpresa: não há nenhuma digital no processo, ninguém sabe quem foi responsável pelo que...
  É o verdadeiro INSS SEM DIGITAIS.

Existe um mote nos grupos de combate a crimes financeiros que é: SIGAM O DINHEIRO. No caso do INSS DIGITAL, sugerimos: SIGAM OS SCANNERS.

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

OSMAR TERRA É O MINISTRO DA CIDADANIA



O Presidente Eleito Jair Bolsonaro, o mito, fez mais um gol de placa, ao nomear o Deputado Osmar Terra como Ministro da Cidadania.

Você, leitor do blog, já sabia. Afinal de contas, o Palmeiras ainda não foi campeão mundial...

http://www.perito.med.br/2018/11/nao-passarao.html

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

ACERTAMOS: NOVO GEX DA SÃO PAULO CENTRO VEIO DA GEX SP SUL

Apesar das negativas, demorou mas foi nomeado o novo Gerente Executivo da São Paulo Centro. Como já havíamos dito, ele veio da Gex SP Sul, era chefe da APS Pinheiros.

DOU de hoje:
Designar o servidor GUILHERME GASTALDELLO PINHEIRO SERRANO, Matrícula SIAPE n°
1.517.502, CPF n° 328.470.528-79, para exercer a Função Comissionada de Gerente-
Executivo São Paulo-Centro, código FCPE 101.3, do Instituto Nacional do Seguro Social
deste Ministério, ficando dispensado da função que atualmente ocupa.

Trata-se do quarto GEX de SP oriundo da Gex Sul.

Será que não havia nenhum servidor da Gex SP Centro com a competência necessária?

Nomear um Gerente faltando 40 dias para o fim do governo?

Somente os astros podem responder a essas questões....


quarta-feira, 21 de novembro de 2018

NÃO PASSARÃO!

O blog ficou fora do ar por alguns meses pois estava em plena campanha a favor da vitória de Jair Bolsonaro - o Mito -nosso próximo Presidente da República.

Agora que ele já está montando sua equipe, tivemos acesso a notícias de que alguns gestores, diretores, etc, estariam nos bastidores "comemorando" suas permanências nos cargos ou até mesmo uma eventual ascensão a Presidente do INSS.

Podemos dizer, tranquilamente, que será mais fácil o Palmeiras ser campeão mundial do que algum dirigente atual ser reconduzido em 2019, ou até mesmo ser nomeado Presidente.

Os que pensam que mudaram de cor, apagaram os facebooks e redes sociais, ledo engano. A cor nova desbotará e a cor original aparecerá de novo.


Em outra notícia sem nenhuma relação, agentes da Polícia Federal estiveram ontem, por volta do meio dia, na sede do INSS em Brasília, entregando um ofício ao Presidente do INSS. Foram recebidos pelo Coordenador Geral de Tecnologia da Informação. Ainda sobre a RSX?


quinta-feira, 9 de agosto de 2018

INSS DIGITAL JÁ FOI PRAS NUVENS (DE MARTE).

A Diretoria Central do INSS está sem rede desde ontem. Imagina-se que seja uma homenagem ao novo Diretor de Atendimento do INSS, formado em Tecnologia da Informação, nomeado ontem, para ele conhecer na prática como funciona o INSS Digital: com uso de muitas digitais de servidores para passar as folhas nas capas dos processos pois a rede do INSS vive fora do ar.

Já outros acusam o ex-Diretor Ilton de ter saído do INSS levando a rede com ele, porém achamos improvável essa hipótese uma vez que sabemos que diante de seu apurado gosto por coisas refinadas, como adegas e mercedes, Ilton jamais perderia seu tempo com coisas sem valor como a rede de internet do INSS.

Por falar em INSS Digital, a autarquia mais uma vez é vanguarda mundial em segurança e tecnologia de informação: para evitar roubo de dados, o INSS derrubou o acesso virtual, ou seja, o INSS Digital funciona offline, algo inédito e inovador, pois sem conseguir acessar pela internet, os servidores só conseguem acessar o INSS Digital de dentro da APS.

Isso explica recente evento patrocinado pela SR-4, que reuniu mais de 50 servidores de todo o nordeste em um resort de luxo no Rio Grande do Norte, que foi devidamente equipado com máquinas, cabos e links do INSS, para fazerem um grande mutirão do INSS Digital. Só de diárias foram gastos cerca de R$ 250 mil, foram os equipamentos, em regime de imersão por 30 dias.

Afinal de contas, se o INSS é digital e pode ser acessado pela nuvem de qualquer lugar, porque diabos teve que juntar tanto servidor em hotel de luxo pagando diária? Só pode ser isso: os sofisticados sistemas de segurança da DIRAT derrubaram todo o acesso digital, para evitar invasões. Como não pensamos nisso antes?

O próprio Superintendente Marcos de Brito, intrigado com essa situação, resolveu pegar um avião para ver in loco, nas nuvens, se de fato os processos estavam lá, mas como sabemos o nordeste tem um litoral privilegiado, ensolarado e quase sem nuvens. Por isso Marcos de Brito viajou tanto para achar uma nuvemzinha que acabou em Madrid (Espanha), onde resolveu pousar e passar alguns dias descansando da extenuante viagem e de onde vem mandando mensagens de apoio aos servidores trancafiados no luxuoso resort do Rio Grande do Norte, na região da Grande Mossoró.

A segurança desse projeto foi tamanha que o INSS abriu mão de usar o recém-inaugurado prédio da Gerência-Executiva de Mossoró, com vários andares modernos e com a melhor estrutura de tecnologia do Brasil, com medo de que houvesse alguma chance de ligar a internet para os servidores das APS. Por isso a decisão de submeter todos, e levar centenas de máquinas, para o resort de luxo em Martins. 

O INSS Digital é um projeto perfeito. Só faltam duas coisas: O INSS e o "Digital". Corrigindo isso, será uma revolução.

quarta-feira, 25 de julho de 2018

GRAVE ACIDENTE DURANTE INAUGURAÇÃO DA NOVA DELEGACIA DO CREMESP NA VILA MARIANA

No dia 20 de julho foi inaugurada a nova e moderna sede da Delegacia do Cremesp da Vila Mariana-SP, a maior de todo o Conselho.

Porém apenas hoje foi revelado que um grave acidente ocorreu nesse evento. Durante o descerramento da placa de inauguração do espaço, o braço direito do delegado superintendente Jarbas Simas foi destroncado de seu corpo e caiu nas costas do vice-presidente, Renato Françoso, conforme comprova a foto abaixo:



Vejam na ampliação abaixo o momento do acidente:



Bom, é verdade que Jarbas Simas, velho personagem deste blog, sempre foi criticado por dar uma de "João sem braço" mas dessa vez ele exagerou.

Soubemos que todos passam bem e estimamos melhoras a todos e que da próxima vez o Cremesp contrate alguém decente para editar as fotos, afinal de contas dinheiro é o que não falta.

terça-feira, 3 de julho de 2018

CRIADOR E CRIATURA TRANSFORMAM PREVIDÊNCIA EM "SERRA PELADA"


A manchete e capa do Jornal O Globo de ontem (01/07) mostrou que a Dataprev virou propriedade do Deputado André Moura, líder do Governo no Congresso Nacional. Para quem lê este blog, nada de novo, pois já havíamos denunciado que não apenas a Dataprev, mas o INSS, a ABDI, a Funai, a Embratur e até mesmo o Ministério do Trabalho viraram protetorados de Moura no Governo.

Moura adotou o princípio das capitanias hereditárias para controlar suas posses.  Como no modelo Português, membros da baixa (baixíssima) realeza eram nomeados donatários para controlar faixas de posses e criar internamente as chamadas sesmarias, locais específicos onde os colonos nomeados posseiros trabalhariam para tornar a "terra" produtiva e pagar impostos ao donatário, que repassava parte à autoridade superior, no caso, o próprio Moura.

Relativo ao setor previdenciário, Moura nomeou um donatário: André Leandro Magalhães, funcionário do TRT da 10ª Região, especialista em sistemas de TI e segurança, que passou a controlar as capitanias hereditárias da Dataprev e do INSS. Magalhães já havia trabalhado no passado em vários outros Ministérios e empresas, conforme publicamos em primeira mão aqui.

Não podendo oficialmente comandar duas capitanias ao mesmo tempo, André Leandro passou a fazer uso de sua equipe pessoal para comandar o vasto território inssano, que ficou livre após a queda de Leonardo Gadelha, o bobo da corte.

É André Leandro Magalhães que manda no INSS.

Magalhães, sob ordens de Moura, nomeou Francisco Lopes, conhecido como "o Lawrence do Cerrado", seu assessor direto na Dataprev e velho conhecido do mundo de negócios de empresas de TI e adesões de atas de fábricas de software. Porém Lopes foi pego colhendo as uvas antes de estarem maduras e pagando R$ 4 milhões em tonéis de vinhos vazios e foi exonerado antes que comprometesse a safra do ano.

Magalhães também dividiu as sesmarias da DIRAT, DIRBEN, AUDIGER, CGTIC e DGP entre seus colegas de profissão da área de TI e da Polícia Civil do DF, de onde Magalhães foi Subsecretário de Gestão da Informação e do Conselho Superior de Informações e Operações Policiais do DF.

Ilton Fernandes, parceiro de André Magalhães na ANTT, é o posseiro da sesmaria da DIRAT, e de lá ninguém tira ele pois transformou um solo árido em terreno altamente produtivo, colhendo cana, café e cascalho além de produzir vinhos e atas de adesão em grande quantidade.

Um policial civil aposentado foi recentemente nomeado posseiro da sesmaria da DIRBEN, temos outro policial civil na Auditoria de Benefícios, o auditor Rabello rapidamente se alinhou ao donatário, a CGTIC tinha como posseiro de sesmaria o servidor Ornon, ligado ao grupo da TI, mas caiu junto com Lopes e a DGP está nas mãos de outro aliado de Magalhães.

Um novo "donatário" do INSS foi indicado por Magalhães e Moura: o comodoro Edison Garcia, que é especialista em embarcações como canoas, caravelas e campeão de remadas e na modalidade "Remo de Cinco". Ele tem enfrentado dificuldades em navegar nesse mar agitado pois o vento está contra a maré e o Sol batendo muito forte em cima da cabeça dele, mas está tentando.

Não para por ai. Segundo O GLOBO, mais de 60 aliados do Rei estão espalhados na Dataprev em todo o Brasil. No INSS temos um Gari na DIRAT, uma baliarina na DGP, recém-formados em diversas diretorias e diversos cargos ocupados por pessoas sem a devida formação. Até um representante da umbanda está na mira de comandar apenas a gestão de todos os 33 milhões de benefícios mensais do INSS.

Recentemente a sesmaria da DIROFL caiu nas mãos do grupo, através de uma articulação com o dono da pradaria dos bandeirantes, uma subdivisão da capitania hereditária do INSS, o superintendente Oliveira, que controla os posseiros paulistas e que emplacou seu contador pessoal na sesmaria de orçamento da autarquia. 

Sidney Cottet, o contador de Oliveira, é conhecido por sua agilidade com números e pelo destemor em assinar os documentos mais complexos. Dono de um vasto currículo, Cottet foi prejudicado tempos atrás quando parte da APS Guarulhos, sede da Gerência local, foi destruída por um grande incêndio ocorrido na noite de uma sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014.

Sem vítimas, o fogo atingiu precisamente apenas os setores financeiro, logística, almoxarifado e APSDJ, transformando em pó vários processos em que Sidney atuou com maestria. Os processos eram prova viva do talento de Sidney Cottet em resolver o grave problema de orçamento do INSS, porém agora em Brasília ele terá a chance de mostrar a todos o seu valor.

Seção de Orçamento, Finanças e Logística da GEx Guarulhos destruída por incêndio em 2014. Cottet terá nova chance de mostrar seu talento após posse na DIROFL.

Quem manda no INSS é André Magalhães. Quem manda em André Magalhães é André Moura. Criador e Criatura vem transformando o INSS numa mina de exploração ao estilo Serra Pelada. A permanecer assim, o destino da autarquia será afundar num grande buraco escavado pelos exploradores, do qual jamais sairá.

terça-feira, 26 de junho de 2018

DIRBEN VIROU CASO DE POLÍCIA

Exonerado no DOU de hoje o Diretor de Benefícios do INSS, Alessandro Roosevelt, que está de malas prontas para a Dataprev, onde lhe foi prometido um cargo para não correr o risco de voltar para Poços de Caldas - MG.

Em seu lugar assume Agnaldo Novato Curado Filho, que não é servidor federal, mas pertenceu aos quadros da Polícia Civil do Distrito Federal entre 1982 e 2011, quando aposentou. 

Aliás, muito curioso Agnaldo assumir a Diretoria de Benefícios do INSS, cujo principal "produto" é a gestão das aposentadorias do RGPS, pois segundo pesquisa (ainda inconclusa) nos Diários de Justiça, a própria aposentadoria de Agnaldo no GDF foi uma novela mexicana.

SMJ, pois são dezenas de peças ainda a analisar, Agnaldo assumiu como Agente de Polícia Civil em 1982. Em 2008 prestou concurso para Delegado de Polícia do DF, sendo reprovado na prova oral. Ingressou com liminar alegando ilegalidade na troca da banca examinadora não prevista em edital. Assumiu como Delegado de Polícia por força de decisão liminar.

A liminar caiu em 2009, transitada em julgado. Estranhamente, o GDF e a PCDF manteve Agnaldo no cargo de Delegado, mesmo sem base legal, por DOZE (12) anos, até que em 2010 exoneraram ele do cargo, através do mecanismo de vacância, retornando ele ao cargo original de Agente. Nesse período ocupou diversos cargos de gestão, como Diretor de Administração Geral e do PROCON-DF.

Agnaldo aposentou em 2011 e ingressou uma intensa batalha judicial contra o GDF onde pedia, pela teoria do fato consumado, o reconhecimento de sua aposentadoria como delegado e não como agente, e retroativo a 2009, aparentemente perdendo a causa.

Porém em recente decisão do final de 2017, o novo Diretor de Benefícios conseguiu o reconhecimento do Tribunal de Contas por sua aposentadoria como Delegado. Dentre as alegações, o longo lapso entre a posse no concurso e a decisão de sua aposentadoria. Confuso, pois em tese o STF negou tal reconhecimento:


O agravo acima foi negado pela Excelsa Corte.

O fato concreto é que está aposentado como policial, agora delegado, exerce a advocacia desde a aposentadoria (formado em 1992) e surge como novo indicado do Deputado André Moura para a Diretoria de Benefícios do INSS.

O que ele entende de benefícios previdenciários? Patavinas, provavelmente.

O que ele está fazendo na DIRBEN? Desconhecemos.

Consta no site do TSE que, em 2016, ele doou cerca de R$ 2.650,00 para o candidato a vereador Geldo da Mariquita (PSL-MG), na cidade de Buritis, que fica em Minas Gerais, mas ao lado de Brasília. Geldo venceu e é o atual Presidente da Câmara de Vereadores de Buritis.

Esse tem a confiança do novo DIRBEN


Apesar de ser uma nulidade no cargo, Alessandro ao menos era servidor. Trata-se de mais um alienígena no INSS ocupando cargo de Diretoria.

Agora a DIRBEN, DIRAT, Auditoria, DGP, Corregedoria e todo gabinete presidencial são ocupados por pessoas externas ao INSS. 

Por falar em Polícia, um assunto que não tem correlação nenhuma, Ilton continua diretor da DIRAT, né?

segunda-feira, 25 de junho de 2018

INSS: HORA DOS SERVIDORES REAGIREM E DENUNCIAREM O QUE SABEM.

A demissão do ex-croque e ex-presidente do INSS, Francisco Lopes, o "Lawrence do Cerrado", por suspeitosíssimas assinaturas de contratos com empresas de fachada sediadas em adegas de Brasília, levantou uma cortina de corrupção dentro da autarquia que revelou o quão podres estão as estruturas que sustentam a autarquia mais importante do Brasil.

Estamos vendo o INSS se esfacelar diante de uma rede de indicações políticas que há anos opera dentro da casa e não vamos fazer nada?

Vivemos duas realidades no INSS: O INSS da fantasia, que se propõe a ajudar os necessitados, onde vendemos eficiência, austeridade, INSS Digital, Meu INSS, aposentadoria em 30 minutos, etc, e o INSS Real.

No INSS Real, cada Gerência-Executiva é feudo de um político local. A Direção Central é dominada por um grupo político que bota a faca no pescoço do Governo a cada tentativa de moralização da autarquia. O uso político do INSS é descarado. Ninguém consegue fazer nada, pois o cacique da vez proíbe qualquer intervenção.

Ilusão acreditar que o INSS presta serviços gratuitos. Em muitos casos o segurado, quando chega no balcão de atendimento, já gastou de centenas a milhares de reais com atravessadores. Qualquer médico que trabalhou no SUS, em emergências e postos, já ouviu esses relatos.

Alguns Gerentes de APS que favorecem atravessadores são premiados com cargos elevados, cargos na Superintendência, prêmios como  gerenciamento de pólos digitais do INSS em determinadas superintendências, por exemplo. Esse padrão se repete em todas as hierarquias. Servidores tido como "exemplos" assinam processos como se fossem diretores, em pleno Natal, para acelerar IN picaretas ou compras absurdas de tecnologias imprestáveis.

Em cidades menores, é comum vermos a APS fazer de um ou dois vereadores. Alguns gerentes viram prefeitos, gerentes-executivos viram deputados estaduais e federais. O ex-ministro da Previdência, José Pimentel, pulou do MPS para o Senado com a desfaçatez de usar o mesmo número que escolheu para o serviço de teleatendimento do INSS, o 135.

Sempre temos políticos, os donos do feudo, nas inaugurações de APS, acompanhados dos superintendentes, gerentes-executivos, chefes locais e servidores da área meio. Muitos servidores da área-meio se comportam como políticos, cuja prioridade é manter seu cargo e não atender ao interesse público. Quando chamado a resolver problemas, alega inúmeras IN e OI para se eximir, deixando o servidor da ponta literalmente "vendido" no enrosco.

A Corregedoria, até hoje, é usada para proteger esse sistema político e caçar servidores que se insurgem contra o sistema ou apenas para "limpar a área" quando alguma quadrilha cai nas malhas da Federal. Abre processos a rodo, sem nenhum critério de admissibilidade adequado, pois isto é visto e vendido como "eficiência". O último corregedor caiu em várias denúncias de corrupção e o penúltimo se insubordinou contra a autoridade constituída e foi devidamente chutado pra fora do INSS.

A Força-Tarefa Previdenciária estoura, em média, uma grande quadrilha por semana. Isso há 10 anos. E eles só pegam esquemas grandes, mas é justamente a "chinelada" do dia a dia que está matando a autarquia. Contra ela temos um sistema vendido, inoperante, surdo, cego e mudo.

O político que promove a inauguração da APS e divulga "o bem que ela trará para a população pobre " é o mesmo que indica os servidores da área-meio, os gerentes e cargos mais elevados, e também participa da rede oculta de atravessadores nas APS ou cercanias, que aliciam servidores e segurados para girar a roda da fortuna previdenciária. O segurado, muitas vezes sem dinheiro, promete o que virá a ter (o benefício) em troca da "facilitação" dentro da Agência.

Muito comum o cidadão procurar o escritório político local de algum cacique para pedir benefícios e ser direcionado a algum escritório de atravessadores (muitas vezes escondidos com OABs) que "facilitarão" a obtenção do pleiteado. Alguns gerentes permitem o livre transitar desses atravessadores que em troca levam brindes, bolos, salgadinhos e presentes aos servidores da APS. Quem nunca viu isso no INSS?

Não à toa a Perícia Médica foi tão combatida, pois quando acabou a terceirização, um corpo público de servidores se colocou como um muro nessas relações. Por isso muitas chefias administrativas resistiram tanto a perder o controle local da Perícia Médica, somos ativos valiosos nessa rede de interesses. Alguns colegas caíram na malha e foram pegos, mas são uma gota nesse oceano de corrupção.

Nos níveis mais elevados, contratos absurdos são assinados sem nenhuma transparência, em troca de coisas que nunca chegam ou são imprestáveis para a autarquia. Neste exato momento, apostamos que existem contratos iníquos prontos para serem despachados. Se isso for mentira, fecharemos esse blog.

Todo servidor de bem sabe de um esquema, de algum contrato, de alguma coisa que não cheira bem. O silêncio até hoje foi questão de sobrevivência.

Mas não dá mais. A casa não aguenta mais esse peso. Precisamos reagir, precisamos expor os que estão sugando o INSS para interesses privados.

Denunciem. Joguem na rede. Tornem público. Revelem o que vocês sabem. Procurem o Ministério Público Federal local, a Polícia Federal, ou a Civil onde não existir um posto da PF, procurem a imprensa, a CGU, o TCU. Ou façam isso agora ou não teremos INSS amanhã. 

Com a desculpa de falta de servidores e da necessidade de "modernizar a casa", seremos trocados por terceirizados ao estilo "135", por máquinas e sistemas superfaturados, será a Era de Ouro das fabriquetas de TI que existem em Brasília e aos arredores de cada APS, junto com os famosos escritórios de advocacia.

Tal qual um casamento, essa união dos servidores com a autarquia precisa dessa ação de união entre as partes. Não se calem mais. Falem agora, ou calem-se para sempre.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

RESULTADO DA ENQUETE DAS MIJONAS - TODOS QUEREM MENOS XIXI E MAIS TRABALHO.

Os números falam por si só: a casta de sociáveis e seu lobby para não trabalhar não pode mais prosperar. Para 89% dos mais de 4 mil cidadãos que responderam à enquete são favoráveis a que elas cumpram suas obrigações estatutárias, regimentais, legais e previstas no edital de concurso.

Chega de xixi fora do pinico. Hora das sociáveis trabalhar.




INSS NO OLHO DO FURAÇÃO - LOPES COLOCOU AUTARQUIA NO HOLOFOTE DOS ÓRGÃOS DE CONTROLE.


O INSS virou o eldorado dos órgãos de controle, que disputam uma caça ao tesouro em busca de irregularidades em contratos e negócios envolvendo a autarquia e suas filiadas (Previc e Dataprev). 

Tudo por conta da descoberta dos esquemas do ex-croque e ex-presidente do INSS, Francisco Lopes, e seus contratos escusos com empresas de TI. Nunca a previdência esteve tanto em "evidência".

Por isso estranhamos tanto a demora da autarquia em exonerar personagens-chave desses escândalos de TI como Ilton Fernandes, Saulo Milhomem, Alessandro Roosevelt e cia. É como se o INSS quisesse continuar sendo alvo do holofote...

Mas nada que não possa piorar. Em breve o Diretor de Benefícios será trocado e assumirá um gestor da Caixa Econômica Federal. Chega de intermediários, né?

CEF vai tomar conta da DIRBEN - Festa na Berrini.



segunda-feira, 11 de junho de 2018

MIJONAS EM PÂNICO. VOTE NA ENQUETE.

Analistas do Seguro Social com Formação em Seguro Social dizem que não lhes compete analisar e habilitar benefícios, em especial os que elas são parcialmente responsáveis pela análise técnica. Alegam que são "assistentes sociais" à despeito do edital de concurso delas e do Decreto nº 8653/16, editado pela "Presidenta Dilma" e jamais contestado por elas.

Apesar disso, elas recebem todo mês a GDASS (gratificação do seguro social), que representa a maior parte de seu salário, e assumem cargos de chefias de benefícios de APS, Gerências, etc, tudo às custas de serem analistas. Ai elas não reclamam. Ganham a GDASS às custas do suor alheio.

Mas na hora de trabalhar como analistas, reclamam bastante. A população e os "vulneráveis" que se danem. Ora, se são assistentes sociais, que abram mão da GDASS, não? 

Portanto este blog quer saber:




  Vote na enquete

terça-feira, 5 de junho de 2018

NUMEROLOGIA INSSANA. PÉ DE PATO, MANGALÔ, TRÊS VEZES!!

A posse do novo Presidente do INSS, Edison Garcia, será dia 05 de junho, às 05 da tarde. 

O novo presidente é uma pessoa que preza muito costumes, hábitos e valores, em especial valores que são algo tão importante na formação do caráter de uma pessoa. Um homem tradicional, que já foi comodoro do Iate Clube de Brasília, um dos mais sofisticados do país.

Porém essa questão do cinco fez o blog fazer uma pesquisa e descobrimos algo interessante.

Analisando essa coincidência, descobrimos que o número 5 é muito importante na vida do novo Presidente, vejamos:

Sua OAB-DF: 5555
Sua Portaria de Nomeação: 555
Edison Antonio Costa Britto Garcia: 5 nomes
Nascimento em 16/08/1961: 1+6+0+8+1+9+6+1 = 32 = 3+2 = 5

Edison Garcia é o quinto advogado com OAB a virar Presidente do INSS.
Edison Garcia foi indicado por André Moura (PSC-SE): André (5 letras), Moura (5 letras) e PSC-SE (5 letras).

O INSS tem 5 Diretorias e 5 Superintendências. Os superintendentes: Oliva, Paulo, Kátia, Marco e André (5 letras). O INSS possui 104 gerências-executivas: 1+0+4 = 5

O ex-Presidente Francisco Lopes (Lopes = 5 letras) ficou 5 meses no cargo. Membros desse grupo, como Ilton, Ornon e Saulo (5 letras).

Números de dedos na mão = 5
Posse = 5 letras.
Yatch Clube = 5 letras cada.

A empresa de fachada que causou a demissão de Fran, RSX ME (5 letras). O Jornal que denunciou Lopes (Globo), 5 letras.

Ao lado, Francisco Lopes já trajado para a transmissão do cargo.

Por falar em Fran Fran, algumas palavras que vem a nossa memória quando pensamos nele e no grupo (grupo = 5 letras) dele também remetem a essa numerologia, vejamos:  Roubo, Multa, Jaula, Preso, Furto, Cargo, Verba, Parte, tudo com 5 letras. Enquadramento no art 171: 5 anos.

Edison Garcia é um ser espiritual superior, praticante das artes místicas avançadas que apenas as almas de primeiro grau podem ter acesso. Por exemplo, ele sempre dispõe os móveis das salas onde fica de forma a que as cadeiras formem um triângulo. Quando está conversando com duas pessoas, se coloca de tal forma a ficar como o vértice de um triângulo posicional.

Triângulos e numerologia - o futuro do INSS a um passo de distância 

Tal espiritualidade terá reflexos imediatos no INSS: O planejamento estratégico, por exemplo, será decidido após consultas a um mapa astral (vide abaixo):


O Plano de Ação será feito de acordo com as previsões de cartomantes e um mapa numerológico (vide abaixo):

Na foto acima, as capas dos novos manuais do gestor e plano de ação 2018

Os servidores administrativos serão treinados para tramitar os processos no balcão através de cartas de Tarot, que decidirão imediatamente para o segurado o resultado do seu requerimento:

Exemplo de cartas de tarot adaptadas para o código administrativo do INSS. Treinamento será feito pelo CFAI - Centro de Formação de Astrólogos Inssanos.

Já as perícias médicas serão decididas pelo processo de búzios e runas. O perito médico será nomeado perito "médium".

Na foto, Perito Médium informando ao segurado o resultado da CRER (do verbo Crer) após consulta aos buzios e runas.

Será uma aventura mística no Reino INSSANO. Em breve as próximas IN (Instruções Numerólogas) e Resoluções (de ano novo, etc) serão publicadas colocando o INSS na NOVA ERA.

O INSS na Nova Era.

 O blog deseja boa sorte ao novo Presidente. Aliás, sorte tem 5 letras, mas para azar dele, INSS tem apenas 4 letras (assim como blog). Para não ofender esse equilíbrio espiritual, o post será publicado as 05 da manhã do dia 05.