quinta-feira, 28 de junho de 2012

OPINIÃO ZH

Artigo|Perícias e tratamento desumano
28 de junho de 2012

Queremos uma perícia justa, humanizada, acolhedora e preocupada com a saúde do trabalhador

MAURO SALLES*

Notícias publicadas nos jornais de terça-feira informaram que o INSS resolveu colocar as perícias realizadas em Porto Alegre, Novo Hamburgo e Canoas na UTI. A baixa produtividade dos peritos médicos e a demora no atendimento dos segurados determinaram uma intervenção por parte da direção do órgão previdenciário.

Mas o que gostaria de debater não são as responsabilidades desses problemas, e sim as recorrentes denúncias de bancários submetidos a um tratamento desumano e humilhante durante a perícia. O atendimento é tão descortês, que muitos profissionais ameaçam chamar a segurança ao menor questionamento do ato pericial. Outros não examinam os laudos dos médicos assistentes dos trabalhadores e desconsideram exames apresentados pelo segurado.

Há poucas semanas, como uma das soluções para o problema de atraso, o INSS implantou em algumas agências uma tabela de recuperação de doenças. Um trabalhador com o diagnóstico de lesão de esforço repetitivo (Ler/Dort) teria um prazo máximo de recuperação de 30 dias, independentemente de suas características físicas pessoais, das atividades desempenhadas e de sua condição orgânica de recuperação. O afastamento seria feito com prazo determinado e sem um exame apurado das exatas condições do segurado.

Para se ter ideia da gravidade da situação, um caso ilustra o problema: uma trabalhadora se submete a perícia, com laudos que atestam profunda depressão e tentativa de suicídio, por ter sofrido assalto no local de trabalho. O atestado médico determina afastamento por longo período por riscos de nova tentativa de suicídio, mas a segurada recebe alta previdenciária, pois, pela tabela de recuperação, ela precisa voltar a trabalhar após 90 dias de afastamento. A situação resultaria em processo judicial, que determinaria o afastamento da trabalhadora e a implantação de benefício previdenciário.

As perícias médicas devem ser criteriosas e não podem deixar de observar as particularidades de cada caso e a relação entre a doença e o trabalho. As considerações feitas pelo médico assistente, exames e laudos devem ser analisadas.

Queremos uma perícia justa, humanizada, acolhedora e preocupada com a saúde do trabalhador. O segurado não pode ser tratado como um inimigo pelo servidor público do INSS ou um fraudador. O segurado merece respeito!

*Presidente SindBancários

9 comentários:

Heltron Israel disse...

A idiotice com voz. Mesma ladainha. Sem números e sem documentos.
Seria mais fácil provar algo. Por exemplo como apresentar um LAUDO MÉDICO DO INSS e o caso a que se refere. Vir querer falar sobre "o quê deve haver num laudo médico e como o perito deve atender?" "Com que autoridade meu amigo, qual é o número do se CRM?" Até o MPF foi aconselhado a não se manifestar sobre como se deve proceder uma perícia por ser assunto de ordem técnica médica.

Depois que tem que ser acolhedor, humanizado e preocupado é o você que é do sindicato. O Perito não tem lado a não ser o verdade científica. Não tem que ficar explicando nada não. É anti-ético se manifestar inclusive fora do laudo por escrito sobre sua decisão.O perito tem que atender civilizadamente e cortes. A proposito fique-se claro que PERÍCIA MÉDICA não é ATENDIMENTO A PUBLICO. Atendimento a publico é regimento administrativo, Perícia é ato médico.

Heltron Israel disse...

Resultados internos apontam que quase totalidade das vezes que alguém acusa o perito de nao ler, ver os exames, relatórios e receitas eles estão lá no Laudo Medico que nunca é mostrado por quem reclama.

A percepção do perito no ato dos documentos não é a mesma do segurado. O valor atribuído a cada um também. Isso gera uma sensação de não foi nem lido.

Outro dia apenas folheiei rapidamente algumas receitas e laudos de exames. Após uns 3 minutos segurado pergunto se eu não iria ler e se espantou quando citei todos os seus remédios e diagnósticos. O perito quer as vezes focalizar em algo que o segurado nem sequer imagina como importante pericialmente. O valor do seguro habitualmente é associado a dificuldade e o preço que pagou para conseguir o seu documento que muitas vezes é nulo para o avaliador.

Heltron Israel disse...

O texto acima nada mais é que um eco do dano a imagem dos peritos causados pelo infeliz e fraquissimo gestor no seu depoimento onde faz acusações aos médicos peritos no jornal de maior circulação no RS.

Quem vai querer colaborar com ele?

aldofranklin disse...

Não Heltron, veja que ele usou a declaração do Presidente do INSS como gancho em seu artigo pois ele é defensor dos Bancários e é justamente assim que funciona a Politica!
Se vc questiona-lo será isso que dirá e foi justamente esse "pano de fundo" usado pra dizer que os relatórios não são vistos, que falta educação, urbanismo, no atendimento ao segurado sobretudo o bancário!
Como disse em outro post, a retórica tem que mudar! Recentemente tive um curso com o Elias Victorino, o encantador das multidões do PT e alguns aspectos de posicionamento e modo de fazer politica foram debatidos! O que quero dizer é que o discurso dos que estão nos representando, dos que falam em nosso nome, tem que ter abordagem diferente, sair da seara principal da Defesa da categoria e passar a defesa do trabalhador, que está passando fome pela espera de uma PERICiA e consequentemente a questão do numero reduzido dos peritos será levantada e com isso as causas e consequentemente as demandas dos mesmos serão ouvidas entendeu?!

aldofranklin disse...

Peça um novo direito de resposta ao Jornal ZH tendo em vista que dia seguinte as declarações do Presidente do INSS ele retificou suas declarações e na que estamos vendo agora, as inverdades foram usadas de gancho.

aldofranklin disse...

Heltron, isso a gente sabe que acontece entretanto é justamente a nossa retórica e a abordagem que tem que mudar pois dai o impacto na Sociedade civil é maior! Não analise o texto desta fOrma, analise que dói um sindicalista que escreveu representando uma classe e veja como ele se posiciona, qual a base do discurso...

Heltron Israel disse...

Curiosamente o Presidente do INSS este reunido com bancarios dias antes.

aldofranklin disse...

Exemplo: "eu estou do lado dos bancários, é preciso humanizar as perícias, mas para que possamos investigar essas denuncias precisamos nos aprofundar, conhecer o conteúdo do Laudo Medico pericial para dar consistência as denuncias e para que possamos corrigir estes desmandos!" ... Com isso o LMP é levado ao foco e com a analise dos mesmos, esses argumentos caem por terra!

Paulo Taveira disse...

Não entendi esta publicação.Agora até nós mesmos falamos mal de nós! Interessante!