quinta-feira, 21 de junho de 2012

Ponto de Vista - É preciso muita cautela - Finalmente ANMP se reune com MPOG

A diretoria atual da ANMP deu hoje a melhor notícia do ano aos seus associados. Finalmente, depois de tantas exonerações e desgaste político reuniu-se com o Ministério do Planejamento para rediscutir questões ligadas a salários e estrutura da carreira dos Peritos Médicos. Ficamos felizes porém não eufóricos. Nunca a cautela é demais quando se trata de opositores. Depois esta cena já aconteceu mais de uma vez e o resultado foram publicações com sensação de "fomos traídos pela décima vez". 
O governo neste momento negocia com quase todas as carreiras do executivo e estar negociando conosco não é algo excepcional, mas ordinário e necessário. Fisco, Incra, IBAMA, Universidades... A lista de grevistas é grande. A Perícia Médica já abortou greves anteriormente em nome das "Promessas" do Governo. Em 2008, tivemos a greve maciça da Polícia Federal, Fisco e AGU quando fomos convencidos a não entrar em greve nas mesas de negociações. O resultado foi, a eles, os radicais grevistas, tudo e a nós, os compreensivos servidores, o quase nada. Afinal, impedimos a mudança do nome de "médico perito" para "perito médico" numa tentativa desesperada de manter a dignidade do traído.
Eles, os outros servidores, já ensinaram como e quanto e o que fazer. Uma das coisas curiosíssimas que falam porém sempre é tabu entre os peritos é sobre a Equiparação. Sim, qualquer rodada que envolva as carreiras do topo do executivo existe um parâmetro que não pode deixar de ser considerado. Os Peritos Médicos não podem continuar tendo responsabilidade equiparada aos Fiscais do Trabalho e sendo considerados essenciais para a defesa do INSS conjuntamente com os Procuradores do INSS e não terem seus salários equiparados independente das nossas diferenças. Não podemos cair nos mesmos e erros.
A Dedicação Exclusiva em Perícia Médica é inconstitucional, já somos carreira médica e submissa as normas dos Conselhos Médicos, porém, obviamente que há situações conflituosas de promiscuidades inaceitáveis como prestar assessoria a empresas como no caso recente de Santa Maria no RS. A situação inclusive pode ter efeito reverso e afastar ainda mais os profissionais de uma possível carreira nova já que é muito comum que peritos declarem abertamente que DE=Demissão Espontânea ainda que se dobre ou triplique o salário.
De qualquer forma, hoje é um dia especial para esta carreira que há 4 anos tem as portas das negociações fechadas, que passou por uma greve maciça sem ganhos há exatos 2 anos e que só faz sofrer e minguar desde então. Torço para que, independente de opiniões políticas, esta reunião de hoje termine de forma diferente das habituais. Precisamos de cautela para conseguirmos certezas.

Um comentário:

aldofranklin disse...

Tem que aproveitar o momento mesmo!
Varios ministérios já estão em greve, os auditores da Receita em Operação pente fino, os do trabalho já se preparando...Chegou a hora da equiparação! Equiparação com nossos colegas Procuradores! Não é justo a responsabilidade que os peritos tem, sendo 6% da casa, fazendo 70% do trabalho do INSS, literalmente "carregando o piano" e na hora do governo pagar pelo serviço, diga-se de passagem, de alta complexidade, altamente técnico, o Governo só dar uns trocados, vencimentos inconsistentes com o cargo e responsabilidade e nível de exigência intelectual! A ministra Miriam Belchior deveria sim, sensibilizar-se com as demandas e reconhecer o valor do cargo! Não há outro jeito: sem valorização, sem autonomia, sem remuneração por subsidio, sem aposentadoria digna, o Perito sofre, mas aofre mais ainda o trabalhador deste país, que chega a passar fome esperando 120, 150 dias por uma PERICiA, que contrai dividas bancarias a juros exorbitantes, porque os gestores não cumprem a lei e não disponibiliza os recursos em ate 30 dias como manda a lei, da entrada da solicitação de beneficio! O que se viu ate agora foi um show de horrores, de mentiras, de hipocrisias e fanfarronices! Chega! Chega! Bom senso e respeito a dignidade dos trabalhadores, sejam os servidores, sejam os segurados!