segunda-feira, 25 de junho de 2012

APESAR DE INVERÍDICA, MATÉRIA DO ZERO HORA CHAMA A ATENÇÃO PARA O CAOS NA GESTÃO.

Intitulada "Intervenção no INSS Gaúcho", matéria publicada hoje no matinal gaúcho cita dados errados sobre o atendimento pericial em Porto Alegre mas consegue expor o problema da gestão caótica que o INSS vem sofrendo nos últimos anos.

A matéria diz que a perícia médica em Porto Alegre  está sob intervenção e que o governo estaria inconformado com o fato de relatórios apontarem que apenas 2 de 50 peritos estariam fazendo perícias e pergunta o que estariam fazendo os outros peritos, se estariam só recebendo salário.

A nota segue com uma suposta entrevista do Presidente do INSS reconhecendo uma piora nos indicadores mas em termos duros dizendo que a missão é ajustar a gestão e que ele iria começar a abrir uma "caixa-preta".

Bom, pra início de conversa não é verdade que apenas dois peritos fazem perícia em Porto Alegre. Sim, este blog sempre acusou o INSS de não colocar força máxima na linha de frente e depois cobrar a categoria pela baixa produtividade, mas 2/50 é exagero. O relatório citado pela repórter, se existir, é falso. Na verdade, segundo o Sala de Monitoramento do INSS (Vide matérias neste BLOG sobre o "Big Brother da Previdência"), de 51 peritos cadastrados na Gerência Porto Alegre, apenas 28 estavam hoje com agenda aberta. O número varia um pouco dia a dia mas a média de 50% ou menos vem se mantendo desde o início do monitoramento pelo "Big Brother" da previdência.
A pergunta que a repórter deveria fazer não é dirigida aos peritos e sim aos gestores, afinal de contas nenhum servidor consegue ficar fora do atendimento ao público sem que o gestor local compactue com isso.
E se mesmo na situação de caos sofrendo processos judiciais o INSS AINDA HOJE mantém menos de 50% dos peritos fazendo perícias nas APS, a pergunta da repórter deveria ser feita ao Presidente do INSS: Como que o senhor permite até hoje que uma situação dessas perdure?

Lembrando que ter 23 peritos fora da agenda da APS não significa que eles não estão trabalhando. Existem dezenas de atividades extra-agenda que os peritos tem que fazer, como aposentadorias especiais, juntas de recursos, reabilitação profissional, perícias externas, visitas técnicas, dentre outros. Mas se o foco do problema é a fila na APS, como justificar apenas a metade dos peritos ativos nas APS? 

E como o ex-ministro e atual secretário executivo do MPS, Sr. Gabas,  também conhece esses números, a pergunta poderia ser feita a ele também. Onde estão os gestores do "Monitor de Atendimento" que até agora não viram isso?


É O PERITO QUE PRODUZ POUCO OU É O INSS QUE CARECE DE PERITOS E NÃO CONSEGUE GERIR A ATIVIDADE DE FORMA EFICIENTE?

O Presidente Hauschild, segundo a matéria, diz que agora está abrindo uma "caixa-preta" na perícia. Bom, caixas pretas normalmente só são abertas após desastres, quando o avião explode, se arrebenta no solo, quando o navio afunda e o prédio desaba. Ao usar esse termo, o Presidente Hauschild CONFIRMA as infromações deste BLOG que a Gestão da Perícia Médica do INSS foi pro saco. Por isso agora é hora de abrir as caixas pretas.

O presidente teria sido mais sincero ao dizer que só está agindo agora pois levou uma baita bronca da Casa Civil, preocupada especialmente com os números no Sul, mas a própria repórter identificou o surto de perobite e fez questão de adicionar na coluna o tópico "na real" onde explica a real motivação para a suposta intervenção na perícia médica em Porto Alegre.

E agora, como justificar os números acima? Como justificar perito em Porto Alegre que há 3-4 anos só faz "perícia externa" e chega a receber mais de 40.000 reais/ano a mais apenas a título de compensação de pesquisas externas enquanto que nas APS os "mesmos 28" de sempre são obrigados a cumprir tarefa impossível?

Baixa produtividade? Sim, mas não dos peritos.

Um comentário:

Heltron Israel disse...

Estranho mesmo que um veiculo de comunicação como o Zero Hora publique uma informação completamente falsa. Despencou na credibilidade meu caro. Se tivesse ido a uma agencia qualquer de POA fatalmente se verificaria. Mas tenho certeza que ficarão mas atentos. Esta seguradora quando mente na véspera, mente no dia seguinte.
Este plano de "emergência" que suspende ferias, esgota a capacidade produtiva e adoece peritos já é antigo e não funciona. Escreva. O que fazer então?
Rezar talvez. A doença é crónica passando emergência. É uma hemorragia digestiva maciça num cirrotico grave. Só resolve com transplante de gestão.
A gestão curiosamente foi aplaudida pela Folha de SP na pessoa do Ilmo GABAS e o Dr. Hauschild recebeu "prêmio Dom Quixote" pela sua "brilhante" atuação. Num país onde Lula recebe título de Doutor Honoris Causa dá para entender. O que não dá para entender é como tanta incompetência consegue enganar a imprensa, a sociedade e o próprio poder judiciário.