sexta-feira, 10 de maio de 2013

DEPUTADA DO PT DEFENDE APOSENTADORIA PARA PORTADORES DE FIBROMIALGIA

Fibromialgia:: É preciso dar visibilidade a essa doença, alerta Erika
O debate foi coordenado pelo deputado Dr. Rosinha (PT-PR), presidente da Comissão de Seguridade Social e Família

Por Benildes Rodrigues, PT Câmara
Quinta-feira, 9 de maio de 2013

A Comissão de Seguridade Social e Família, por sugestão da deputada Erika Kokay (PT-DF), debateu nesta quinta-feira (9) as questões que envolvem os portadores da Síndrome de Fibromialgia, entre elas, a falta de atendimento da doença pelo Sistema Único de Saúde. O objetivo do debate, de acordo com a parlamentar, é dar visibilidade a essa doença “grave” e “silenciosa” que atinge milhões de pessoas. “O que queremos é tirar a fibromialgia da invisibilidade. É visível para quem sente, mas invisível para a maioria das pessoas”, alertou. 

A parlamentar disse, ainda, que a inclusão da síndrome no rol das doenças que possam ser tratadas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) possibilitará um atendimento médico especializado e qualificado. Por se tratar de uma doença crônica que atinge vários pontos do corpo, explica Erika, há necessidade de assistência multidisciplinar, ou seja, com acompanhamento de especialistas em dor e outros profissionais como fisioterapia, reumatologia, neurologia, entre outros.

Previdência – Para Erika, os sintomas como dores contínuas e intensas limitam as atividades cotidianas de seus portadores o que, segundo ela, compromete as relações familiares, sociais, de trabalho e econômicas dessas pessoas. Por isso, a parlamentar defende a capacitação dos peritos do INSS no sentido de facilitar laudos que possibilitem a aposentadoria ou a dispensa do trabalho.

De acordo com Erika, no momento da realização de perícias médicas para fins de concessão de benefícios previdenciários e da seguridade social, muitos pacientes afetados pela doença têm sido prejudicados, tendo negado o pedido de licença médica e, muitas vezes, são obrigados a voltar ao trabalho, mesmo estando sem condições físicas e psicológicas de reassumir as suas atividades.

“Há muita dificuldade para identificar a doença. Muitas vezes as pessoas são obrigadas a trabalhar adoecidas. Algumas acabam abrindo mão do seu emprego por não suportar trabalhar com dor. Nesse sentido, é importante que esse debate envolva a Previdência e a Seguridade Social”, disse.

O debate foi coordenado pelo deputado Dr. Rosinha (PT-PR), presidente da Comissão de Seguridade Social e Família.
http://www.pt-sp.org.br/noticia/p/?acao=vernoticia&id=28123


82 comentários:

aldofranklin disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ighenry disse...

Esse debate é uma piada assim como esse país!

Herbert disse...

Tem gente que parece que pretende concorrer ao Nobel de Medicina. Parece-me, que a Sociedade Brasileira de Reumatologia está por fora de tudo pois baseada em estudos, recomenda se evitar o afastamento do trabalho para "fibromiálgicos" pois isso pode até piorar o quadro da doença. E gostaria de saber quais provas incontestáveis vão propor para uma aposentadoria para doença que exite, sim, mas é facilmente simulada por mal intencionados (por ser seu diagnóstico puramente clínico e por exclusão, sendo o material principal a queixa e descrição de sinais e sintomas FEITAS PELO PRÓPRIO PACIENTE, INTERESSADO OU NÃO NA APOSENTADORIA).

Para se informar:

http://www.fibromialgia.com.br/novosite/index.php?modulo=pacientes_outros_editais&id_mat=53

http://www.reumatologia.com.br/PDFs/Cartilha%20fibromialgia.pdf

Unknown disse...

Senhores, não sou perita, mas trabalhei a vida inteira com dores e nunca, mas nunca mesmo, eu me ausentei de um plantão ou obrigações profissionais em consultório ou atendimentos ambulatoriais por causa de dores, as quais nem me lembro mais se aconteceram desde os 13 ou os 15 anos de idade. Enfim, fibromialgia não aleija ninguém, e é preciso ter consciência de que, ao andar e trabalhar, o calor gerado acaba por melhorar os sintomas. Já tive que trabalhar com braço na tipoia, mas não desisti de nada; todo o resto do corpo continua a funcionar e é só as pessoas se adaptarem a determinados serviços, ou seja, não precisa se aposentar, pode ser incluída nos programas de reabilitação. A tal da "a dor que anda" é mais comum do que se imagina e são milhões de pessoas que não desistem, mesmo estando a sofrerem com isso: nem assim precisam de aposentadoria "por doença".

PauloVieira disse...

"DEPUTADA DO PT DEFENDE APOSENTADORIA PARA PORTADORES DE FIBROMIALGIA"

K K K K K K K ....
É demais da conta, como diz o pessoal do Brasil Central.
Diga a que veio, nobre Deputada.
Pelo amor de Deus, dê uma aferida no besterol...

Heltron Xavier disse...

Leiam com atenção

"Por isso, a parlamentar defende a capacitação dos peritos do INSS no sentido de facilitar laudos que possibilitem a aposentadoria ou a dispensa do trabalho"

Veja que ela deixa claro que o objetivo não é o rigor cientifico e ético ou o rito administrativo a preocupação é sobre "facilitar" o beneficio. Um dos males que assolam a perícia médica é a impressão desonesta dos algozes que associam requerimentos indeferidos e reclamações à má-prática médica legal. Querem impor uma visão política que a perícia não pode dar.

Fernando Antônio disse...

SOS !!!

SOS !!!

SOS !!!

O tempo mínimo para uma perícia médica do INSS de qualidade é 60 minutos.

O INSS reserva apenas 20 minutos para o perito médico do INSS finalizar uma perícia médica que pode definir a vida do trabalhador/segurado-INSS. Não é possível o INSS não reservar pelo menos 60 minutos por perícia médica. O perito/INSS é obrigado à periciar cerca de 3 perícias por hora o que é impossível.

SOS !!!

SOS !!!

SOS !!!

O correto é reservar o mínimo de 60 minutos por perícia médica do INSS.

Rita Helenice da Silva disse...

Nós fibromialgicos, não somos vagabundos, nós queremos trabalhar sim mas infelizmente esta doença nos impossibilita de exercer qualquer função, pq além das dores , temos a fadiga Crónica, um cansaço extremo q ás vezes não conseguimos nem pentear nossos cabelos. Chega de discriminação , queremos ser tratados com dignidade.

Rita Helenice da Silva disse...

Piada é o descaso que este pais tem com seus doentes crônicos como nós que sofremos de fibromialgia, uma doença que tira nossa alegria de viver, nos sentimos discriminados pela própria classe medica e peritos que desconhecem o que realmente se passa com um Portador de Fibromialgia. Eu me trato com reumatologista, psiquiatra, psicólogo, fisioterapeuta, nutricionista, gastamos um absurdo com a medicação e mesmo assim sobrevivemos , não temos condições nem de fazer os afazeres domésticos qto mais trabalhar fora. Somos em 4 milhões de doentes no Brasil e mesmo assim não somos visíveis, chega de descaso, somos doentes sim!!!

Rita Helenice da Silva disse...

Eu discordo totalmente, pq se eu ando o dia todo ou viajo eu fico acamada, por esse motivo eu não tenho vida social pq não agüento ir á festas, reuniões q exigem q fico mto tempo ou sentada, não consigo cuidar dos meus netos que estão nascendo pq se assim fizer eu fico acamada como se um trator passasse sobre mim, as dores são enormes, até as carnes doem sem falar na depressão , na fadiga que não da vontade de fazer nada. Se eu não respeitar meus limites eu fico mal, eu choro por me sentir inútil, eu que era uma pessoa tão ativa. Não precisamos simular doença , nós só queremos que nos entendem e nos respeitem.

Magda Souza disse...

Aos comentários acima realmente percebesse que são pessoas que se quer conhecem o que é Fibromialgia , sim tem muitas pessoas que falam a verdade em como são suas dores como a quem minta apenas para tentar tirar proveito prejudicando quem de fato sofre com tal doença , a fibromialgia no meu ver entender e passar dos anos ela vai se agravando como se houvesse uma escala até que se chega ao limite dela , se você não é portador ou tem parentes amigos que tenha procure conhecer alguém que tem conviva com esta pessoa depois de sua opinião, porque dores existe diversos tipos e um médico conceituado e um perito atualizado sabe quando o paciente tem ou não a doença. Por isso o governo invista em pessoal capacitado que terá respostas verdadeiras porque até mesmo se Fibromialgia fosse balela como aqui falam já teriam eliminado ela do rol de doenças crônicas . Só resta pedir a Deus que as pessoas que criticam a quem fala a verdade ao invés de buscar saber mais sobre a doença permita a elas sentirem em seus corpos a Fibromialgia pra um dia voltarem a opinar.

Sandra S S disse...

Em medicina, nem sempre 2 + 2 é igual a 4. Portanto, é necessário que o perito esteja familiarizado com a síndrome, com a medicação que é usada, com seus sintomas para que faça uma perícia de qualidade, e que cerque das formas possíveis os fraudadores. Porém, não é por conta de falsos fibromiálgicos que todos devem "pagar" por isso. E ao colega que cita que a dispensa do trabalho não é recomendada, vide também o nível desta recomendação... é nível D. Sabe o que significa, portanto, não vamos generalizar. Existem sim pacientes fibromiálgicos que não respondem ao tratamento convencional. Acontece isso em todas as patologias. E agora com a Portaria 1083/12 os pacientes do SUS estão longe de receberem a melhor medicação e atendimento. O que dificultará e muito sua melhora, e seu retorno às atividades laborativas e sociais. A Dra. que diz nunca ter deixado o trabalho por causa das dores... A Felicitamos com todo louvor! Porém, certamente ela não fez seu tratamento pelo SUS, não teve que ficar a mercê dos medicamentos que eles disponibilizam, não teve que esperar por mais de 6 meses para uma consulta com um especialista. Sabemos que o país está com a Saúde Pública na UTI, e os pacientes que realmente sofrem com esta síndrome além de sofrerem com a discriminação, sofrem com a falta de tratamento também. É lindo o que está no papel, mas como profissionais da saúde, bem sabem em que pé está a Saúde Pública no Brasil. Pensem melhor antes de argumentarem, por favor!

Sandra S S disse...

Deixo uma nova pergunta:
Sabemos que existem protocolos para perícias nas diversas áreas da medicina. Existe ou foi implantado algum que seja para pacientes com dores crônicas, como é a fibromialgia?
Os peritos conhecem os efeitos colaterais dos medicamentos normalmente utilizados para tratamento dessa síndrome?
Se a bula orienta o cuidado ao operar máquinas ou dirigir automóvel, como pode um trabalhador ser produtivo?
Vivemos num país capitalista, empregado problema/doente é prejuízo!
Conheçam mais sobre a síndrome, e verão que ela não avisa quando dará uma nova crise. Crise essa que impossibilita um ritmo normal de vida, de qualidade de vida. A Dra. que diz nunca ter abandonado o trabalho, como médica é fácil que outros profissionais colegas, compreendessem sua situação e não a julgassem por isso. O que não acontece com a maioria dos Brasileiros trabalhadores e honestos.
Aos que fazem comentários ridicularizando a posição da Deputada por favor... não queiram sentir na carne o que é ser um fibromiálgico. Vocês estão avaliando todos pelo menor nível, ou seja, partindo do princípio que todos são fraudulentos. Vocês sabem que não! Por favor, não façamos desse assunto um cabo de guerra entre o perito que não quer ser enganado, com o paciente que realmente sofre dessa síndrome. Saibamos separar o joio do trigo. Do contrário não seremos justos com ninguém.

Rita Helenice da Silva disse...

Os peritos tem que ser reciclados, devem estar preparados diante das doenças que impossibilitam os doentes de trabalhar sim, o q está ocorrendo hoje é justamente o descaso, a falta de respeito com o fibromialgicos pq ninguém quer ficar encostado ou se aposentar para não trabalhar, nós sofremos por não sermos a mesma pessoa de antes . Nós perdemos nossa qualidade de vida consideravelmente, é só entrevistarem nossos familiares , que eles dirão o qto sofremos pq estão conosco no dia a dia.

NIC12 disse...

Só quem sente sabe o que essa doença,muitas vezes somos chamados de vagabundos por varias pessoas que não sabem o que essa doença faz.Essa doença afasta as pessoas de nossa volta,muito casamentos acabam e filhos ficam sem a presença de pai e mãe na queles momentos marcante da sua infacia,essa pessoa que colocam o rotulo de vagabundos,não sabem o que é sentir vontade de fazer algo e o corpo não deixar fazer,essas pessoas não sabem como é passar a noite toda acordada por sentir dor,essas pessoas não sabem o que é tomar varios remedios por dia para não almentar a dor,porque a dor sempre está no nosso corpo,apesar de tudo isso é gastar tudo o que tem com um tratamento caro porque o tratamento é muito caro.E ainda ler alguns tipos de comentarios de pessoas nessa pagina que envez de ajudar só sabem falar coisas ruins e de mau carater

NIC12 disse...

Só quem sente sabe o que essa doença,muitas vezes somos chamados de vagabundos por varias pessoas que não sabem o que essa doença faz.Essa doença afasta as pessoas de nossa volta,muito casamentos acabam e filhos ficam sem a presença de pai e mãe na queles momentos marcante da sua infacia,essa pessoa que colocam o rotulo de vagabundos,não sabem o que é sentir vontade de fazer algo e o corpo não deixar fazer,essas pessoas não sabem como é passar a noite toda acordada por sentir dor,essas pessoas não sabem o que é tomar varios remedios por dia para não almentar a dor,porque a dor sempre está no nosso corpo,apesar de tudo isso é gastar tudo o que tem com um tratamento caro porque o tratamento é muito caro.E ainda ler alguns tipos de comentarios de pessoas nessa pagina que envez de ajudar só sabem falar coisas ruins e de mau carater

Heltron Xavier disse...

1) A Sociedade Brasileira de Reumatologia em seu último consenso de 2010 ratifica que a fibromialgia NÃO é incapacitante; A resolução 128 de 2010 do INSS normaliza que a síndrome fibromialgia M79.0 isolada não é incapacitante

2) Efeitos colaterais e reações adversas raramente são incapacitantes, As mesmas medicações para tratamento da Fibromialgia são usadas para outras patologias neurológicas, psiquiátricas e musculares e varias condições também não incapacitantes. Raras medicações possuem consenso sobre incapacidade como o Interferon e os quimioterapicos.

3) Dirigir veículos e manipular objetos perigosos representam a minoria das profissões mesmo assim a maioria do fibromialgicos está habitada para dirigir inclusive sem restrições em alguns casos.

Não queiram tornar uma questão cientifica, uma política de beneficio próprio


Heltron Xavier disse...

Infelicidade não é incapacidade para o trabalho.
Deveriam lutar por condições de dignidade e trabalho. Não por aposentadoria.

As pessoas aqui são médicas, estudam e conhecem bem a doença que falam.
Sem coitadismos e autoritarismos.

Opinião técnica nada tem a ver com caráter.
Cada um tem a sua dor. Viver nunca foi fácil .
Pagar remédios caros não justifica afastamento do trabalho. Lutem para conseguirem os remédios e tornar crime o desabastecimento.

Ninguém quer trabalhar neste país?

Sandra S S disse...

Sr. Heltron Xavier,
Já que estamos o Sr. diz que não podemos levar o tema para bases pessoais esquecendo das bases científicas, pergunto:
Como saber se o paciente tem ou não as reações adversas incapacitantes? Só de olhar? Qual a fundamentação científica para tal afirmação.
O que temos hoje sobre a Fibromialgia é pouquíssimo, perto do muito que ainda é preciso avançar nas pesquisas. Porém, é mais fácil enveredar no sentido de que o paciente mente, do que avaliar caso a caso.
E como está no Consenso da SBR, pelo Senhor citado:
“..Embora seja uma doença reconhecida há muito tempo, a fibromialgia tem sido seriamente pesquisada somente há três décadas. Pouco ainda é conhecido sobre sua etiologia e patogênese. Até o momento, não existem tratamentos que sejam considerados muito eficazes....”
2) Efeitos colaterais e reações adversas raramente são incapacitantes,
• A Fibromialgia encontra-se incluída na Décima Revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10), da Organização Mundial da Saúde, atualmente com código individualizado (M79.7).
• No mesmo nível de recomendação do não afastamento, consta no Consenso de 2010:
A completa compreensão da fibromialgia requer uma avaliação abrangente da dor, da função e do contexto psicossocial (grau de recomendação D, nível de evidência IV).8 Além da dor, é importante avaliar a gravidade dos outros sintomas como fadiga, distúrbios do sono, do humor, da cognição e o impacto destes sobre a qualidade de vida do paciente (grau de recomendação D).
A dor crônica é um estado de saúde persistente que modifica a vida. O objetivo do seu tratamento é o controle e não sua eliminação (grau de recomendação D).
Não estamos a pedir que a aposentadoria seja concedida a todos os pacientes acometidos por esta Síndrome, mas sim que as avaliações/perícias sejam feitas por quem dela entenda e compreenda suas implicações físicas/emocionais/socioculturais.
Segundo a OMS só podemos considerar um indivíduo saudável quando:
“um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades".
Assim acreditamos que o perito deva ter em mente o perfil profissiográfico do trabalhador, conhecendo todas as atividades a que estará exposto no exercício do cargo. Dessa forma, poderá avaliar sua capacidade ou não para realizar estas funções, levando em conta o estado de saúde apresentado no exame pericial.
Se os peritos reclamam da falta de tempo hábil para esta avaliação, há de convir que a única parte a ser prejudicada é o trabalhador honesto, que lá está certo que lhe serão garantidos os direitos previstos em lei; quando é claro que não foi, não é e não está sendo.
Que tal os peritos juntarem-se aos pacientes e pleitearem ou exigirem condições melhores para perito e o periciado?
Que tal ambos exigirem que haja treinamento e conscientização do trabalhador quanto a função do perito e do médico assistente?
Que tal não banalizar pacientes com doenças pouco conhecidas, já que o fundamento é científico não há razão para que isso aconteça; visto que, as pesquisas ainda não são conclusivas. Isso é científico!

Sandra S S disse...

"As pessoas aqui são médicas, estudam e conhecem bem a doença que falam.
Sem coitadismos e autoritarismos."
Vocês estudam dentro de suas especialidades. Não seria possível que todos entendessem de tudo. Isso é científico e um FATO!
O fibromiálgico não é coitado de maneira alguma! É pelo uso desse tipo de vocabulário que o paciente não espera ouvir de um médico que é perito. Afinal, médico perito também é gente, e acreditamos que ele saiba entender e compreender o que se passa com seu semelhante. Só passa a tratar mal quando acreditar estar sendo fraudado, enganado...
Saibam que entre os total de trabalhadores que recorrem ao INSS, não é a maioria fraudadora. Caso contrário esse órgão não seria o grande campeão em Ações Judiciais, e perdê-las também.
Acreditamos que o grande problema é que não existe um jogo franco e transparente por parte do INSS. Basta um trabalhador usar de seu direito como cidadão e paciente e pedir para ver seu prontuário, para saber quais foram as alegações feitas para a recusa do benefício. O prontuário some! Saibam que fraudadores existem em todos os níveis sociais e profissionais. Existem também aqueles que querem trabalhar seriamente e os que só querem fazer hora e "ganhar o seu" no final do mês. Essa enfermidade não escolhe a quem atacar...
Mas quanto ao caráter, Sr. Heltron Xavier está coberto de razão! Não é todo mundo que o tem. Infelizmente!
Mas lembrem-se: Fibromiálgico não é coitado, não precisa de pena. Precisa de respeito, tratamento e dignidade. E vocês podem fazer sua parte. Nós agradecemos!

Renata Serratine disse...

Sou honesta o suficiente para assumir minha doença que se chama Fibromialgia ou os peritos ditos "conhecedores" acham que estou me intuindo de remédios, correndo o risco de ter uma esteatose hepática, quem sabe uma hepatite! O que falta é atualização sobre a doença, quem sabe um caso em família pode sensibiliza-los.

Márcinha Gonçalves disse...

Temos dores sim,e somos discriminados por ter uma doemça crônica invisível,mas sentimos dor sim,24 hs por dia,dor não somente no físico,mas na alma, mas só quem sente na pele para saber como é difícil viver com dor sem dar uma pausa, e só tende a aumentar a piorar o quadro com esforço fisico.Triste muito triste que ainda existe muitas pessoas incompreensivas,que só discriminam por ter dor,ao invés de ajudar, onde este mundo vai parar.

Márcinha Gonçalves disse...

Triste REALMENTE muito triste saber que existe pessoas que ao invés de ajudar ou ao menos respeitar a dor alheia,só sabe discriminar, eu penso que mundo que estamos, que querem até mandar e dizer por vc que não tem dor,sabendo que um fibromialgico tem dor 24 hs por dia, sem pausa,e qualquer esforço físico já é uma piora no quadro da dor,temos dores e fadiga crônicas,sono não reparador e não é facil.E fácil é dizer,difícil é sentir .

FIBRO RIO disse...

Os fibromiálgicos precisam de respeito por parte das autoridades competentes do governo. Precisamos de tratamento digno, como qualquer cidadão merece, porém tratamento específico para nossa patologia. Não precisamos de favor, não precisamos de "facilitação de laudo", apenas de peritos mais competentes para julgar caso a caso, porque alguns portadores de fibromialgia conseguem trabalhar, já outros não. O INSS não tem sequer psicólogo para avaliar o paciente que precisa apenas de licença temporária e o paciente que está totalmente incapacitado ao trabalho permanentemente ?
Mais uma vez digo, não precisamos de "facilitações", precisamos de avaliações precisas para definir o paciente que precisa de aposentadoria e o paciente que precisa de apenas de uma licença temporária.
Não é disponibilizado aos portadores de fibromialgia o mínimo que é o tratamento multidisciplinar, medicações gratuitas disponibilizadas na rede pública. Quando o governo vai enxergar estes quatro milhões de brasileiros que sofrem, somente na hora do voto ?

crisântemo disse...

SOU FIBROMIÁLGICA DESDE A INFÂNCIA E SÓ FUI DIAGNOSTICADA HÁ DOIS ANOS. HOJE, AOS 44 ANOS, ESTOU APRENDENDO A LIDAR COM OS SINTOMAS. PASSEI POR VÁRIOS MÉDICOS, COMEÇANDO PELOS ORTOPEDISTAS ATÉ ME CANSAR E PROCURAR O REUMATO. ENTENDO QUE A FIBROMIALGIA SEJA UMA DOENÇA DE DIFÍCIL DIAGNÓSTICO. CONTUDO, ISSO NÃO DEVE SER LEVADO A DESCASO, POSTO QUE A SITUAÇÃO DE E INDIFERENÇA NOS TRAZ CONSEQUÊNCIAS DE PIORA NO QUADRO DAS DORES E OUTROS SINTOMAS EMOCIONAIS QUE NOS AFETAM.PEÇO APENAS QUE PAREM DE NOS TRATAR COMO SE TODOS FÔSSEMOS PESSOAS USANDO DE MÁ FÉ. SAIBAM QUE NESTE MOMENTO EM QUE DIGITO ESTE TEXTO ESTOU COM FORTES DORES NA CERVICAL QUE SE ESTENDEM ATÉ OS BRAÇOS E PRECISO PARAR...SOU PROFESSORA DE LÍNGUA PORTUGUESA

Heltron Xavier disse...

1)Há uma enorme distância entre ser discriminado e "se sentir discriminado". Respeito não é ser aposentado. A luta pelo tratamento é digna e justa. Mas o foco parece ser a aposentadoria usando como justificativa "compra dos remédios".

2)Esteatose hepática não é incapacitante. Muito prazer tenho esteatose hepática severa com esteato hepatite em tratamento.

3)A incapacidade não é uma questão "auto-conhecimento" e "auto-determinação' e "auto-benefício". É uma questão de parecer médico-legal. Lutem para não precisarem de médico, ao invés de tentá-los convencer a rasgar as suas opiniões. Tudo fica mais claro.

4) Aprender a lidar com as limitações e cuidados especiais deveria preceder a necessidade de se aposentar. Não raramente todos, não fibromiálgicos trabalhamos com dores lancinantes, principalmente médicos. Enquanto conhecem o sofrimento de vocês, os médicos conhecem de dezenas de pessoas e outras patologias.

Heltron Xavier disse...

Muito bem apresentada a definição da OMS que, por sinal, nada tem a ver com o caso. Porque o objetivo da análise nunca foi a doença.

Exatamente por isso as pessoas trabalham doentes, como eu que tomo atualmente 6 medicações por dia e outras dezenas. Outras sequer conseguem andar ou ouvir, ou são cegas.

Todos sabemos médicos que a prática de atividade regular física é benefícia para a fibromialgia e também para depressão comumente associada.

De fato não há nenhuma fraude na maioria dos fibromiálgicos. Isso não está em discussão.

Vocês são doentes, sofrem muito e alegam que merecem um benefício por incapacidade isso. Os médicos discordam. Não há nada mais na discussão.

Heltron Xavier disse...

Acha mesmo que um perito médico do INSS que atende dezenas de pessoas com semana não tem contato ou desconhece a Fibromialgia?

Para terem um idéia aqui na minha cidade o Presidente da Sociedade de Reumatologia do meu estado é Perito Médico do INSS. Com vários estudos científicos na área. Em todos os seus pronunciamentos cita que a fibromialgia não é suficiente para recebimento de um benefício por incapacidade na grande maioria dos casos.

Muita calma.
Não é uma questão de desconhecimento senhoras.
É uma questão de opnião técnica.

Agora se querem se aposentar independente disso, lutem para não precisarem de médicos na avaliação do INSS.

Rita Helenice da Silva disse...

Eu sou professora aposentada e a fibromialgia surgiu há 10 anos, depois q já tinha me aposentado. Eu posso afirmar que de 10 anos prá cá a fibromialgia só tem avançado tirando de mim a alegria de viver. Eu comecei tomando Amitriptilina de 30mg e a Sertralina de 40 mg e Rivotril de 1 mg. Hoje, 10 anos depois eu tomo Amitriptilina de 85 mg , a Sertralina 100mg e 2 mg de Rivotril e mesmo assim não consigo fazer quase nada , piorou consideravelmente depois da menopausa , a fadiga é insuportável, as dores nem posso mencionar e o sono cada dia pior. Isto pq tenho plano de saúde, um bom reumatologista q me acompanha, faço Pilates, faço natação , yoga, e tenho condições financeiras de comprar meus medicamentos e pagar a o tratamento multidisciinar como psicóloga e as atividades físicas. Eu pergunto : se estivesse na ativa onde eu arrumaria tempo prá fazer todas estas atividades? Pq como vcs sabem o tratamento não é só medicação é preciso atividades físicas e acompanhamento psicológico . Eu realmente se estivesse na ativa não teria condições de me tratar e consequentemente não teria condições de trabalhar. E outro agravante, eu tenho condições de me tratar enquanto a maioria não tem acesso ao tratamento por falta de condições financeiras e quem está na ativa não disponibiliza de tempo prá praticar as atividades que são imprescindíveis no tratamento da fibromialgia. Pense nisto!!!!

Miss disse...

Pois é, sr Heltron, já fui atendida por peritos das áreas de ginecologia, pediatria, gastro e urologistas, afinal eu os conhecia de fora do INSS. Eles tem MUITO conhecimento em doença reumática, mas como desconheço sua especialidade, por estar indisponível no site do CRMRN, vamos falar apenas sobre o que foi dito.

1 - O que vejo nesse blog, é que foi idealizado para "chacotar" os pacientes, não para analisar casos, ou debater. Pergunto: A previdência sabe que vcs se expõem nesse blog humilhando e degradando os pacientes? Acredito que por mais "intocável" que seja o sistema Previdenciário, não aceitariam tal atitude pública.

2- O Sr, Dr Heltron Xavier, médico, perito, com especialidade interrogada, idealizador desse blog, mostra em seus posts, tal insegurança no que expõe, copiando textos de páginas da internet. Entendemos um completo despreparo. Não cabe a você avaliar milhões de fibromiálgicos do país, ainda temos peritos com bom senso, uma vez que a fibro NUNCA está sozinha, (graças a Deus?) e se tiver experiência, saberá disso. A fibro torna-se secundária, vamos dizer “graças” a outras doenças, originadas nela ou nas medicações mas que se agravam com outras doenças, mas posso contar um segredo? A fibro é devastadora, é pior que uma dor de uma metastase, e mais irritante que um mau estar de quimio. Mas vamos combinar que o sr não conte pra ninguém e continue com suas teorias.

3 – Existe exame SIM para detectar o processo doloroso, e é muito usado em processos onde se pede a aposentadoria, quando o corpo está acometido acima dos 50% e não existe um “cristo” que aguente qualquer tarefa. Mas acredito que saiba, porque é estudado, mas vou dizer pra economizar seu desgaste em pesquisas de internet, copiar e colar como tem feito. Chama-se Termografia! Custoso, não disponível na rede SUS, mas viável, não é? Com ele elimina-se as fraudes. (bingo!)

4- Na data de ontem descompensou inúmeros pacientes com suas palavras agressivas e suas cópias teóricas na internet. Hoje analisando mais “friamente” vejo o quanto é despreparado para lidar com a humanidade. Sua frieza é vizível, sua formação é questionável, tamanho desequilibrio emocional de sua parte xingando portadores de tal síndrome. O ódio em suas palavras e as chacotas nas palavras de seus colegas são de causar dó. Deveria rever seus conceitos, suas crenças e/ou profissão pois algo esté deixando-o fora da realidade.

Por pregar que seja um blog com “liberdade e democracia” não impeça o direito de defesa e poste, sem receios ou vergonha, as palavras dos portadores da Fibromialgia. Faça juz ao que jurou em sua formação, pratique a honestidade, a caridade e a ciência, pesquisando mais e mais doenças pouco faladas e pouco conhecidas, quem sabe, o sr em sua competência e capacidade enfim não encontre a cura para tantos males. Não chingue as pessoas pois nenhum direito do mundo lhe dá essa permissão. Não zombe, afinal é conhecedor e estudado, como diz, e tem o dever moral e a obrigação médica de se reciclar sempre e sempre, para melhor atender seus pacientes, seja em seu consultório, seja seus familiares, seja no INSS, ou em qualquer situação.
Um médico com a postura de desequilibrio atacando pacientes que gritam por socorro e clamam por exclarecimentos, não deve exercer a profissão.

Convido-o a exercer sua postura de médico em seu blog e debater soluções, e não praticar ataques ofensivos a pacientes que não são de sua alçada.

Miss disse...

Pois é, sr Heltron, já fui atendida por peritos das áreas de ginecologia, pediatria, gastro e urologistas, afinal eu os conhecia de fora do INSS. Eles tem MUITO conhecimento em doença reumática, mas como desconheço sua especialidade, por estar indisponível no site do CRMRN, vamos falar apenas sobre o que foi dito.

1 - O que vejo nesse blog, é que foi idealizado para "chacotar" os pacientes, não para analisar casos, ou debater. Pergunto: A previdência sabe que vcs se expõem nesse blog humilhando e degradando os pacientes? Acredito que por mais "intocável" que seja o sistema Previdenciário, não aceitariam tal atitude pública.

2- O Sr, Dr Heltron Xavier, médico, perito, com especialidade interrogada, idealizador desse blog, mostra em seus posts, tal insegurança no que expõe, copiando textos de páginas da internet. Entendemos um completo despreparo. Não cabe a você avaliar milhões de fibromiálgicos do país, ainda temos peritos com bom senso, uma vez que a fibro NUNCA está sozinha, (graças a Deus?) e se tiver experiência, saberá disso. A fibro torna-se secundária, vamos dizer “graças” a outras doenças, originadas nela ou nas medicações mas que se agravam com outras doenças, mas posso contar um segredo? A fibro é devastadora, é pior que uma dor de uma metastase, e mais irritante que um mau estar de quimio. Mas vamos combinar que o sr não conte pra ninguém e continue com suas teorias.

3 – Existe exame SIM para detectar o processo doloroso, e é muito usado em processos onde se pede a aposentadoria, quando o corpo está acometido acima dos 50% e não existe um “cristo” que aguente qualquer tarefa. Mas acredito que saiba, porque é estudado, mas vou dizer pra economizar seu desgaste em pesquisas de internet, copiar e colar como tem feito. Chama-se Termografia! Custoso, não disponível na rede SUS, mas viável, não é? Com ele elimina-se as fraudes. (bingo!)

4- Na data de ontem descompensou inúmeros pacientes com suas palavras agressivas e suas cópias teóricas na internet. Hoje analisando mais “friamente” vejo o quanto é despreparado para lidar com a humanidade. Sua frieza é vizível, sua formação é questionável, tamanho desequilibrio emocional de sua parte xingando portadores de tal síndrome. O ódio em suas palavras e as chacotas nas palavras de seus colegas são de causar dó. Deveria rever seus conceitos, suas crenças e/ou profissão pois algo esté deixando-o fora da realidade.

Por pregar que seja um blog com “liberdade e democracia” não impeça o direito de defesa e poste, sem receios ou vergonha, as palavras dos portadores da Fibromialgia. Faça juz ao que jurou em sua formação, pratique a honestidade, a caridade e a ciência, pesquisando mais e mais doenças pouco faladas e pouco conhecidas, quem sabe, o sr em sua competência e capacidade enfim não encontre a cura para tantos males. Não chingue as pessoas pois nenhum direito do mundo lhe dá essa permissão. Não zombe, afinal é conhecedor e estudado, como diz, e tem o dever moral e a obrigação médica de se reciclar sempre e sempre, para melhor atender seus pacientes, seja em seu consultório, seja seus familiares, seja no INSS, ou em qualquer situação.
Um médico com a postura de desequilibrio atacando pacientes que gritam por socorro e clamam por exclarecimentos, não deve exercer a profissão.

Convido-o a exercer sua postura de médico em seu blog e debater soluções, e não praticar ataques ofensivos a pacientes que não são de sua alçada.

Heltron Xavier disse...

Obrigado pelos comentários e pelo seu julgamento está muito clara a sua intenção. E a propósito, vocês vieram até o blog que tem 5.000 postagens e anos de existência.

A qual passagem exatamente da minha autoria se sentiu ofendida? Para que eu possa me desculpar já que reli e não localizei.

A Sra. Está nervosa eu entendo.
Veja que eu mesmo autorizei todos os comentários aqui, inclusive este que a senhora me fez.

Convido-a assumir uma postura madura e assertiva.

Heltron Xavier disse...

A propósito eu nunca Xinguei nenhum doente.
Vou ter que processar você para que diga quando e onde.... Em juízo. Não tem o direito de usar com ninguém as palavras que usou. Falar sobre o que não falei e não fiz. Que pena!

Heltron Xavier disse...

A Previdência lê diariamente o Blog à propósito ...

Heltron Xavier disse...

Para a Senhora acompanhar,

Acabei de lavrar o Boletim de Ocorrência 1437-5/2013 com Queixa-Crime na 19aDP do meu estado contra a Senhora artigos 148 e 150 do codigo Penal para que mostre onde leu Xingamentos contra segurados. Não se preocupe terá toda chance de defesa e retiro tão logo se desculpe.

Tenha um bom dia,
Obrigado pela visita.

Alexander Kutassy disse...

Heltron, os comentários da Miss tem o dom de revelar com que "espírito" de empatia os interessados vão à Perícia do INSS para "enfrentar" o perito. Li todos os comentários com muita atenção, e senti as variações de ponta a ponta que o espectro das argumentações sobre a doença são evocados por pacientes vítimas de fibromialgia. É assunto que justifica a afirmação de que "há controvérsias". Quando recebia pacientes solicitando benefício pela doença, efetuava a perícia mais elaborada possível (um segurado de perna engessada compensa pelo tempo bem menor que exige). Este mal se aproxima de uma definição do tipo "músculos psicoestressados", na prática equivalendo à necessidade de atenções que os pacientes psiquiátricos também merecem. O fenômeno dor não necessariamente é lá onde é sentida, mas expressão de comportamento ou "treinamento" cerebral (as imagens coloridas de ressonâncias magnéticas cerebrais estão aí comprovam os fatos; e tanto é que as ações analgésicas centrais em boa parte resolvem as paradas). É infantilidade supor ignorância nos peritos a respeito da questão. A dificuldade permanece na incompreensão sobre o que exatamente somos obrigados a nos manifestar, e que diz respeito a interpretações obrigatórias em vias bem diversas da ótica dos pacientes/segurados, os quais - enxergando apenas os desejos próprios - serão sempre incapazes de entender das nossas obrigações.

Heltron Xavier disse...

*Autorizo pessoalmente cada comentário deste blog, embora ele não seja de minha propriedade.
*Considerando as agressões verbais a mim dirigidas e os peritos em geral e agora o caso ser objeto de inquérito policial e posterior reparação de danos morais não serão mais autorizados comentários para não destruírem as provas mutuas.

Tenham um bom dia

Alexander Kutassy disse...

A propósito da citada termografia para fins de diagnóstico de fibromialgia, esqueçam. Nada tem a ver. Trabalhei por cinco anos responsável pelo PCMSO da ECT no Paraná. Imaginem com que volume de queixas de dores e todas as suas causas e variantes o setor sempre esteve envolvido. Foi um bom volume de exames termográficos, úteis em numerosas circunstâncias, principalmente nos casos de DORT...mas não nos casos de suspeitas de fibromialgia. Gostaria de saber da reclamante as exatas fontes científicas que estabelecem a termografia como elemento diagnóstico de fibromialgia.

Rita Helenice da Silva disse...

Clinica Reumatologica Goldenberg
A beira da loucura: Prazer Fibromialgia - essa ilustre desconhecida

Insuportável para quem tem. Incompreensível para quem acompanha de fora. A fibromialgia é uma doença real, debilitante, que provoca dores persistentes e generalizadas pelo corpo, além de um cansaço desproporcional ao esforço feito, não conseguir dormir bem, enxaquecas, sensação de formigamento nos braços e/ou nas pernas, irritabilidade inexplicável. Ela prejudica (e muito) a qualidade de vida dos pacientes!

“Normalmente, as pessoas se consultam com vários médicos, fazem diversos exames, que não esclarecem as suas queixas. Isso afeta sua auto-estima e o paciente passa a se questionar, achando que está louco”, destaca a reumatologista Evelin Goldenberg.

Alguns dos fatores que podem desencadear ou agravar são mudanças climáticas (particularmente o frio), sedentarismo, traumas físicos (acidente automobilístico), ansiedade e, principalmente, traumas psíquicos – divórcios, brigas em família etc. Causada por um distúrbio de percepção e amplificação da dor proveniente da diminuição do índice de serotonina no organismo, a fibromialgia só pode ser detectada com minuciosa avaliação do histórico clínico e exame físico do paciente.

A fibromialgia interfere diretamente na rotina, na qualidade de vida dos pacientes refletindo na saúde pública do país.

Durante a consulta 100% dos portadores relatam que sentem dor, aproximadamente 90% apresentam quadro de fadiga incapacitante, cefaléia representa entre 44% e 56% e distúrbios do sono (sensação que não dormiu e apresenta o corpo todo dolorido “moído” pela manhã) manifestam-se entre 56% a 86% dos casos. Queixas como perda de memória e consciência, tontura, depressão, irritabilidade também são freqüentes.

Segundo a autora do livro “O Coração Sente, O Corpo Dói” Dra. Evelin Goldenberg, mestre e doutora em reumatologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – Escola Paulista de Medicina, para diagnosticar a fibromialgia, sem dúvida, o paciente deve ser submetido a um exame clínico detalhado, que inclui inventário físico, psicológico e social, desde a infância.

“Normalmente, as pessoas se consultam com vários médicos, fazem diversos exames que não esclarecem as suas queixas. Também tomam inúmeros remédios e por fim acabam desacreditadas pela família porque, mesmo com toda essa busca pela melhora, as dores não diminuem e a fadiga aumenta, afirma a médica. Ela acrescenta que na maioria dos casos a fibromialgia não tem cura, mas pode ser controlada e, com o acompanhamento médico, permite a retomada da qualidade de vida do paciente, independente da idade.

Não são apenas os remédios que ajudam quem tem fibromialgia. O tratamento consiste num pacote de medidas. Exercícios físicos e técnicas de autocontrole, por exemplo, são fundamentais para a recuperação, desde que bem orientados. Acupuntura também é uma excelente coadjuvante.

O mais importante é que a família e a sociedade apoiem o paciente. Toda queixa tem um motivo e devemos descobrir para proporcionar uma melhor qualidade de vida para todos, afirma Dra. Evelin Goldenberg.

Francisco Cardoso disse...

Bom, vamos lá:

1) O blog perito.med é um espaço democrático dedicado à discussão de causas de interesse médico pericial,em especial do INSS, mas que abrange todas as áreas interpostas da medicina, sociologia, psicologia, dentre outras.

2) Somos tão democráticos que estamos publicando as mais de 30 manifestações contrárias ao teor desse texto, mesmo com a maioria das pessoas se escondendo em pseudônimos, e ai é engraçado exigir democracia se escondendo com um pano no rosto.

3) A fibromialgia é uma doença que ainda é um mistério e uma polêmica na medicina, muitos inclusive defendem não existir a entidade "reumatológica" e sim ser uma manifestação psiquiátrica, que seria classificada como transtorno doloroso somatoforme, tem até CID.

4) De qualquer maneira os especialistas do assunto, os reumatos e psiquiatras, entraram em consenso diversas vezes que o mero diagnóstico de M79.0 não é, por si só, causa de incapacidade laborativa. O consenso do INSS segue essa linha, é científico e é testado. Se não gostam, reclamem com os especialistas, esses mesmos que vocês alegam "precisar" numa perícia.

5) A minha experiência mostra que quando avaliado por especialista da própria doença, a avaliação pericial tende a ser muito mais rigorosa do que a de um perito não-especialista, justamente pelo fato do especialista dominar a matéria e se sentir mais seguro em prazos e indeferimentos. Logo, pedir reumato para fazer a sua perícia de fibromialgia é no mínimo uma burrice.

6) É muita pretensão achar que o médico só estuda a "especialidade", mais uma vez leigos criticando sem ter a menor idéia do que falam.

7) Casos graves com sequelas de efeitos colaterais são sim analisados de forma diferenciada , aliás cada perícia é individual, depende da profissão, idade, doença, estágio da doença, etc.

8) Essa idéia de "tenho isso, logo sou incapaz" não é a verdade e não é o que a lei diz. Se fosse assim não precisava de perícia.

9) Discordar não é humilhar. Esse papinho de humilhação é choro de criança "bebê" que não aceita ser contrariada nem um segundo, típica criação do Estado Babá em que vivemos, que mima o cidadão e que o torna despreparado para uma negativa.

10) Dr. Heltron é especialista em dor, pois é anestesiologista. Ele é o que mais entende do assunto, infelizmente quem questionou a especialidade dele errou o alvo feio.

11)A postura da deputada é típica do Estado Babá que quer sair dando benefícios sem exigir nada de contrapartida dos cidadãos, que se viciam nesses mimos.

12) O INSS só afasta por incapacidade por DOENÇA. Estar triste, insatisfeita, desesperançosa, inconformada, resignada, etc, pode ser tudo isso motivo para incapacidade, mas não é doença. Logo, não é coberto pelo INSS. Insatisfação não é doença. Lutem então para a criação do benefício por incapacidade humoral ou social, ai vcs ganharão tudo o que querem.

Francisco Cardoso disse...

Termografia?? Por favor...

Heltron Xavier disse...

Embora as participantes tenham encaminhado mais comentários, muitos deles no bons. Como falei não autorizarei mais. É inadmissível a forma autoritária e ofensiva pessoal e para tanto o material, de fato, está na Polícia. Somos agredidos diariamente no INSS, aqui não.

Por razão Sra. Lilium Martins e Sra. Cláudia Maria, seus comentários embora equilibrados não serão autorizados. Por isso Peritos não participam de discussões com segurados, o objetivo é apenas nos agredir.

É triste, mas a partir de agora discuto apenas na Vara Criminal o assunto com a senhora que diz que o blog foi feito para chacoatar e xingar segurados. *nunca falei tão sério.

Heltron Xavier disse...

http://www.fm.usp.br/gdc/docs/iof_160_fibromialgia.pdf

Cláudia Maria disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Lilium Martins disse...

Não consegui abrir o link para o PDF, Dr. O link está quebrado.

Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos disse...

Apesar de sabermos que você encerrou a publicação de comentários à esta postagem, cremos ser útil que conheçam a posição da ABML sobre a Termografia. Vale a pena atualizar-se, segundo sua própria categoria. http://www.abml-medicinalegal.org.br/departamentos/termo_index.php

Filha de Deus disse...

Bom,sou fibromiálgica, no início deste blog me assustei um pouco, e nem ia continuar a lê-lo. Acho que as pessoas já estão na defensiva, e até eu mesma, fiquei um pouco chateada, mas resolvi concluir a leitura dos comentários.
Não vi nenhuma agressão direta ou indireta do Sr. Heltron. Não me senti ofendida, pelo menos.
No entanto, há diversos pontos de vista, que devem ser respeitados. A gente geralmente já vai para a perícia assustada com testemunhos negativos, claro. Acho que aí tá a justificativa de tantas repulsas ao perito.
Não sei se no meu caso é porque sempre busco ver o lado positivo das pessoas, graças a Deus, fico nervosa, mas não a ponto de morrer por causa disso.
Os comentários, que "A fibromialgia é uma doença que ainda é um mistério e uma polêmica na medicina, muitos inclusive defendem não existir a entidade "reumatológica" e sim ser uma manifestação psiquiátrica, que seria classificada como transtorno doloroso somatoforme, tem até CID.", creio que realmente ainda é desconhecida doutor, porque meu médico assistente nem sabia que o cid era o 79.7. Ou então posso imaginar, que com tantas outras preocupações, não se atualizou quanto a isto. Aliás, não só ele, tenho dois médicos assistentes que colocaram o mesmo cid 79.0(pq não confiei muito na estória da fibromialgia, e resolvi investigar com outro médico)
"De qualquer maneira os especialistas do assunto, os reumatos e psiquiatras, entraram em consenso diversas vezes que o mero diagnóstico de M79.0 não é, por si só, causa de incapacidade laborativa. " Realmente, neste ponto, tenho que confirmar, pois os meus médicos também disseram na dificuldade em provar esta incapacidade junto ao INSS. Não entraram muito em detalhes, porque geralmente o tempo do médico é identificar a doença e prescrever medicações, nunca explicam muito.
Meu conhecimento de fibromialgia, ainda é o que todos internautas conseguem descobrir.
Tenho dores todos os dias, e tem dias com maiores intensidades.
O tratamento para esta doença não é realmente um só. Tem que ser um conjunto: psicoterapêutico, medicamentoso, fisioterapêutico.
Também acho que a discussão foi muito além do que o objetivo de análise à proposta da deputada.
Infelizmente, por poucos, os demais pagam. Não sei se é correto ainda.
Eu realmente, não queria me aposentar. Gostaria de ter uma flexibilidade maior para a atividade, esclarecimento dos empregadores sobre esta doença, a fim de conquistas de melhores condições na qualidade de vida. Mas isto é difícil, pois cada um vive a doença de formas diferentes, como alguém aqui falou tem a questão da fadiga crônica. Acho que para esta situação só sendo dono do seu negócio, para ter estas condições de bem-estar.
Pois ninguém quer empregado doente.

Filha de Deus disse...

Quando o primeiro médico identificou pelos pontos e pelos Rx's que tinha em mãos, que eu tinha a fibromialgia, ele me fez chorar, porque foi sincero. Disse que para eu ter o benefício do INSS teria que ter uma doença incapacitante, e esta não era considerada pelo INSS, e também disse que ninguém quer empregado doente, e se fosse dono da empresa, no meu retorno, me demitiria.
Sei que ele falou querendo me deixar clara a situação, não fiquei com raiva dele, fiquei triste por mim.
Ele pediu exames de ultrassom, e confirmou que além da fibromialgia, eu tenho tendinite, bursite(ombro direito e quadril esquerdo), isto sim, era justificativa para a incapacidade laboral.
Aí, outra surpresa, quanto tempo eu iria ficar em tratamento para estas doenças? (não tem previsão)
O INSS se espanta porque em 4 meses, não fiquei melhor. Eu também não gosto nada disto. Mas o que fazer. Ninguém pense q é por causa do computador, pois esta é a primeira vez que digito um texto longo, geralmente, imprimo os documentos e leio. É este meu contato com a net. Ou então uso o telefone pra falar com as pessoas.
É triste, e acho Sr. Heltron que o senhor tem razão quando diz que os fibromiálgicos deveriam se unir pra conquistar melhores condições junto a nosso governo, porque fomos nós que o colocamos lá, não é?
Mas como fazer isto, se todos estão em suas locas, sem coragem nem pra viver?
É triste nossa situação. Mas também acredito que não tem coitados. Pois coitados são dignos de pena, e pena é o pior sentimento que podemos ter por alguém.
Acho que podemos dizer, somos dignos de respeito como qualquer outro ser humano, inclusive os peritos.
Um dia, um perito me disse: "sra. todo mundo na sua idade(39) tem estas dores, inclusive eu..." Garanto a vocês, me doeu no coração.
Realmente, até os peritos podem ter a fibromialgia, podem ter estes tipos de dores. Que Deus proteja vocês e a todos nós!
Não tenho estômago para estudar medicina, mas gostaria de entender melhor o que vocês sentem quando nos dizem não mesmo sabendo que necessitávamos de um sim.
Inclusive, tenho também esta esteatose hepática, será que fiquei com isto por causa das medicações? nem sabia, mas ao ler os comentários, teve um neste sentido. Agora o médico passou um baratinho, de manipulação, tem protetor para o estômago.
Mas eu estou no início desta descoberta, foi bom identificá-la, pois assim posso encará-la e descobrir melhor forma de viver com ela, já que não descobriram a origem e nem a cura.
gostaria muito que este comentário fosse publicado, apesar de ter esta questão aí na justiça, pois vi que mesmo após o alerta ainda existem comentários.
Não ofendo ninguém e não me senti ofendida, repito, gostaria de dar a minha opinião, que está sendo muito sincera e de coração.

Filha de Deus disse...

Parte I do comentário(só para confirmar se foi postado antes do anterior)Bom,sou fibromiálgica, no início deste blog me assustei um pouco, e nem ia continuar a lê-lo. Acho que as pessoas já estão na defensiva, e até eu mesma, fiquei um pouco chateada, mas resolvi concluir a leitura dos comentários.
Não vi nenhuma agressão direta ou indireta do Sr. Heltron. Não me senti ofendida, pelo menos.
No entanto, há diversos pontos de vista, que devem ser respeitados. A gente geralmente já vai para a perícia assustada com testemunhos negativos, claro. Acho que aí tá a justificativa de tantas repulsas ao perito.
Não sei se no meu caso é porque sempre busco ver o lado positivo das pessoas, graças a Deus, fico nervosa, mas não a ponto de morrer por causa disso.
Os comentários, que "A fibromialgia é uma doença que ainda é um mistério e uma polêmica na medicina, muitos inclusive defendem não existir a entidade "reumatológica" e sim ser uma manifestação psiquiátrica, que seria classificada como transtorno doloroso somatoforme, tem até CID.", creio que realmente ainda é desconhecida doutor, porque meu médico assistente nem sabia que o cid era o 79.7. Ou então posso imaginar, que com tantas outras preocupações, não se atualizou quanto a isto. Aliás, não só ele, tenho dois médicos assistentes que colocaram o mesmo cid 79.0(pq não confiei muito na estória da fibromialgia, e resolvi investigar com outro médico)
"De qualquer maneira os especialistas do assunto, os reumatos e psiquiatras, entraram em consenso diversas vezes que o mero diagnóstico de M79.0 não é, por si só, causa de incapacidade laborativa. " Realmente, neste ponto, tenho que confirmar, pois os meus médicos também disseram na dificuldade em provar esta incapacidade junto ao INSS. Não entraram muito em detalhes, porque geralmente o tempo do médico é identificar a doença e prescrever medicações, nunca explicam muito.
Meu conhecimento de fibromialgia, ainda é o que todos internautas conseguem descobrir.
Tenho dores todos os dias, e tem dias com maiores intensidades.
O tratamento para esta doença não é realmente um só. Tem que ser um conjunto: psicoterapêutico, medicamentoso, fisioterapêutico.
Também acho que a discussão foi muito além do que o objetivo de análise à proposta da deputada.
Infelizmente, por poucos, os demais pagam. Não sei se é correto ainda.
Eu realmente, não queria me aposentar. Gostaria de ter uma flexibilidade maior para a atividade, esclarecimento dos empregadores sobre esta doença, a fim de conquistas de melhores condições na qualidade de vida. Mas isto é difícil, pois cada um vive a doença de formas diferentes, como alguém aqui falou tem a questão da fadiga crônica. Acho que para esta situação só sendo dono do seu negócio, para ter estas condições de bem-estar.
Pois ninguém quer empregado doente.

Lindynete Oliveira disse...

ACHO QUE É MUITO FÁCIL FALA DE UMA COISA QUE NÃO LHE PREJUDICA, EU TENHO ESSA DOENÇA E OLHA ME ATRAPALHA NAS TAREFAS MAIS SIMPLES COMO POR EXEMPLO TRABALHAR, SEGURAR MEU FILHO OU MINHA SOBRINHA NO COLO, LAVAR UMA ROUPA, A ETC. ISTO NÃO SIGNIFICA QUE QUERO APOSENTAR COM 27 ANOS, OU QUE EU VOU PARAR DE FAZER MINHAS COISAS POR ISSO, MAS NÃO É FÁCIL SABE SINTO DOR O TEMPO TODO ONTEM SEGUREI POR 15 MINUTOS UM BEBE DE 5 MESES E ESTOU ATÉ AGORA COM MEU CORPO TODO DOLORIDO PARECE QUE APANHEI, PRA MIM UMA PESSOA QUE CRITICA TANTO UMA DOENÇA DESSAS NÃO TEM RESPEITO PELO PRÓXIMO, TUDO QUE QUE QUERO É FICAR BEM E PODER TRABALHAR PRA CUIDAR DO MEU FILHO, AINDA MAIS AGORA QUE FUI MANDADA EMBORA.

Anna disse...

Descobri que tenho essa doença ha 6 meses, sempre trabalhei com muita dificuldade, sentia fortes dores, cansaço, e um desanimo fora do comum, eu mesma me sentia preguiçosa , ficava deprimida. Comprava vitaminas sem nem saber o que eu estava fazendo, no fim do dia me sentia extremamente cansada, nunca parei em emprego nenhum, eu tinha que me esforçar muito pra sair com meu namorado, hoje meu marido. Na Infância tive suspeita de ter artrite reumatoide, na adolescência melhorei, depois dos 22 anos, tudo piorou e hoje com 31 anos me sinto uma idosa, uma emprestavél, eu estou fazendo tratamento, mas é difícil, sentir dores, e um cansaço inexplicável... Eu tenho muita vergonha de falar isso pras outras pessoas, e teria muita vergonha de me aposentar, caso eu pudesse... me sinto derrotada e fracassada.. E cada vez que leio essas coisas me sinto pior...

Anna disse...

Descobri que tenho essa doença ha 6 meses, sempre trabalhei com muita dificuldade, sentia fortes dores, cansaço, e um desanimo fora do comum, eu mesma me sentia preguiçosa , ficava deprimida. Comprava vitaminas sem nem saber o que eu estava fazendo, no fim do dia me sentia extremamente cansada, nunca parei em emprego nenhum, eu tinha que me esforçar muito pra sair com meu namorado, hoje meu marido. Na Infância tive suspeita de ter artrite reumatoide, na adolescência melhorei, depois dos 22 anos, tudo piorou e hoje com 31 anos me sinto uma idosa, uma emprestavél, eu estou fazendo tratamento, mas é difícil, sentir dores, e um cansaço inexplicável... Eu tenho muita vergonha de falar isso pras outras pessoas, e teria muita vergonha de me aposentar, caso eu pudesse... me sinto derrotada e fracassada.. E cada vez que leio essas coisas me sinto pior...

Dra. Paula Leão disse...

Somente hoje tive a oportunidade de ler esta postagem e confesso que estou profundamente chocada com a opinai de alguns médicos, inclusive especialistas em dor, sobre a SFM. Sou portadora desta síndrome desde criança, fui diagnosticada corretamente há dois anos quando o quadro piorou. Sou dentista, trabalho normalmente no meu consultório, entenda-se, dentro do meu ritmo, não tenho planos de aposentadoria. Porém, ler um médico escrever que " o INSS só afasta por incapacidade por DOENÇA. " muito me desanima com a classe médica. Eu sou uma pessoa feliz, amo o meu trabalho a a minha vida, mas eu sou DOENTE. SFM é uma doença, sim, assim como a depressão.
Eu estou numa situação privilegiada porque posso fazer meus horários, pagar por uma atividade física supervisionada, mas eu sei que para a maioria não é assim. Acredito que cada caso deve ser analisado individualmente e com a sensibilidade que cada ser humano merece.

Claudia Cavenaghi disse...

Tenho fibromialgia descoberta a dois anos e ainda várias complicações na coluna cervical o que tornou minha vida profissional, social e até meu casamento insuportáveis, obtive benefício do INSS por 3 meses e depois me foi indeferido, estou há um ano e meio sem receber nada, agora lutando na justiça do trabalho, pois, neurocirurgião, reumatologista e ortopedista de coluna não me tratam pelo SUS e meus medicamentos são comprados também hoje preciso viver da ajuda de terceiros além da dor física que essa doença nos causa tb temos que passar pela humilhação de que se tivéssemos ao menos nossos benefícios garantidos póderíamos nos tratar com dignidade e retornar ao mercado de trabalho, mas somos trancados naquele quartinho dos fundos onde se joga todos os entulhos pra quando vc tiver tempo lembra e pensa em fazer uma limpeza, que dignidade é essa, meus medicamentos são muito fortes tomo metadona 3 vezes ao dia, oxicodona que para quem não sabe é duas vezes mais potente que a morfina, dalmadorm para que eu possa tentar dormir melhor o que na maioria das vezes não acontece e ainda fluoxetina, gostaria de saber se um perito desses que me nega o benefício me contrataria como sua funcionária sabendo que faço uso diário de tantos psicotrópicos, que tenho lapsos de memória, desconcentração e muitas vezes um esquecimento que faz chorar por ser tão absurdo e vexatório.Não quero nada além de dignidade para que eu possa me tratar e me recuperar para voltar a viver pois no momento o que fizeram foi me tirar a pouca vontade que ainda me resta de viver. Claudia

Nica Azevedo disse...

Gostei desse Blog. Foi bom ler (quase) todos os comentários.
Mas o que eu mais gostei é de saber que eu não estou sozinha. Muitos dos relatos traduzem perfeitamente o que sinto e como sinto.
Descobrir que tenho fibromialgia foi bom por explicar muitos episódios da minha infancia. Eu sentia muitas dores e meus pais me levavam ao Hospital de Ortopedia (Anchieta, não existe mais). Os médicos me examinavam, fazia Raio X, imobilizavam, mas raramente sabiam dizer o que era. Uma vez fiquei tanto tempo com a mão imobilizada, que quase atrofiou.
Hoie estou tentando sair de uma crise muito forte, que me imobilizou. Tenho dores fortíssimas, e percebi que elas aumentam no período pré-menstrual (até queria saber se isso acontece com mais alguém?).
Sou fotógrafa há anos. Final de 2012 travei após um trabalho e fui para PS. Descobri que tenho hérnias de disco na cervical, e uma delas estava estourada comprimindo a medula. Penei para sair dessa fase aguda, e agradeço a Acupuntura.
E iunto com a hérnia veio o diagnóstico de Fibromialgia. E como disseram, ninguém IMAGINA a nossa DOR...
Tive que largar a fotografia, meu ganha pão, minha paixão. O peso dos equipamentos e as posições que fico para fotografar, hoie é inviável fazer.
Agora com a hérnia desinflamada fui liberada para fisioterapia. Estou também com uma psiquiatra e uma psicóloga, e continuo com a acupuntura.
NADA de aiuda da Saúde Pública. Um pouco consigo pelo convênio, mas ainda muita coisa sai do meu bolso, e a fonte tá secando...
Procurar trabalho em uma empresa está fora de cogitação, pois não aguento ficar muito tempo na mesma posição... Eu me sinto muito mal com isso tudo. Penso que minha família e amigos me vêem como uma vagabunda. As vezes sinto culpa por estar assim, me sinto impotente e consequentemente depre...
Infelizmente É BOM SABER QUE NÃO ESTOU SOZINHA, isso me dá um pouco mais de esperança para lutar.

Marcos disse...

POBRE DAQUELE QUE DESDENHA DA DOR DO OUTRO, ESSA FIBROMIALGIA JÁ ME FEZ TOMAR VÁRIOS TOMBOS, TOMO REMÉDIOS QUE NÃO FUNCIONAM MINHA VIDA É UM SACO, MAS NÃO FICO CHORANDO NÃO, QUEM TÊM ISSO É FORTE, E VC QUE SENTE UMA DORZINHA SÓ, SAIBA QUE EXISTEM VÁRIOS ESTÁGIOS DE DOR, ALGUNS MUITO FORTES, O QUE ME IMPOSSIBILITOU DE FAZER O QUE EU MAIS GOSTAVA, ANDAR DE MOTO. ENTÃO RESPEITO E EMPATIA É BOM. E ALGUM CUIDADO DO ESTADO QUANTO A ISSO AGRADARIA MUITO.

ANNA disse...

Bom, hoje voltei, pq estava pesquisando mais informações sobre a luta contra a fibromialgia, e me deparei novamente com este blog. E vi a necessidade de mais uma vez comentar nele.
Já se passaram mais 10 meses após o primeiro comentário.
Continuo na mesma, incapacitada para o trabalho, cada vez pior, com dores horríveis, fadiga crônica, e com os tratamentos mais intensificados. Não vejo luz no fim do túnel, agora posso entender melhor o que os fibromiálgicos reclamam há anos.
Será que vou ficar assim por muitos anos? não sei, sei que quero mais respeito de quem me atende, seja médico ou perito. Estou pronta para exigir este direito!
Fui muito humilhada em uma de minhas perícias de prorrogação, está chegando a próxima, e já me sinto ansiosa, deprimida, pq já nem eu mesma sei o que dizer. Da última vez, a perita me perguntou: 'a sra. ainda não melhorou? nem um pouquinho?", ora, ela quer que eu diga que sim, seja lá um pouquinho que for, para me mandar de volta para a mesma função?
Alguém aqui falou que os fibromiálgicos não devem brigar pela aposentadoria, e sim pela reabilitação. Como isto acontece? o perito está vendo que vc não tem mais condições de trabalhar em funções com movimentos repetitivos, posições forçadas, trabalho penoso e ainda assim, no máximo, prorrogam seu benefício em mais 30 dias. Nem a indicação médica, eles aceitam. Tenho cinco médicos me assistenciando, três deles acreditam que uma função mais leve, poderia me ajudar, até poderia melhorar mais um pouco pq ocuparia a mente, e talvez, melhorasse da depressão. Um ortopedista de coluna e a psiquiatria são os únicos que não concordam com isto. Mesmo assim, ainda continuo na peregrinação com estas perícias.
"A aposentadoria por invalidez é o benefício mensal que o segurado inscrito na Previdência Social tem direito, após ter cumprido o período de carência exigida, estando recebendo ou não o benefício auxílio doença, por ter sido considerado incapacitado permanentemente para o exercício de seu trabalho ou atividade habitual que lhe garante a sobrevivência em decorrência de doença ou acidente." Lógico que isto não acontece, pq esta incapacidade permanente, quem pode atestar? se o médico informar isto, o perito não aceita. Pq tudo para se conseguir neste Brasil, tem que ser atrás da justiça, pq nossos direitos não são respeitados?
Ninguém compare-se com situação de ninguém. Pq se um perito, ou qq outro profissional consegue trabalhar com dores, VIVA! vc é mais que vencedor! Mas eu não deixo de ser tb, pq aguentei muito trabalho, por muitos anos, e outra, seu trabalho é o mesmo que o meu? pq se não for, vamos fazer o seguinte: vem para o meu lugar, e eu tento trabalhar no seu, e vc no meu. Se conseguir isto, desisto de brigar por um direito que é meu!

Harlei Ribeiro Miranda disse...

Olá a todos.
Meu nome é Harlei, tenho 34 anos, fui diagnosticado em 2002 como portador da síndrome da fibromialgia. Um pouco antes, em 1998, fui diagnosticado com Túnel do Carpo na mão direita e tendinite nas duas mãos. Ou seja desde 1998 convivo com dores frequentes.
Hoje são dores crônicas nas pernas, braços, pescoço e coluna. Fadiga e dormência nas pernas, braços, pés e mãos.
Já perdi a conta de sessões de fisioterapia, hidroterapia, alongamento, exercicios leves para aliviar a dor. Já se foram muitas e muitas caixas de remédios, agora estou tomando o Lyrica, esse tem me aliviado um pouco, mas as dores não aliviam.
Ultimamente tenho buscado mais informações sobre os nossos direitos, mas vejo está muito distante, somente através da morosidade do judiciário talvez teremos algum direito, ou quem sabe, os "nobres deputados" criem leis para nos ajudar.
Já não aguento mais trabalhar, ando muito deprimido, não durmo a noite, acordo exausto todos os dias, nem médicos tenho procurado mais, porque é sempre a mesma coisa. Já pensei até em fazer besteira ultimamente, mas lembro que tenho um filho de 4 anos e minha esposa.
Bom gente, queria poder ouvir suas experiências e dividir o nosso sofrimento com todos. Abrass.

JOAO FERREIRA LISBOA disse...

Aos "desocupados e desinformados" que alegam que fibromialgia nao e doença, certamente e porque eles não a tem, ou um de seus parentes....deveriam criticar e os altos salarios dos politicos, informem-se senhores, ou adoeçam para saber o que e a doença em seu estagio avançado...imagina uma dor de dente inflamado, coloque 10 x mais e a dor da fibromialgia...tomara que voces adoeçam dessa maldadada doença e ai quero ver dizerem que ela não e invalidante...nao aguento nem andar, como posso trabalhar?
Joao.

Robelyo Alves disse...

Rita, você perde seu tempo comentando esse debate que está recheado de ignorantes e sem conhecimento da fibromialgia?
Sou portador desde que nasci, trabalho todo dia e sei que estamos distantes de alguma conquista e em se tratando de debates, eu procuro nem ver pois o que tem de gentinha mal informada e prontas para opinar coisas que não são da sua alçada. O melhor seria ficarem caladas! Mas brasileiro é comédia em qualquer lugar no planeta!

Bibi Bibiana disse...

Pouca coisa é pior que a ignorância. Mas incluiria a incapacidade de se colocar no lugar do outro, um humano sem empatia merece sofrer todas as dores que não acredita que outro possa ter.
Eu tenho FIBROMIALGIA,se você não tem não imagina o que é sentir uma dor de dente, por exemplo, por quatro, cinco, seis anos sem parar? Mas fique tranquilo, você terá rodízio de dentes, um dia a dor será no molar, outro dia no ciso, e por aí vai...
Ah, vá para o trabalho sorrindo! Afinal sua dor ninguém vê, melhor nem contar.
Ainda não existe máquina ou exame que comprove uma dor turista,passeando por suas costas,pernas, ou braços. Mas não importa o lugar onde ela está, o que importa é que ela passeia em você por anos e anos.
Seus colegas de trabalho desconfiam, seus vizinhos desconfiam,sua família nem tanto pois conheceram você antes da fibromialgia e você depois dela.
Aos amigos que desconfiam descarte-os, pois nunca foram seus amigos.
Aqueles que respeitam minha dor andam lado a lado comigo, buscam tratamentos alternativos, me confortam nas minhas crises.
Eu não sei como será meu dia amanhã, nem se levantarei da cama ou se vou trabalhar, ou ir àquela festa de casamento marcada há um mês. Eu não sei de nada, meu corpo não responde a meus comandos, queria um botão para desligar tudo que é dor e ter minha vida de volta. Isso dinheiro de nenhuma aposentadoria paga, mas ter o direito ser respeitada eu tenho e vou morrer brigando por isso.

maria araujo disse...

Não adianta falar com quem não entende, não conhece e não se interessa em saber.
Hoje estou melhor, mais faço fisioterapias, alongamentos, infiltrações com medicamentos, tomo vários medicamentos (vitaminas e outros). Uma despesa enorme. Se não tivesse doente esse dinheiro que gasto poderia servir para o lazer ou investir. Estava estudando, mais não aguentei ficar sentada por mais que 02 hora, parei o curso, porém louca para voltar estudar, pois estudar é muito bom o ruim é viver com depressão por causa das dores.

Aline disse...

Eu tenho 26 anos e fui diagnosticada com fibro a 2 anos. Fiquei extremamente ofendida ao ler esses comentários. A maioria das vezes que tenho crises, a dor, apesar de ser forte, é suportável, mas tem vezes que não consigo andar até o banheiro sem sofrimento.
Eu não sou vagabunda, não tenho problemas psicológicos, não tenho depressão e TENHO DORES REAIS.
Apesar das dores tenho uma vida feliz e trabalho.
Mas infelizmente não sei até quando aguentarei. E já ouvi muitos relatos de pessoas que nem levantam da cama por causa da fibro.
É muito triste que profissionais da saúde façam comentários preconceituosos sobre os fibromialgicos.
Eu não espero que todos entendam nosso sofrimento, mas que NO MÍNIMO RESPEITEM.
Ninguém precisa concordar com a aposentadoria para fibromialgicos, mas utilizem argumentos que não faltem com respeito conosco.
MINHA DOR É REAL E NÃO PSICOLÓGICA COMO MUITOS PENSAM.

Mirian Marques disse...

Acho graça ver pessoas dizendo que fibromialgia não e uma doença que pode incapacitar uma pessoa a ponto de se aposentar, essa pessoa não deve ter ou conhecer a doença, a mesma quando diz ter uma vida normal sendo portadora da síndrome, realmente deve estar a fingir te-la!
Não estamos a pedir favores ao INSS, pagamos para ter atendimento quando estamos doentes ou incapacitatos de trabalhar.
ou a quantia que a previdência desconta em meu contra xeque todo mes seria para que?? Não foce para mr amparar na hora da minha dor??
Ou as pessoas que são contra fibromialgicos se afastarem do trabalho não sabem que so podem pedir benefícios ao INSS quem contribui para tal beneficio.
estamos falando de direitos não de favores ou esmolas, os peritos que se recilem para nos atenter ( pois tambem sou portadora desta síndrome e trabalho, portanto contribuo com a previdência a muitos anos) pois os mesmos são muito bem pagos com o dinheiro do povo para tal!

Tatiana, Vida Arte e Sonhos disse...

Eu tenho deficiência auditiva neurosensorial e bilateral moderada e fibromialgia, pela lei tenho direito especial pela deficiência e 15 anos de contribuição. Tem dias que trabalhar é um esforço psicológico sobrenatural. Resumindo consigo me aposentar somente pela deficiência sr Heltron Xavier?

Selma FERREIRA NASCIMENTO disse...

Tenho essa doença desde 2008,O que quero salientar,e que agora com 46 anos e um filho de 5 nanos me ajoelho todos os dias pra lhe dar banho pra secar,os meus cabelos tenho que parar varias vezes,pratos e qualquer tipo de louças que estou lavando caem,tomar condução cheia pra ir Trabalhar é um dilema maior pra quem tem isso,enfim agora o detalhe mais importante:Ñunca fui quebra a mão sempre em minha familia me disseram:vc é pé de boi faz td e não tem preguiça!Então não falem asneiras de coisas que não tem entendimento,Os medicos talvez não estejam habituados a resolver esses dilemas,mas JAMAIS ache que essas dores com as quais ja acordamos logo cedo e dores.
Por não ter mais o q fazer e espero q me aposente logo pelo tempo de contribuição que,graças a Deus ja é bem satisfatório!Pra digitar este texto demorei muito mais q crianças que ja sabem escrever.
Não falem o q não sabem essa sindrome doença e seja la o q for é seria e continuo sinceramente esperando que Deus nos abençoe com alguma Lei seria que possa enxergar o obvio.Ah sem mencinar que nosso sono não é reparador e querem muitas vezes que tomemos por exemplo,5 comprimidos de Ciclobenzaprina que quem toma sabe dar um sono medonho.Como levantar no Dia seguinte pra trabalhar grogue? Obrigada

Selma ferreira Nascimento

n

Regina antenada. disse...

Só quem tem fibromialgia sabe a dor que sente,principalmente como sofre com a ignorância alheia,até mesmo de médicos.
Eu tenho fibromialgia,trabalho,sempre trabalhei mas tem dias que tenho vontade de morrer.A dor percorre todo o corpo,e ainda tenho hérnia de disco na lombar e na cervical.Fico sem posição.Não há medicamento que passe a dor,pode até aliviar.Então é muito difícil sobreviver com dor diáriamente,digo sobreviver porque viver é mais difícil.Estas dores nos levam a vários outros problemas como depressão,ansiedade,problemas familiares e sociais.Porque por não ser visível esta doença,ninguém acredita.E nos chamam de vagabundos,preguiçosos.
Esquecem que quem quer se aproveitar e conseguir benefício do INSS,forjado inventa várias outras doenças como por exemplo dar uma de maluco.
NÃO É PORQUE VOCÊS NÃO VEEM QUE NÓS NÃO SENTIMOS,ENTÃO RESPEITEM-NOS.
QUANTO A APOSENTADORIA DEVERIA É UM CASO A PENSAR SIM,TRATAMENTO DIGNO NO SUS TAMBÉM.
Também já ouvi falar que queriam aprovar uma lei para que o portadores de fibromialgia tarbalharem meio expediente para assim ter como fazer tratamento multidisciplinar como merece.
Quem não tem,não tem direito falar asneiras.SOMOS PESSOAS DIGNAS DE RESPEITO TRATAMENTO.

Vagner Oliveira disse...

Incrível, quantas coisas que dizem sobre dores, mas a fibromialgia causa dores de cabeça, extremo cansaço, esquecimento, o sono não traz descanso, irritabilidade e, etc, etc e etc... As empresas vão ficar com um funcionário que não consegue produzir satisfatoriamente como os demais? Tem que faltar para se consultar constantemente (e o médico diz que não tem cura), para fazer tratamentos alternativos (que para muitos não resolvem NADA), faltar porque os remédios que se toma, muitas vezes nos faz passar mal, faltar porque quando as dores pioram se tem que deixar os afazeres profissionais e ir tomar dexametasona (que já não faz tanto efeito) e se perde um ou dois de trabalho.
Trabalhei quase 8 anos em uma empresa de um amigo que entendia a situação (a firma fechou) fui trabalhar em outra empresa que em 45 dias me dispensou (dores constantes, depressão e, faltas). Fui até uma empresa e falei da fibromialgia (a esposa do dono tem a síndrome), ele me contatou? Claro que não! Quando procuro emprego devo omitir o meu estado atual de saúde? Isso é anti-ético. Hoje trabalho sem registro (e o Ministério do Trabalho diz que não se pode trabalhar sem registro). Não me venham com palavras vazias, tolas, que não nos ajudam em NADA.
E, o incrível é que todos os médicos que conhecem o paciente há anos atestam a situação desde, aí vem um 'perito' que nem sequer olha na nossa cara e tem o PODER de discordar de TODOS os outros médicos (como se todos estes não soubessem o que fazem). NÃO EXISTE EMPRESA que irá dispensar o funcionário todas as vezes que se fizer necessário. Para que pagar o INSS? Quando precisamos serve para quê? Não é à toa que passamos por depressão!
Esses comentários nos irritam.
Me desculpem a forma de me expressar, mas hoje estou com dores generalizada (como todos os dias), dor de cabeça, de saco cheio (irritado)e, outros.

Lindynete Oliveira disse...

olha vagner, eu tbm estou de saco cheio de tudo e de todos, só nos julgam, afinal quem pediu para ter essa maldita doença. Ultimamente não passo nem da entrevista, nem ligam pra mim. preciso trabalhar e não consigo alem do meu corpo a minha mente tbm não permite, me esqueço de tudo, a unica coisa q n esqueço são as malditas dores. As vezes questiono a Deus porque? tem sido muito dificil.

rosemary disse...

Eu tenho fibromialgia, dor neuropatica e para conseguir beneficio tenho que procurar ajuda judiaciaria, qdo é de meu direito e mesmo assim este é negado, e olha que ja fui operada varias vezes inclusive coluna cervial. os medico que me acompanham referem que este problema ocorreu devido a isso, e mesmo tomando varias medicações como gaba, lyrica, morfina e outros devido a isso tb sem me encontro em dificuldade para o trabalho pois trabalho como aux de enfermagem, e corro o risco de causar danos tanto aos meus paciente como a mim mesmo.

Unknown disse...

Excelente artigo!
Nós portadores da fibro sofremos com as doreS, preconceitos e a "invalidez", talvez este último seja o maior causador da piora do quadro. Fui diagnosticada com fibromialgia bem nova, e pouco se sabiam sobre a síndrome, peritos do Inss sempre diziam que eu não tinha idade para ser portadora da fribro (tinha 23 anos na epoca), eu queria trabalhar mas nao tinha condições, chegava a desmaiar de dores no corpo, me afastei por alguns meses, mas o perito disse que eu tinha q voltar a trabalhar, infelizmente tive que pedir demissão do meu emprego, por trabalhar um dia e faltar dois ou três seguidos.
Hoje aos 30 anos, tento o curso de Direito com o intuito de poder ajudar os fibromialgicos e me ajudar tbm, mas, quão difícil é estar na faculdade todos os dias, com as doreS e efeitos das medicacoes. Tentei até ser autônoma para poder custear meu tratamento e consultas, já que meu esposo me deixou devido a fibromialgia, mas como sair para vender as coisas com a ansiedade, falta de memória e atenção? Já bati por duas vezes o carro dirigindo...Mais prejuízo! Agora é ficar em casa em cima de uma cama, já que nem sair sozinha podemos de casa, devido às quedas repentinas.

SÓ DEUS NA VIDA DE UM FIBROMIALGICO.

Unknown disse...

Excelente artigo!
Nós portadores da fibro sofremos com as doreS, preconceitos e a "invalidez", talvez este último seja o maior causador da piora do quadro. Fui diagnosticada com fibromialgia bem nova, e pouco se sabiam sobre a síndrome, peritos do Inss sempre diziam que eu não tinha idade para ser portadora da fribro (tinha 23 anos na epoca), eu queria trabalhar mas nao tinha condições, chegava a desmaiar de dores no corpo, me afastei por alguns meses, mas o perito disse que eu tinha q voltar a trabalhar, infelizmente tive que pedir demissão do meu emprego, por trabalhar um dia e faltar dois ou três seguidos.
Hoje aos 30 anos, tento o curso de Direito com o intuito de poder ajudar os fibromialgicos e me ajudar tbm, mas, quão difícil é estar na faculdade todos os dias, com as doreS e efeitos das medicacoes. Tentei até ser autônoma para poder custear meu tratamento e consultas, já que meu esposo me deixou devido a fibromialgia, mas como sair para vender as coisas com a ansiedade, falta de memória e atenção? Já bati por duas vezes o carro dirigindo...Mais prejuízo! Agora é ficar em casa em cima de uma cama, já que nem sair sozinha podemos de casa, devido às quedas repentinas.

SÓ DEUS NA VIDA DE UM FIBROMIALGICO.

Anônima disse...

Ter Fibromialgia é ser prisioneiro no próprio corpo...sou jovem com disposiçao de uma idosa...tenho vergonha de falar para os outros, escondo até do namorado. É um sofrimento sem fim, dores que vao e voltam, fadiga extrema, depressão, dificudade de memória. Faço tratamento com nutricionista, hidroterapia, medicamentos, médicos, faço mal mal alguns afares domésticos. Mas fico tão cansada como se tivesse tomado uma surra, a gente dorme e não descansa, se carregamos um peso ou fazemos um esfoço extra as vezes pode representar 3 dias de cama e medicamentos. O medicamento derruba...evito tomar porque nem consigo levantar antes do meio dia se toma-lo. O pior de tudo é ainda enfrentar a chacota alheia e o desconhecimento dentro da própria família...somos taxados de preguiçosos...eu sinto como de carrega se um pacote de 5 kg nos ombros todos dias...temo muito pelo futuro só Deus. Não estou conseguindo trabalhar...mas gostaria muito de ser uma pessoa normal como eu era cheia de disposição. A gente não sonha em.aposentar por invalidez... A gente sonha em curar...em viajar, trabalhar, casar, ter filhos, ter uma vida digna e normal..... Mas isso nos parece tão distante. meu nome é Fernanda.

JUSCILENE SILVA disse...

Deus ajude que vc nunca tenha a dita fibromialgia.pra que você nao sinta essas dores que leva ao inferno e volta sem vc perceber.por que vc rir de uma coisa que vc nao sabe do que se trata o que realmente sente uma pessoa com essa doença, mas assim diz o ditado hoje você rir mas amanham, vc pode chorar.ha e se um dia vc sentir volta e conta como é.

Filha de Deus disse...

Faz 02 anos que iniciei meus comentários aqui nesse blog...deixei-o de lado e fui à luta, aliás, ainda estou nela.
Nada mudou nos nossos direitos, mas essa situação me obrigou a voltar a estudar e aprender mais sobre eles e me dispor a ajudar a quem não conhece os seus.
Os peritos continuam sendo insensíveis, mas não todos. Graças a Deus, me deparei com alguns que se sentem de mãos atadas para nos ajudar. Neste último benefício(1 ano afastada), me deparei em 02 perícias além do que esperava. Fui bem tratada, compreendida, e orientada. Nenhuma delas questionou ou se opôs a me dar o benefício que pleiteava e a prorrogá-lo, considerando o parecer do meu médico assistente.
Mas, nada de encaminhamento para a reabilitação, pois segundo a perita, disse que está um CAOS, e que era melhor eu tentar outra prorrogação ao invés de ser encaminhada para reabilitar-me(não entendi essa lógica).
O fato é que trabalho em uma indústria subsidiária da Petrobrás, que de acordo com o plano de cargos e carreira só aceitam mudar a função para qual prestei concurso, caso viesse encaminhada do INSS com essa indicação.
Enquanto isso, corre em paralelo um Processo Administrativo que já chegou na última instância(CAJ) que solicitou nova diligência para perícia médica com junta diferente do que já fui avaliada pelo INSS. No entanto, com desrespeito total à relatora da CAJ, a P.S. insiste em atrasar a solicitação, a dar parecer reafirmando a NÃO incapacidade e NÃO agendar nova perícia.
Agora pergunto: se a relatora do processo quer informação através de parecer fundamentado que estou incapaz para a atividade laborativa a qual me afastou e, ao mesmo tempo, em novo benefício(dentro desse mesmo período em que aguardo a solicitada no processo) fui avaliada ao direito de prorrogar o afastamento, qual dúvida resta ainda sobre a incapacidade, se ainda estou afastada, pela mesma doença?
CONCLUSÕES CONTROVERSAS DENTRO DESSA AUTARQUIA. Um perito acata o pedido de prorrogação(porque considerou existir a incapacidade) e outro perito diz não haver a incapacidade. Isso é pegadinha????

Cláudia disse...

descobri ha 5 meses e hérnias lombar e cervical ha12 meses o perito me negou o benefício por duas vezes. A empresa alega que não vai arcar com salários sem eu eu trabalhar. As minhas dores só faltam me enlouquecer.tenho medo de entrar numa DP.muito triste nossa situação amiga Rita.confiar em Deus!

Cláudia disse...

Meu querido não generalize!muitas mulheres como eu que trabalham muito donas de casa mães profissionais .não brinque com a dor alheia. Não desejo a você um segundo doq sentimos por 24hs o tempo todo.lamentável seu comentário! !

Ivanilton Almeida disse...

Prezados,

Boa noite,


Sou portador da Síndrome de Fibromialgia há mais de 15 anos, comecei a árdua batalha por tratamento ainda menor, é uma Síndrome que as torna incapacitante para as atividades laborativa, e entendo que a discussão para criar uma norma que visa assegurar os direitos dos portadores dessa enfermidade é totalmente plausível. Percebe-se a ignorânciade alguns comentários aqui nessa discussão, são pessoas totalmente leigas, que além de não conhecer de medicina, não conhecem as normas do direito previdenciário. Sou professor de Direito, e nos últimos anos enfrento a árdua tarefa por causa da minha memória em decorrência da fibromialgia. Os efeitos da enfermidade não são apenas as dores, por esse motivo que trata-se de uma Síndrome, caso algum ignorante não saiba o que significa Síndrome, aconselho consultar o vernáculo em um dicionário médico.

Ivanilton Almeida disse...

A Síndrome da Fibromialgia é doença que poderá incapacitar para as atividades laborativa. E a discussão é totalmente plausível.

Unknown disse...

Eu tmbm discordo Rita, sou técnica de enfermagem e à alguns meses estou convivendo com essas dores insuportáveis, no início dos sintomas achei que estava com labirintite devido tonturas, fraqueza, muita dores de cabeça, falta de memória. Passei com otorrino, fiz vários exames e não fui diagnosticada com a labirintite, passei com uma clinica geral que por sinal é muito boa no que faz e ela me pediu alguns exames no qual incluia teste do fator reumatoide e ressonância magnética da coluna cervical, quando entreguei o resultado ela me perguntou se eu estava pronta para me aposentar pois meu fator reumatoide deu bastante alterado e três hérnia de disco na cervical. Me encaminhou para o reumato e ortopedista com um laudo com a sigla m 45,só que tanto o reumato, quanto o ortopedista não aceitaram o laudo da clinica geral. Me passaram medicações que os valores ultrapassaram os mil reais até agora nâo consegui me livrar das dores. Meu trabalho hje é um martírio, sobregarrego meus colegas de trabalho porque muitas coisas não tenho força física para executar e não tenho nenhuma paciência com meus pacientes! Com certeza nao temos condicoes de trabalhar normalmente!!

Unknown disse...

Eu tmbm discordo Rita, sou técnica de enfermagem e à alguns meses estou convivendo com essas dores insuportáveis, no início dos sintomas achei que estava com labirintite devido tonturas, fraqueza, muita dores de cabeça, falta de memória. Passei com otorrino, fiz vários exames e não fui diagnosticada com a labirintite, passei com uma clinica geral que por sinal é muito boa no que faz e ela me pediu alguns exames no qual incluia teste do fator reumatoide e ressonância magnética da coluna cervical, quando entreguei o resultado ela me perguntou se eu estava pronta para me aposentar pois meu fator reumatoide deu bastante alterado e três hérnia de disco na cervical. Me encaminhou para o reumato e ortopedista com um laudo com a sigla m 45,só que tanto o reumato, quanto o ortopedista não aceitaram o laudo da clinica geral. Me passaram medicações que os valores ultrapassaram os mil reais até agora nâo consegui me livrar das dores. Meu trabalho hje é um martírio, sobregarrego meus colegas de trabalho porque muitas coisas não tenho força física para executar e não tenho nenhuma paciência com meus pacientes! Com certeza nao temos condicoes de trabalhar normalmente!!

PIN U disse...

eu tenho fibromialgia e sei bem as limitacoes, acho ridiculo uma pessoa postar que somos preguiçosos, vc quer saber mais eu digo
contraçoes pelo corpo todo, inclusive uterina com hemorragia.dores ,medicamentos diarios para dor que causam sonolencia, vc toma um comprimido para dor eu tomo seis por dia quando estou em crise, a fadiga cronica me deixa de doisa tres dias de cama, pq quando sentimos dor o corpo gasta muita energia e o sono nao é reparador, medicamento psiquiátrico que tomo diariamente , pago 160 reais de consulta mensal e 129,90 o velija 60 mg, se nao tomasse ele estaria sem camnhar de tanta dor, inflamaçoes nas juntas, e inchaço no corpo, cefaleia tencional e um efeito terrivel da fibromialgia avançada que é a rigidez muscular ,diferente das caimbras que sao muito comuns, exemplo disso e vc no seu horario de dormir ficar com seu braço rigido com de estivesse segurando uma sacola com tijolos, fique assim por horas pra ver, nao falo em aposentadoria mas falo em deficiencia e direitos , como aposentadoria por tempo de contribuição especial, horario reduzido de trabalho , medicamentos pelo sus, entre outros, por favor nao falem do que nao sabem, com comentarios de senso comum , como se as pessoas sempre quisessem se aproveitar do poder publico, é o poder publico que se aproveita do povo.
sabe aquela musica vida de gado, o povo vive assim e acha bom . o proprio povo limita seus direitos e deveres, pena isso .