quarta-feira, 29 de maio de 2013

JAMAIS ESQUECEREMOS

29/05/2007 - 19h24
Morre médico baleado por segurado em agência do INSS
da Folha Online

Morreu às 18h o médico perito José Rodrigues de Souza, 61 anos. baleado por um segurado dentro de uma agência do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em Patrocínio (MG), nesta terça-feira.

De acordo com a polícia, o atirador foi um segurado de 60 anos, Manoel Rodrigues, é ex-gari da Prefeitura de Patrocínio e ficou insatisfeito por ter seu auxílio-doença negado. Ele atirou na cabeça do médico e foi preso em flagrante na agência e está na cadeia local. O ministro da Previdência, Luiz Marinho, informou que iria ainda hoje para a cidade.

Na semana passada, o segurado Manoel Rodrigues teve seu pedido de benefício negado por uma junta médica do INSS, o que teria motivado o crime. O perito José Rodrigues de Souza trabalhava para o INSS há quase trinta anos.

De acordo com a associação dos médicos peritos, Manoel Rodrigues esteve afastado da prefeitura com auxílio-doença entre junho de 2004 e junho de 2005. Ao ter alta do benefício, o ex-gari voltou ao trabalho, mas foi demitido em novembro de 2006. Quinze dias após a sua demissão, Manoel Rodrigues voltou a tentar conseguir um benefício por incapacidade junto ao INSS e o mesmo lhe foi negado.

Em janeiro ele pediu uma reconsideração, mas a decisão da perícia foi mantida e novamente o benefício foi negado. Em março desde ano ele se submeteu a uma junta médica.

Para o presidente da ANMP (Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência), Luiz Carlos de Teive e Argolo, "esta é uma situação trágica. O Ministério da Previdência tem que fazer cumprir o acordo que colocou fim à greve da categoria em setembro do ano passado e nos garantir segurança no trabalho".

9 comentários:

Francisco Cardoso disse...

Descanse em paz, colega.

Airton Jr. disse...

Gari é condenado pelo assassinato de médico perito
Landercy Hemerson - Estado de Minas

O gari desempregado Manoel Rodrigues Andrade, de 60 anos, foi condenado a 14 anos e dois meses de prisão, em regime fechado, pela Justiça Federal no Alto Paranaíba, pelo assassinato do médico perito do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) José Rodrigues de Souza, de 61, em maio de 2007. O crime foi na agência da Previdência Social, no Centro de Patrocínio. Manoel matou o perito com um tiro na cabeça, pois teve o pedido de auxílio-doença negado pelo médico.

O julgamento começou às 9h, no Centro Universitário de Patos de Minas, cidade vizinha, sob o clima de revolta dos parentes e amigos da vítima. Depois de quase 10 horas de júri, no começo da noite saiu a sentença, que não agradou aos familiares do médico, que esperavam condenação superior a 20 anos, devido as agravantes do crime. Os advogados de Manoel alegaram que ele agiu sobre forte emoção, depois de ter sido humilhado.

O assassinato de José Rodrigues causou comoção a mais de 70 mil moradores de Patrocínio e revolta a servidores do INSS em todo o país. Em oito meses, era a segunda morte de peritos do INSS em Minas. Em setembro de 2006, a médica Maria Cristina Souza da Silva, chefe do setor de perícias em Governador Valadares, foi executada a tiros quando saia de sua casa.

José Rodrigues de Souza estava atendendo na agência de Patrocínio, quando Manoel Andrade, armado com um revólver e um espeto de ferro invadiu a sala e atirou três vezes no médico. Um tiro acertou a cabeça e o perito foi socorrido no hospital da cidade, mas morreu horas depois. O assassino foi preso em flagrante.

Manoel ficou afastado de suas atividades por problemas psíquicos de 2004 a 2005. No ano seguinte, começou a maratona para estender o auxílio-doença, sem sucesso. Dois meses antes do crime, foi demitido, por não comprovar sua doença por meio da perícia, para justificar seu afastamento. Revoltado, decidiu matar o médico por vingança. Com o assassinato de José Rodrigues e as pressões dos servidores do instituto, o Ministério da Previdência Social deu início ao processo para equipar todas as 1,4 mil agências com aparelhos de segurança.



Autor de assassinato contra médico perito teria ameaçado servidor do INSS de Patrocínio

Última atualização em Qua, 25 de Abril de 2012 08:22 Qua, 25 de Abril de 2012 07:23




Em maio de 2007 um assassinato registrado em Patrocínio ganhou repercussão nacional. O então médico perito do INSS, José Rodrigues de Souza de 61 anos foi morto por um homem que teve o auxilio doença negado pelo profissional que foi morto por Manoel Rodrigues que á época tinha 60 anos com um tiro na cabeça.

O ex-gari da Prefeitura de Patrocínio teria ficado insatisfeito com a negativa do benefício e teria ido até a agência armado numa última tentativa de conseguir o auxílio. José Rodrigues de Souza trabalhava no INSS de Patrocínio há quase trinta anos.

O atirador foi detido pelo segurança da agência até a chegada da Polícia que o prendeu em flagrante.

Passados quase cinco anos do crime, Manoel voltou a agência do INSS de Patrocínio nesta terça-feira (24), agora para pedir sua aposentadoria por idade.

Mas de acordo com informações, não teria ficado apenas nesse pedido. Ele teria ameaçado o vigilante que o deteve quando Manoel matou o ex-médico perito, chegando a entrar em atrito com o mesmo e depois fugiu.

Os funcionários da agência acionaram a Polícia Militar que fez guarda durante toda a terça-feira em frente o Instituto Federal, uma vez que os servidores temiam que o pior pudesse voltar a acontecer. O homem não foi localizado pela Polícia Militar.

Ighenry disse...

...E mudou pouca coisa em relação à segurança nas APS's...

aldofranklin disse...

Vc não ta entendendo?
O cara ja ta solto rapaz que nem passarinho!
É a tal Impunidade que tantos falam! Nunca ouviu dizer?...
País é lixo rapaz!

Paulo Assis disse...

Gostaria de cortigir as ultimas informações. O segurado saiu em liberdade após 1/6 da pena. Estava na APSPara solicitar um Loas por idade quando começou a provoca o segurança que a principio não havia reconhecido. Quando isso ocrreu nosso segurança o espancou até ser contido pelos outros, bateu mesmo, e o invalido fugiu sem paradeiro, a PM não o encontrou no domicilio. Pena que nossa segurança não ê armada, poderia ter retribuido sua gentileza.

Paulo Assis disse...

Gostaria de cortigir as ultimas informações. O segurado saiu em liberdade após 1/6 da pena. Estava na APSPara solicitar um Loas por idade quando começou a provoca o segurança que a principio não havia reconhecido. Quando isso ocrreu nosso segurança o espancou até ser contido pelos outros, bateu mesmo, e o invalido fugiu sem paradeiro, a PM não o encontrou no domicilio. Pena que nossa segurança não ê armada, poderia ter retribuido sua gentileza.

Airton Jr. disse...

Aldo, foi o que eu quis dizer quando postei as duas noticias. O "cabra" pega 14 anos e 2 meses e, pasmem, 5 anos depois ele tá livre, leve e solto... e vai atazanar a vida do segurança da APS, além de ir pedir sua aposentadoria...

brincadeira esse paisinho de merda!!!

angelina disse...

Vagabundo...ele e todos que acoitam isso sob o nome de justiça...

Ighenry disse...

Parece que nesse país o crime compensa. Tremenda falta de respeito com os familiares do Dr. José Rodrigues e com a sociedade.
Eu adorava os filmes da série "Desejo de Matar" do saudoso Charles Bronson, lembram?.