quarta-feira, 15 de maio de 2013

GOVERNO QUER CRIAR O "MEIO-MÉDICO", SÓ PODE EXERCE UMA PARTE DA MEDICINA

14/05/2013 17:40 - Atualizado em 14/05/2013 17:40
"Médicos importados" poderão ser proibidos de operar pacientes
Johanna Nublat - Folhapress

Divulgação
Recentemente, médicos cubanos fizeram missão semelhante na Venezuela

BRASÍLIA - A política de abrir o país à entrada de médicos estrangeiros, em gestação no governo, deve direcionar os profissionais à atenção básica de saúde. Pode ser vetado a esse médico realizar cirurgias ou atender pacientes em UTI, indicou o ministro Alexandre Padilha (Saúde).

"Estamos estudando o que países como Canadá e Inglaterra fazem para atrair médicos, dando autorização especial [de atuação], restrita à área de carência de médicos e só na atenção básica de saúde. Não são médicos que poderiam fazer cirurgias, que atendam pacientes em UTI", afirmou o ministro hoje, em encontro com a Frente Nacional de Prefeitos.

O ministro disse que os detalhes do programa não estão fechados, mas citou a possibilidade de autorização temporária de atuação, visto e registro vinculados a locais carentes desse profissional e da entrada de médicos que atuariam supervisionados.

"Um médico, hoje, pode vir para um hospital de ensino ou de uma universidade e fazer um estágio, atuar como médico dentro desse ambiente. Quando eu coordenava programas na USP, recebia vários médicos de outros países, que ficavam junto conosco estagiando, prescrevendo, tinham registro provisório para isso, sendo acompanhado por nós. Estamos pensando instrumentos de intercâmbio com universidades de Portugal, Espanha e outros países para poder atrair esses profissionais."

Número de médicos

Padilha também não revelou qual é o número de médicos que o governo pretende atrair com esse programa, mas disse trabalhar com "parâmetros". "No Provab, programa para levar médicos para os municípios do interior e periferias, conseguimos atrair 4 mil médicos, mas a demanda que os municípios apresentaram foi de 9 mil vagas." A Frente Nacional de Prefeitos trabalha com o número de 6 mil médicos.

O ministro afirmou que, na próxima semana, durante reunião internacional da OMS (Organização Mundial da Saúde), pretende discutir o assunto com ministros de países que adotaram programas como este e, também, com os ministros de Espanha e Portugal, países classificados por Padilha como seu "foco" para a atração dos médicos.

O ministro defendeu, ainda, outras formas de se ampliar o número de profissionais e de melhorar a fixação deles em áreas carentes. Por exemplo, incorporando aos cursos de medicina "filhos de trabalhadores, filhos da população mais pobre, pessoas da região rural". "É isso que vai facilitar a fixação desses profissionais", defendeu.

3 comentários:

aldofranklin disse...

É muita Hipocrisia!
Consegue fixar Juiz, Promotor, Defensor publico, Procurador? Por que?

Agora pro medico uma gorjeta? Ah, Gorjeta por gorjeta fico onde tem desenvolvimento trouxa!
Sem carreira de Estado, sem garantias de futuro, ganhando uma Merreca, sendo Bucha de Canhão de Prefeito, sem Infra-Estrutura pra exercer a Profissão, se liga Mané!

aldofranklin disse...

Nao pode fazer cirurgia nem trampar em UTI?
Ah, quer so o filé? Assumir responsabilidade nao? Erro nao? Mamar numa onça também nao quer né?!

Ighenry disse...

O CFM deveria abrir uma representação ex ofício contra esse sujeito!