quarta-feira, 29 de maio de 2013

E AGORA FANTÁSTICO!???

28/05/2013 15h48 - Atualizado em 28/05/2013 15h48

INSS conclui que comerciante com câncer tem condições de trabalhar

Mulher foi avaliada por uma junta médica após reportagem do Fantástico.
Segundo instituto, câncer e outras doenças estão controlados.

O Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) divulgou nesta terça-feira (28) uma nota informando ter concluído que Marisa Ferreira dos Santos Sarto, de 52 anos, tem condições de trabalhar. O auxílio-doença pedido por ela foi negado mais uma vez, depois da avaliação de uma junta médica. O caso da comerciante de Mogi da Cruzes (SP), que tem câncer e outros problemas de saúde, ficou conhecido depois da exibição de uma matéria no Fantástico.
A nota da Superintendência Regional do INSS em São Paulo, divulgada nesta terça, diz que Marisa foi reexaminada por uma junta constituída por três médicos no dia 21 de maio, que concluiu que ela tem condições de trabalhar. "Após a avaliação clínica e a análise dos laudos e relatórios de saúde da segurada, a perícia médica concluiu que as doenças das quais a sra. Marisa Sarto é portadora estão sob controle, as sequelas não apresentam agravamento e, no momento, não a incapacitam para o exercício de atividade profissional. Por essas razões, foi negada a prorrogação do auxílio-doença pleiteado."
O INSS ainda acrescentou que a perícia consiste na análise de laudos médicos, exames e relatórios fornecidos pelo profissional que cuida da saúde geral do trabalhador.
O processo de recurso administrativo que dona Marisa já havia começado continua em tramitação, segundo o INSS. O pedido será avaliado pela Junta de Recursos da Previdência Social.
Marisa Ferreira dos Santos Sarto tenta se aposentar há dez anos (Foto: Reprodução)
Marisa Ferreira dos Santos Sarto tenta se aposentar

há dez anos (Foto: Reprodução/TV Diário)
Decepção
Marisa havia sido informada da decisão na sexta-feira (24). "Estou tão desapontada que não sei nem o que pensar direito. Quando vi o documento que eles mandaram senti uma forte dor de cabeça. Fiquei muito triste com a Justiça", desabafa Marisa. Ela tem problemas de coração, luta contra um câncer, tem dores na coluna e já sofreu um acidente vascular cerebral (AVC). Mesmo assim, não consegue o benefício. Além da comerciante, a reportagem do Fantástico mostrou também ex-funcionários públicos federais aposentados por invalidez, mas que continuam trabalhando em outros locais.

A convocação para avaliação por junta médica foi solicitada um dia depois da exibição da matéria.  De acordo com a advogada de Marisa, Tatiane Aparecida dos Santos, essa decisão, na prática, significa que ela continua sem o auxilio doença e sem a aposentadoria por invalidez. "Além do processo que corre no INSS, eu já tinha ingressado com uma ação judicial e, por conta disso, a dona Marisa já tem duas perícias agendadas na Justiça Federal, em Mogi das Cruzes", explicou a advogada. As perícias foram agendadas para os dias 11 de junho e 13 de julho.
Durante a perícia que aconteceu nesta terça-feira (21), em Guarulhos, a senhora foi examinada por uma junta médica com três profissionais de especialidade diferentes. "Hoje a situação dela é bastante complexa. Ela apresenta vários diagnósticos e por isso nós colocamos uma junta médica. Ela está sendo avaliada por três médicos e se o caso for de aposentadoria, que poderá ser, ela terá esse direito reconhecido", explicou a Superintendente Regional do INSS, Dulcina Aguiar.
A superintendente também explicou porque os ex-servidores federais mostrados na reportagem do Fantástico conseguiram o benefício e a dona Marisa, que aparentemente sofre com vários problemas de saúde, enfrenta dificuldades para conseguir se aposentar. "O INSS é um regime geral de Previdência Social e o Senado é um regime próprio de previdência. Eles estão ligados ao regime deles, diferente do nosso que é geral", definiu Dulcina.
  •  
  •  
Documento emitido pelo INSS (Foto: Reprodução)Resposta do INSS enviado à dona Marisa nesta sexta-feira (24). (Foto: Reprodução)http://g1.globo.com/sp/mogi-das-cruzes-suzano/noticia/2013/05/inss-conclui-que-comerciante-com-cancer-tem-condicoes-de-trabalhar.html

8 comentários:

Heltron Xavier disse...

Uma decisão técnica porém corajosa.
A perícia médica não pode se deixar levar por pressão midiática ou quaisquer outras.

Diferentemente dos peritos judiciais. Ainda esta semana um colega local foi surpreendido por um juiz federal que aconselhou ser mais flexível e social nas suas interpretações antes de dispensá-lo.

O Fantástico deveria obter autorização para ler e apresentar os laudos desta junta para apresentar ao público e discutir tecnicamente a questão.

Francisco Cardoso disse...

E ai Garibaldi?

aldofranklin disse...

Vejam o detalhe:..as seqüelas nao apresentam agravamento..

Ela nao possuía qualidade de segurado quando deu entrada no beneficio! Começou a pagar depois que adoeceu! O beneficio dói negado por falta de qualidade! So ler a Sentença Judicial que Concedeu o Beneficio! Depois queria levar no grito! No Fantastico ate dirige! Os peritos da Junta nao queriam se lascar em conceder algo ilegal! Garibaldi queria fazer Política com o Chapéu alheio!
"Faça o Seguro antes de Roubar seu carro! Depois que rouba, ai fica difícil"

Eduardo Henrique Almeida disse...

Garibalde vai pedir espaço no Fantástico, defender os peritos e prestar um serviço de esclarecimento publico jamais feito. Assistamos próximo domingo!

Heltron Xavier disse...

Haha nunca se iluda!
Capaz de rolar é exoneração

Francisco Cardoso disse...

Garibaldi?? Cadê o twitter?

Heltron Xavier disse...

Embora entenda perfeitamente a posição do colegas, sou capaz de apostar que a mesma será aposentada pelo juiz federal, foi muito chocante a cena dela entrando no INSS de cadeira de rodas, mesmo que tenha dirigido seu veiculo e apanhado transporte publico, qualquer pessoa que nao entenda da matéria ficaria sensível. O episódio nao deixa de ser rico mesmo sabendo disso porque provoca uma discussão sobre o tema.

Heltron Xavier disse...

Seria muito oportuno um posicionamento do Dr.Sergio Carneiro sobre este caso