terça-feira, 24 de setembro de 2013

GESTÃO DE RISCO - UMA BRAVATA DA DIRSAT QUE CAIRÁ COMO UMA BOMBA NO COLO DO PRESIDENTE DO INSS

Em suas palestras o Diretor da DIRSAT, Dr.Sérgio Carneiro, tem frisado que não podemos e não devemos considerar o cidadão como "corrupto", que é um absurdo ele ter que provar sua doença, o que o tornaria cidadão de segunda classe em relação à outros países onde eles podem ficar até seis meses recebendo sem passar em perícia (citou a  Espanha como exemplo, claro, sempre eles) e disse que seu modelo prevê concessão automática de benefícios por um determinado período bastando apresentação de atestado. Diz que fraude tem em qualquer modelo e que existe "gestão de risco" justamente para verificar essa situação e que isso traria o cidadão como "partícipe ativo" na detecção da sua incapacidade.....

O que o diretor Carneiro não diz são três coisas:

1) Quem exige perícia não é o médico, é o Estado brasileiro. O perito é concursado para exercer uma função de estado. Ser submetido a uma perícia não é chamar a população de corrupta, é um mecanismo de coibir tentativas de fraudes ou detectá-las a tempo e, assim, garantir a segurança do dinheiro do trabalhador e o pacto de solidariedade previdenciária, as bases do sistema.

2) Os países que abdicam dessa verificação usual estão, como a Espanha, passando por situações como essas






3) Como não se preocupar com o risco se, no sistema atual que prevê perícias, já temos tanta corrupção e roubalheira? Se fossemos tão "carneirinhos" assim, porque gastar recursos com uma Força Tarefa Previdenciária? O Diretor Carneiro pretende abrir o sistema mesmo diante do quadro abaixo, fornecido pela Força Tarefa Previdenciária:


Com dados compilados até setembro/13, já somamos 335 operações com mais de 500 servidores presos e mais de 5 bilhões de reais em prejuízo apenas com essas grandes fraudes reveladas, ainda faltam as não reveladas e as fraudes miúdas, fora do foco de ação da Força Tarefa.

O INSS tem ou não tem motivos para exigir perícia de seus segurados? Quem vai assinar a gestão de risco de um INSS sem perícia?

Quem responderá junto ao TCU, CGU, MPF, Justiça Federal, se o INSS optar por um sistema de liberação de benefícios sem perícias, sabendo desse histórico acima? O DIRSAT? Nunca. Será o Presidente do INSS e o Ministro da Previdência em última análise. No dia que isso estourar, eles terão seu CPF travado para sempre enquanto o lindo discurso do DIRSAT vai estar já bem longe, talvez em algum órgão da OPAS, quem sabe? Joga a bomba e vai embora, clássico.

A solução para acabar com as filas de perícia é acabar com a perícia, essa tem sido a tônica da atual gestão. Não irão acabar e só vão conseguir atrasar indefinidamente uma solução definitiva para o problema.

Para saber mais:

2 comentários:

aldofranklin disse...

O cara é esperto!
" o povo Braileiro nao pode ser tratado como Corrupto! O povo Brasilero é aguerrido, lutador, qe nao foge das batalhas da vida e acima de tudo, tem uma honestidade ilibada! Não seja por que existir Perito, Fiscal da receita e Auditor do Trabalho! São todos desnecessários a Nação Brasileira! "

Um salve pro homem!
Um gênio, de grande saber!
A Pericia vai ser revolucionada!

Fernando Antônio disse...

Peritos do inss para as Juntas do Siass e para o PRP-inss.

Auxílio-doença só com o atestado.

PRP-inss multiprofissional para ytodos os auxílios-doença superiores à 12 meses.