segunda-feira, 23 de setembro de 2013

ALÔ MARIA MAENO!


21/09/2013 | N° 11796
SÃO FRANCISCO DE PAULA
Ex-prefeito vende atestados

São Francisco de Paula – O ex-prefeito Décio Colla (PT) foi denunciado em reportagem apresentada nesta sexta-feira no Jornal do Almoço, da RBS TV, pela venda de atestados médicos falsos para justificar ausências no trabalho. A reportagem foi feita pelo jornalista Guilherme Pulita, da Rádio Gaúcha Serra. Outro médico da cidade aparece efetuando a venda de atestados frios. No ano passado, Colla (foto) foi protagonista de declarações de grande repercussão. Ele acreditava que o mundo acabaria em dezembro devido a um grande terremoto, sucedido de um tsunami gigantesco, e aconselhou a população a estocar mantimentos.

Conforme a reportagem desta sexta-feira, foi a funcionária do setor administrativo de uma indústria de Três Coroas, no Vale do Paranhana, quem descobriu a fraude, que consistiria em trabalhadores de cidades vizinhas estarem comprando os atestados médicos falsos para justificar ausências. Durante dois meses, a reportagem investigou o esquema.

– No início, a gente falava: como é que os médicos de lá dão tanto atestados. Os médicos daqui não tinham tantos atestados. Tinha gente daqui indo consultar com os médicos lá. Iam e voltavam com atestados de 10, 12 dias, trabalhavam mais dois dias e apresentavam outro atestado – diz a funcionária no início da matéria.

Passando-se por um trabalhador de Gramado que precisaria fazer uma mudança e faltar ao trabalho, o repórter se identificou como Marcos Aurélio Fagundes na consulta com Colla e como Marcos Aurélio Barbizan com o outro médico, Ricardo Paiva Godinho. Esteve no consultório de ambos e comprou os atestados. Colla vendeu o atestado para dois dias por R$ 20 e Paiva Godinho, por R$ 50 para quatro dias.

Dias depois, a reportagem questionou os profissionais sobre a prática. Colla negou ter assinado o atestado, mesmo recebendo uma cópia. Conforme a reportagem, Paiva Godinho confirma o atestado e garante que o repórter passou por consulta. Ele disse que não comercializa atestados. O caso será investigado pela Polícia Civil e o Conselho Regional de Medicina (Cremers) vai instaurar sindicância. O presidente do Cremers, Rogério Wolf de Aguiar, explica que, encontrados indícios de falta ética, será aberto processo ético-profissional que resultará em julgamento pelo conselho.

2 comentários:

Heltron Xavier disse...

Quero ver o novo modelo se saindo nessa...

Alexander Kutassy disse...

Principalmente porque revestirá todo e qualquer Atestado de uma oficialidade que impedirá qualquer suspeita de "irregularidade". Quem sabe o empresariado começará a sair da casca ao perceber que a metade da folha salarial será mera virtualidade (a outra metade, ou mais, andará roendo tal qual cupins a cornucópia previdenciária. Neste país a proporção de 'encostados' é o dobro de outros países!) Todos os emissores de Atestados, afinal, exercerão apenas honesta assessoria médica. Duvido haver multiprofissionais que se arvorem a contestar o que médicos atestarem. Agora, enfrentar peritos médicos... neguinho pensa duas vezes. E mesmo assim, vejam o que acontece.