terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

AS GRANDES PATRANHAS DO PADILHA - CAPÍTULO 2

"NÃO PRECISA SABER PORTUGUÊS"

O ex-Ministro Alexandre Coxinha, o Padilha, é especialista na arte da patranhagem para ocultar a verdade dos fatos em interesse próprio. Em palestra aos escravos cubanos recém-chegados ao Brasil, proferiu o seguinte discurso: "Eu já atendi a vários povos indígenas sem falar a língua deles(...) Salvei vidas"

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/08/1332082-nao-sintam-vergonha-de-nao-saber-falar-portugues-diz-padilha-a-estrangeiros.shtml

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,nao-sintam-vergonha-de-nao-falar-portugues-diz-padilha,1068148,0.htm

No discurso espúrio, minimizava a óbvia crítica da dificuldade de se atender a uma população carente e com baixa escolaridade sem saber dominar o básico da língua local. Dizia que "o amor" era mais importante. Chegou a definir o conceito de "amorosidade" no Diário Oficial da União, cúmulo da pieguice (http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/11/1374354-diario-oficial-define-amorosidade-para-o-sus.shtml).

Obviamente essa farsa tinha perna curta e começaram as críticas da população à dificuldade em entender o portunhol dos intercambistas:

http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2013/10/08/interna_gerais,457254/problema-de-idioma-adia-inicio-de-trabalhos-de-medicos-estrangeiros-em-minas.shtml

http://www.diariodoaco.com.br/opiniao.aspx?cd=2867

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/138605-medico-cubano-usa-interprete-para-atender.shtml

Inclusive o garoto-propaganda do Mais Médicos, o que foi usado na armação da vaia em Fortaleza, precisou de ajuda: http://nilljunior.com.br/blog/cubano-vaiado-em-fortaleza-atende-indios-com-traducao-de-enfermeira/

Óbvio que não tardaria até problemas mais sérios começarem. Bento Gonçalves-RS puxou a fila. Primeiro afastou:

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2014/02/com-dificuldade-para-falar-portugues-medico-cubano-e-afastado-no-rs.html

Por fim, será "devolvido" como se fosse mercadoria com defeito: http://www.perito.med.br/2014/02/caso-bento-goncalves-cubano-que-nao.html

O tema fez a festa dos chargistas país afora:


Por fim, o discurso da "amorosidade" do Padilha era apenas mais uma patranha do Ministro candidato, príncipe da escravudão cubana e poste de Lula. A população sofre sem entender as condutas e orientações e as cubanadas se proliferam como chuchu na serra.

Um comentário:

Leonardo F. disse...

Tudo para chegar ao poder, e tudo e mais um pouco para continuar no poder. Fora corruPTos!!!!