sábado, 8 de junho de 2013

PERÍCIA MÉDICA É CULPADA PELA FALTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

Desemprego e fome desesperam família
Sem trabalho desde que se descobriu com câncer, mulher não consegue manter o sustento de filhos e netos
VINICIUS MAMEDE
Em 08/06/2013, 03:30


A situação na casa da doméstica Maria do Carmo Ramos, de 47 anos, não poderia estar pior. Maria e praticamente toda sua família estão desempregadas e sem qualquer fonte de renda há mais de um ano, principalmente por motivos de doenças. Maria, por exemplo, foi diagnosticada com um câncer de mama e, apesar de na época trabalhar com carteira assinada, não conseguiu dar entrada no benefício por não ser aprovada na perícia do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS).

A negativa dos peritos do INSS não parece nada sensata, visto que Maria perdeu, inclusive, um dos seios por conta da doença. O saldo dessa insensatez é a impossibilidade da doméstica em comprar alimentos para a família e manter o tratamento do câncer por não ter dinheiro sequer para o coletivo.

Apesar de todo o esforço, o marido de Maria, o servente de pedreiro Sandoval Rodrigues de Barros, 52 anos, também não tem conseguido fazer muito pela mulher ou pela família. Sandoval sofre com problemas circulatórios e há alguns anos precisou deixar a construção civil por não render tanto como deveria. “Já não consegui mais carregar coisas pesadas e nem mexer a massa”, explicou ele. Desde então, ele vive de pequenos bicos limpando lotes na vizinhança ou fazendo pequenos serviços de pedreiro.

Netos
O que Sandoval ganha é revertido quase que exclusivamente aos netos, os pequenos Carlos Eduardo, de 6 anos, Pabline, também de 6, e Higor, de 3. Carlos Vive com a família desde que nasceu, enquanto os outros se mudaram recentemente para a casa dos avós, logo que a mãe deles perdeu o emprego e, de quebra, o companheiro. Por isso, hoje todos dependem unicamente do pouco que o avô consegue com bicos esporádicos.

Não bastassem todos esses problemas, Maria dá conta de que a família ainda corre o risco de perder a casa em que vivem por conta dos vários anos de impostos atrasados. De acordo com ela, uma carta foi enviada a casa simples dando conta de que seriam despejados imediatamente caso não pagassem os quase R$ 500 em impostos acumulados há mais de 15 anos. Apesar de ter corrido atrás de parentes para tentar saldar a dívida, ela diz que ainda hoje não conseguiu nem metade do dinheiro que precisa.

3 comentários:

Francisco Cardoso disse...

Impossível uma portadora de câncer de mama ter sido considerada APTA. IMPOSSÌVEL. Provavelmente não tem condição de segurada.

RMM disse...

Bem a reportagem fala que ela tinha carteira assinada e isenta de carencia... Se tinha carteira assinada e isenta de carencia nao pode ser falta de condicao de segurada... A nao ser que seja fraude ou que o administrativo nao tenha feito o trabalho dele. Eu ja vi coisas absurdas, que nao dependem de tecnica, mas de bom senso. Ex. cirurgia de coluna (nao me lembro mas acho que foi laminectomia), em bracal pesado com DCB de 11 dias. Que passou inclusive por PR e revisao analitica. Ou uma segurada ulceras de mais de 15 cm nas duas pernas e que foi indeferido por parecer contrario. Entrou em BI em 2004, claramente era DID e DII anterior, mas que na epoca nao foi fixado corretamente. Casos simplesmente destroem a nossa imagem.

monalisa disse...

Pois é, também já vi alguns absurdos desses, infelizmente. Isso destroe a nossa imagem, sem dúvidas.