quarta-feira, 25 de agosto de 2010

CRIME PASSIONAL - A AUTARQUIA AMEAÇA MATAR A PERÍCIA E SE MATAR EM SEGUIDA

SE A PERÍCIA MÉDICA NÃO É MINHA NÃO É DE MAIS NINGUÉM

"Em um ato de terrorismo profissional os peritos médicos previdenciários receberam nesta quarta-feira um e-mail apócrifo, distribuído pela rede institucional do INSS, informando a edição de uma suposta Medida Provisória acabando com a perícia médica previdenciária. No texto divulgado, a suposta MP traria as seguintes alterações:

• Redistribuição dos peritos médicos para alguns órgãos entre eles, o SUS, com possibilidade de livre cessão entre os órgãos;

• Autoriza o Presidente do INSS, a contratar profissionais médicos para a realização de perícia médica quando o processo de atendimento for descontinuado, alterando a Lei 11907/2009;

• Altera ainda a Lei 8213/91, uma vez que permite a presunção da incapacidade laboral do segurado, sem a necessidade de avaliação médico-pericial"

Leia mais na página da ANMP

AMEAÇADA DE MORTE SE NÃO VOLTAR PARA OS BRAÇOS DO AGRESSOR.

6 comentários:

Heltron Israel disse...

Saibam que a medida não desagradou tanto assim alguns. Primeiro porque farão assistencia muito mais prazerosa e sem trabalhar com riscos de vida e ameças constantes e melhor ganhando a mesma coisa. Depois porque ficarão sem Ponto Eletronico e bem longe de quem lhes odeia, trabalhando com outros que talvez até lhe valorizem. O estado surtou... Fazer esta confusão todinha por causa de seis horas? Que em todo canto se faz? Ora todos sabem que é regulamentado 6 ou 7 horas para 40 horas na AGU, CGU, MPU, Justica Federal e... outros.

É muita inabilidade política...

Alessandra disse...

Eu acho engraçado , que os mesmos juízes que determinam o atendimento emergencial , até 15 dias para a realização das perícias , demoram anos com um processo judicial . Muitas vezes , deixando vidas em suspenso , sem destino , aguardando uma decisão da justiça . Por causa da morosidade do judiciário , trabalhadores , cidadãos ficam a deriva na espera de soluções para os seus problemas .
Porque o MPF não sugere a contratação de emergência e temporária de advogados para atuarem como juízes enquanto não se resolve o problema da morosidade do judiciário , aliviando a imensa fila de processos que aguardam uma solução .
Será que eles não pensam que contratar médicos para atuarem como peritos na decisão de incapacidade laboral ou invalidez ; é o mesmo que contratar advogados para atuarem como juízes . O raciocínio é simples . Em ambos os casos , sempre as partes , no nosso caso , o segurado , ganhariam a ação ou o benefício . Médicos ou advogados contratados tenporariamente , hipoteticamente , não tem obrigação da isenção ou da imparcialidade . Seriam parciais e assistencialistas . Quando o que se quer no judiciário é alcançar o maximo de justiça possível . Na previdência , o uso de recursos somente quando verdadeiramente há incapacidade , pois todo o dinheiro é do trabalhador e para o trabalhador , nos momentos de invalidez permanente ou temporária por doença e na velhice .
E , obviamente sabendo usar não vai faltar ; e não vai faltar para quem realmente mais precisa da previdência , os trabalhadores .

Somente com a valorização e o respeito a carreira , que se construirá uma previdência mais justa . Por isso , a necessidade de perícias somente serem feitas por profissionais de carreira de estado , bem estruturada , regulamentada e remunerada .

Fazer perícia é fazer justiça .

Sandra disse...

Isso é legal?Temos uma lei que nos regula,pode uma MP derruba-la assim,de imediato?Isso é realmente verdade ou é apenas terrorismo para que a greve se resolva logo? Eu irei pro SUS fazer ambulatório de minha especialidade e ganhando o mesmo salario??????SEm ponto???

José Eduardo disse...

Lá em Portugal isso é conhecido como atitude de pouca inteligência. Pois bem, ficaremos livres do "SISFERRE" ou vão contratar servidores, comissionados "of course", para nos fiscalizar pessoalmente?. Desde já me prontifico a ajudar o ilustre ministro. Colocarei cartazes nas faculdades privadas que jorram médicos analfabetos. Podemos também contar com ajuda do bolivianos e cubanos. Já pensou na excelência da perícia??. Outra idéia bacana é incluir perícia médica no internato das faculdades ou até mesmo como parte do serviço militar obrigatório. Lá em Manaus tá faltando perito médico e médico. O Dr vai lá, opera e ele mesmo aposenta. Pena que não dá pra por a musiquinha dos trapalhões aqui.Ê, ministro, se chover cangalha no seu gabinete, não fica uma no chão...

EU POR MIM MESMO disse...

Em país que se acomoda com bolsa-familia, que está no encosto é rei.
O Perito Médico está literalmente ferido de morte!
O meu meu mêdo como perito também ( há 18 meses,graças a Deus, aposentado) era que o passado voltasse! Está voltando e o INSS A CADA DIA SE PARECE MAIS COM UMA CASA DE ENCOSTO !
É a vingança de "OXALÁ"?

EU POR MIM MESMO disse...

Previdência aposta no acordo- O DIA, on line-26 de agosto de 2010
Ministro Carlos Gabas afirma que confia no entendimento com médicos, para não ter que terceirizar perícia no INSS

POR LUCIENE BRAGA

Rio - O Ministério da Previdência ainda estuda como serão feitas as contratações de peritos médicos terceirizados, para assegurar o agendamento de perícias no INSS em até 15 dias. Ontem, o ministro da Previdência, Carlos Gabas, afirmou ainda ter convicção na negociação com a categoria, para não ter de seguir a determinação da 19ª Vara da Justiça Federal de São Paulo, em resposta à ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal válida em todo o País.

Embora Gabas atribua a negociação para o fim da greve à Federação Nacional dos Médicos (Fenam), a Associação Nacional de Médicos Peritos (ANMP) alega que a instituição não representa a categoria. A decisão judicial que ordenou a contratação emergencial de médicos terceirizados, na terça-feira, gerou constrangimento para os peritos.

Eles alegam ter circulado na rede informatizada do INSS uma carta com a informação de que a carreira dos peritos médicos previdenciários seria extinta. O documento dizia, ainda, que os peritos seriam redistribuídos para órgãos públicos, como os hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) e que a incapacidade para o trabalho seria constatada sem a necessidade de avaliação médico pericial e outras medidas.

Hoje, assembleia da ANMP vai rediscutir os rumos da greve, iniciada em 22 de junho e que já teria impedido a realização de 400 mil perícias em dois meses. A primeira reunião sobre a determinação da Justiça foi realizada ontem. A Previdência, no entanto, ainda não definiu o modelo de contratações temporárias. Na sentença , o juiz José Carlos Motta diz que o direito de greve, resguardado pela Constituição, “não pode prejudicar a coletividade”.