segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Neste país, a má-fé é problema de quem foi enganado e não de que engana. No INSS temos decisão semelhante.

29/10/2012 - 15:52 | Fonte: TJDFT
Doença pré-existente não pressupõe má-fé do segurado que contrata seguro de vida

A 1ª Turma Cível do TJDFT negou recurso a Bradesco Vida e Previdência S/A que se recusava a honrar apólice de seguro de vida de uma segurada que faleceu vítima de Hepatite B. Os julgadores, à unanimidade, discordaram da tese da seguradora de que a segurada agiu com má-fé ao esconder doença preexistente no ato da contratação do seguro.

A seguradora informou nos autos que a beneficiária do seguro de vida executou o título extrajudicialmente, pretendendo o recebimento do prêmio da apólice. Porém, após a morte da segurada, por falência múltipla dos órgãos, em 2009, foi instaurada sindicância na qual se averiguou que, anteriormente à contratação, a mulher já era portadora de Hepatite B, causa do óbito. De acordo com a seguradora, a contratante agiu com má-fé ao deixar de informar a preexistência da doença grave, em total ofensa ao princípio da boa-fé objetiva e ao contrato celebrado (artigo 766 do Código Civil). Diante disso, pediu a extinção da obrigatoriedade de pagar o prêmio à beneficiária do seguro.

Na 1ª Instância, a juíza da 7ª Vara Cível de Brasília julgou improcedente o pedido da seguradora e condenou-a ao pagamento das custas judiciais e dos honorários advocatícios, arbitrados em R$ 1mil. Inconformada, a parte recorreu à 2ª Instância do Tribunal, mas também não obteve êxito no pleito.

De acordo com o relator do recurso, “a lei consumerista, nos contratos de adesão, impõe que as cláusulas contratuais deverão ser redigidas com destaque, permitindo sua imediata e fácil compreensão, presumindo-se sempre a boa-fé do consumidor, cabendo à outra parte provar a má-fé. Além disso, a pré-existência de doença não é suficiente para presumir a má-fé do segurado, pois cabe à seguradora tomar as cautelas devidas, sob a saúde pretérita dos seus novos clientes”.

Não cabe mais recurso da decisão no âmbito do TJDFT.

2 comentários:

aldofranklin disse...

No INSS é igual! O cara fica doente e COMEÇA a pagar! O Perito nega e o JUIZ concede!
Pra que pagar a vida toda? Eu já falei pra minha mãe...

Vandeilton disse...

Eu fiz ao contrário. Paguei para minha mãe até ela se aposentar por idade.
.
Independentemente do que se diz, do que acontece, de quem faz o quê e do que os juízes dizem atualmente (e PRINCIPALMENTE de como as coisas serão tratadas e julgadas no futuro), posso ter a consciência tranquila de que fiz o certo.
.
Desta forma asseguro a mim e à minha mãe que NINGUÉM, em momento algum, poderá me lançar em rosto qualquer coisa a respeito da dita aposentadoria.
.
O que vale é a consciência, e não o que os outros fazem.