quinta-feira, 22 de agosto de 2013

DIFICULDADE PARA BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE

Mulher com sérios problemas de saúde tem benefício cortado pelo INSS; Defensoria acompanha o caso

A ex-lavradora, Antonia Maria Rocha Borges, de 45 anos de idade, que reside na localidade Cajuí, Zona Rural do municipio de Esperantina, que carrega consigo uma série de problemas de saúde, teve o seu benefício do Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS, cortado, recentemente.

Antonia Maria, que é casada e mãe de três filhos, vem sofrendo a vários meses de um grave problema de saúde, depois que a mesma realizou uma cirurgia em Teresina para a retirada de um caroço localizado na barriga.

Segundo a ex-lavradora, a referida cirurgia foi feita na Policlínica e o médico que fez a mesma, chegou a perfurar o seu instetino, acarretando assim com o passar do tempo uma série de problemas na sua saúde.

Antonia Maria disse que já foi submetida a seis cirurgias e ainda não ficou boa.


“Desde quando eu fui operada pela primeira vez na Policlinica que a minha vida virou um tormento”, disse a ex-lavradora.

Antonia Maria declarou que o dinheiro que recebia do INSS, servia para ajudar pagar uma pessoa que lhe ajudava no banho e na limpeza de sua residência, em razão da mesma desde que realizou a primeira cirurgia não consegue mais fazer nada sozinha.

“Eu não consigo me abaixar direito e muito menos fazer outros tipos de serviços, em função das dores fortes que sinto até hoje”, disse Antonia Maria.

Vale ressaltar que a ex-lavradora, não consegue entender porque com todos esses problemas os peritos do INSS suspenderam o seu beneficio.


“Embora o dinheiro do beneficio fosse pouco, mas mesmo assim, Eu conseguia tirar a quantia de R$ 230,00 reais para pagar a moça que me ajudava em minha casa”, falou a paciente.

Já a representante da Defensoria Pública do estado do Piauí, no municipio, Dra. Príscila Gimenes do Nascimento, relatou que vai entrar com dois processos, sendo um por indenização, em razão do erro médico e outro contra o INSS, por ter negado o auxílio doença a referida paciente.

2 comentários:

aldofranklin disse...

Isso ai é Brasil! O medico é demonizado!
Nem a profissao de Policial é tao arriscada como essa...

Fernando Antônio disse...

Para a humanização e melhor atendimento médico-pericial no INSS é fundamental o INSS disponibilizar/garantir o mínimo de 30 minutos por cada atendimento médico-pericial/INSS.

Atualmente a média de tempo de 20 minutos é insuficiente para um atendimento correto, com avaliação dos detalhes da história dos sintomas e sinais do paciente, com avaliação de detalhes do exame físico, com avaliação de detalhes dos exames complementares de laboratório e de imagens como RX, tomografias, ressonâncias magnéticas e outros além de análise detalhada sobre as condições de saúde do segurado/INSS, os tipos de trabalhos que o segurado/INSS exerce ou já exerceu, suas condições sociais/familiares, sua carga cultural/grau de escolaridade, cursos realizados e o enquadramento ou não nas Leis Previdenciárias.

Não se pode ultrapassar o quantitativo de 12 perícias médicas do INSS no período de 6 horas de atendimento à população para se propiciar a possibilidade de um atendimento médico-pericial de qualidade ao cidadão segurado do INSS.