domingo, 11 de agosto de 2013

SETE ERROS DO PROGRAMA "MAIS MÉDICOS" - OU SERIA "MAUS MÉDICOS"?

1) Na ausência de políticas reais para a saúde, o Governo Federal investe em medida autoritária e artificial atropelando o Congresso sem discussão com a sociedade e com os especialistas.

Os médicos já treinam no SUS em seus 2 anos de internato, mesmo os de faculdades particulares pois estas mantêm convênios muitas vezes informais com hospitais do SUS.
A falta de médicos no SUS é devido a ausência de uma carreira de estado, salário, estrutura e segurança, agravada pela ação persecutória do MPF contra vínculos de médicos públicos, o que afastou os poucos que ainda apareciam no interior. Para compensar esse déficit, porém, o governo tenta na força impor um serviço civil obrigatório aos médicos travestida de "ação social" e invertendo a culpa colocando nos médicos a responsabilidade de não quererem "trabalhar" omitindo as condições precárias em que esse trabalho é oferecido.
 
2) Trabalhadores que irão receber "bolsa de estudo" ao invés de salário, precarizando o emprego e negando direitos sociais.

O mesmo programa que se diz imbuído de espírito social esqueceu de dar esse espírito ao principal responsável, o médico, que recebendo "bolsa" travestida de salário não terá direito a garantias trabalhistas básicas como férias, FGTS e décimo-terceiro, dentre outros. Se adoecer, ficará sem a bolsa e se quiser sair terá que devolver o dinheiro. Para dar uma capa de legalidade, chamam o trabalho médico de "aperfeiçoamento em serviço" como se fosse um programa educacional, que não o é. Somente um pilantra como o infiltrado petista no STF pode achar que isso é legal. Na verdade isso são medidas de exploração de mais valia e expropriação de direitos trabalhistas com o objetivo inconfesso de rebaixar o salário dos médicos.

3) Mais Médicos com mais desvio de dinheiro público e privatização.

O pagamento dessas pseudo-bolsas será realizado pela autarquia EBSERH, conhecido como Cooperativão do Lula, que na verdade é a boa e velha terceirização do serviço público, dispensando concursos, licitações e demais obrigações do ente público. A ausência de controle dessas verbas é um verdadeiro mar aberto para desvios e mau uso do dinheiro público.
 
4) Não faltam médicos nem faltam cursos de medicina no Brasil, falta democratização do acesso aos mesmos e a distribuição geográfica é irregular.

O Brasil já possui 2 médicos por 1.000 habitantes, quase igual aos EUA (2,4). Países com relações maiores não apresentam um sistema de saúde melhor, como Rússia, México e Argentina (>3,0). Não há relação direta entre número de médicos e bem estar sanitário quando a relação supera 1:1000 (clique aqui); O Brasil já possui mais faculdades de medicina que a China (1,2 bilhões hab) e os EUA (400 milhões de hab). A mera presença de uma escola médica não ajuda a fixar o médico no local (clique aqui). Mesmo assim, faltam médicos em vastas regiões do Brasil, COINCIDENTEMENTE em áreas onde também faltam energia elétrica, saneamento básico, rodovias, dentre outros. A resolução desse problema se dá com investimento no SUS e uma carreira de estado ao médico que lhe assegure condições de trabalhar em locais remotos.
 
5) Não é possível aumentar a oferta de cursos de medicina e vagas de residência médica sem aumentar o investimento no SUS.

O Brasil só investe 3,9% do PIB em Saúde enquanto países com sistema universalizado de saúde como o nosso investem em média de 15 a 20%. A atual estrutura só consegue oferecer vagas de Residência Médica a 40% dos formandos. O governo que aumentar em mais 11.000 formandos/ano e a pergunta que se faz é em quais hospitais e com quais docentes esses médicos aprenderão medicina e farão residência médica? Cheira a mais uma desculpa para jogar dinheiro público em hospitais privados para suprir a demanda do SUS.

6) Não se faz saúde sem médico, mas também não se faz apenas com médicos.

Onde estarão os enfermeiros, técnicos, farmacêuticos, dentistas, assistentes sociais, etc, necessários para o funcionamento mínimo de um complexo básico de saúde? Onde estão os insumos, remédios, exames, hospitais, aparelhos e demais meios necessários para oferecer saúde? Durante 25 anos o SUS bateu a tecla da chamada "saúde multiprofissional" e na hora de implementá-la só chamam os médicos? Então o discurso de saúde multiprofissional é uma mentira? Claramente aqui se vê uma tentativa de tapar buraco com viés eleitoreiro ("mais médicos") em uma criação de uma medicina de pobre para pobre.
 
7) Médicos estrangeiros, "intercambistas", sem revalidação de diploma, é um embuste para o exercício ilegal da profissão médica.

Trazer médicos de fora sem submetê-los a testes de proficiência em português e de medicina é mais que uma ofensa aos brasileiros, é quase uma tentativa de homicídio coletivo. Na saúde básica, mais que em qualquer lugar, a conversa com o paciente é fundamental. Como irão conversar em línguas estranhas? Um erro de interpretação pode matar o doente, sem falar que não sabemos quem são e de onde vieram esses "estrangeiros" e qual a sua expertise. Com certeza uma farsa para legalizar as centenas de companheiros já enviados à Cuba para estudar medicina e que fracassaram em revalidar o seu diploma no Brasil, prova de que a formação lá fora é muito, muito precária.


O governo petista está destruindo o que havia sobrado do SUS nas gestões presidenciais antigas. Hoje em dia a medicina privada é maior e investe mais em saúde do que a pública. Numa inversão de valores, o SUS hoje é que é o complemento da saúde privada. Falta de investimentos, roubos, fraudes, ausência de estrutura física e de carreira pública associado a ministros ineptos e gestores incompetentes e corruptos estão destruindo o sonho do SUS, que é usado apenas como política focal e gestora de votos de cabresto onde o postinho é o curral eleitoral do partido no poder. É nesse contexto que devemos entender o Mais Médicos, que deveria ser chamado de Maus Médicos.

Um comentário:

aldofranklin disse...

Governo é hipócrita!
Acha que apenas com médicos vai resolver os Problemas de Saúde no Brasil?
Sem os outros profissionais de Saúde?
E a Justiça? Por que não leva advogados para defender a População pobre? e por que não leva Engenheiros para construir Casas pra Pobres?
HIPOCRISIA!
Governo é tão hipócrita que quando você pensa em Saneamento básico, só metade dos lares possuem!
E a dinheirama que foi arrecadada foi distribuída entre os Políticos via Mecanismos de Corrupção! Não houve melhora nenhuma na Educação! Ora se a Educação melhora, o povo torna-se mais exigente de seus direitos e isto os Políticos Brasileiros não querem! Preferem ter uma massa de manobra que se contenta com Bolsas e Benéfices!