domingo, 20 de fevereiro de 2011

JORNAL MOGI NEWS

O advogado Epaminondas Nogueira explica que um grande problema é a divergência entre o médico dos cidadãos que procuram a Previdência Social em caso de auxílio e os peritos do próprio INSS. "Os médicos da empresa falam que a pessoa não tem condições de trabalhar, enquanto os peritos alegam que ela tem".

As pessoas que buscam auxílio jurídico para resolver suas questões previdenciárias são encaminhadas para o Juizado Especial. "O juiz as encaminha para uma nova perícia. Para isso, ela pega um atestado com um médico e faz a perícia. Se o benefício for negado, ela marca nova perícia e começa o ciclo de novo. É muito sofrido", ressaltou Nogueira.

Para o advogado, a perícia do INSS ficou mais rigorosa nos últimos tempos e vem negando diversos pedidos. "Ele (INSS) já foi mais liberal, mas agora os peritos estão recebendo orientações mais rigorosas". Para Nogueira, uma reforma previdenciária não mudaria a atual situação em que o País se encontra. "Não vejo nada que resolva os problemas. Se o povo ganhasse bem, tivesse condições seguras de trabalho, o INSS teria menos conta para pagar e seria mais fácil receber algum beneficio, mas hoje as pessoas já entram nas empresas com o pé no INSS", opinou o advogado, que é especialista na área. (L.N.)

5 comentários:

Herbert disse...

Aleluia. Até que enfim ! Eis um advogado de verdade !

Mohamad Abbas disse...

"Ele (INSS) já foi mais liberal.."
Realmente Sr advogado, quando não se tinha a carreira de perito médico do inss, a previdência era a casa da mãe joana!

Heltron Israel disse...

"Liberal" - Lê-se, negligente com os conceitos de moralidade e eficiencia do serviço público e incompetente.

Herbert disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Herbert disse...

Era liberal sim. Ou alguém tem notícia de credenciado que foi pressionado a fazer a coia certa? Para perito concursado a previdenciária e os quesitos periciais são diferentes em relação aos credenciados? Foram anos de liberalidade, oba-oba e etc. Vcs acham que depois de uma longa era onde o que se via apenas "liberalidade" e os direitos sem os respectivos deveres, a população, os sindicatos, as máfias e etc e tal, vão engolir a cultura da boa gestão do auxílio incapacidade sem espernear?