quinta-feira, 13 de março de 2014

DESABAFO

APESAR DE TUDO, A MEDICINA É MELHOR OPÇÃO

"Acreditar na medicina seria a suprema loucura se não acreditar nela não fosse uma maior ainda, pois desse acumular de erros, com o tempo, resultaram algumas verdades."  Frase do Escritor Francês Marcel Proust

Colegas,

Lutem e sejam fortes neste momento, não há nada de novo e a medicina sempre foi incompreendida e atacada pelo povo de tempos em tempos. Sim, por séculos, vários dos nossos antecessores foram humilhados, exilados e decapitados por desmascararem as crenças de pessoas e também por interferirem nos negócios das outras pessoas que ganhavam dinheiro com elas.

Nada Mudou. Hoje, continuamos sendo amordaçados, açoitados e amaldiçoados. Só que, ao invés de uma morte em praça pública, temos uma desmoralização digital nos meios de comunicação. Ao invés do exílio, temos uma lei votada para assegurar a nossa desnecessidade. É duro. Parece, de repente, que não agradamos  a absolutamente ninguém, exceto alguns poucos que curamos.

Algumas das nossas técnicas mais consagradas voltaram a ser questionadas por pessoas sem qualquer autoridade científica (doulas, optometristas, cartomantes, xamãs e babalorixás). Nossos erros eventuais parecem ter apagado todos os benefícios que já trouxemos a humanidade. Tristemente os nossos maiores inimigos: a ignorância, a inveja e egoísmo, nunca estiveram tão poderosos. Guerra Covarde. 

Impressionante colegas! Hoje qualquer um assume o risco de duvidar sem pudor e medo algum. Duvidam porque não sabem, não sabem porque estão cheios de si. Tão cheios que se derramam em acusações e suspeitas levianas, precipitadas e irresponsáveis para outros, atiram ensandecidos para todos os lados, sem sequer dar conta do mal que podem causar a terceiros e a si mesmos. 

Nada é pior que a ignorância ativa e, no Brasil, nós vivemos no seu império.

Já nos rejeitaram no passado, nos açoitaram, duvidaram das nossas vacinas, das cirurgias, das anestesias, das receitas para chorarem lágrimas de sangue, suor e desespero. Será que a sociedade está fadada a jamais aceitar que o conselho de um médico é algo precioso e a sua rejeição um ato de extrema coragem?

À propósito, me desculpem aos que pensam ao contrário, mas eu penso que a Medicina nunca foi "exatamente" humana. Afinal, não é nada humano cortar uma pessoa quase ao meio, não é humano lhe aplicar uma medicação que a deixa quase morta, não é exatamente humano abrir o crânio de um cadáver num necrotério, tampouco aplicar injeções dolorosas nos nossos recém nascidos. Submeter-se a Medicina é como atravessar um abismo de penitências para alcançar a paz e a restauração. Ser médico é conduzir a pessoa por ele segurando em sua mão.

É isso. A Medicina causou, causa e continuará causando muita dor, angústia e sofrimento para atingir o objetivo de curar. Ela morre um pouco para outros tenham vida. A renúncia do calor humano e a frieza do médico é, muitas vezes, exatamente o que fará o paciente viver mais. Talvez o médico seja definido como "aquele que causa um sofrimento tentando evitar um maior, mas que, por alguns instantes, apenas ele está vendo".

E assim, de sofrimento em sofrimento que causamos, inclusive a nós mesmos, continuamos aliviando as dores das pessoas. De mentiras em mentiras que contamos, continuamos descobrindo e provando novas verdades científicas. De mortes em mortes imprevisíveis e infelizes conduzidas nossas decisões, continuamos salvando a vida de outros milhões. Não existe benefício sem sacrifício. Não existe amor sem perdão. Não existe médico sem sofrimento.

Não existe também uma solução em medicina que não crie um novo problema. A sociedade precisa aceitar o fato de que a medicina precisa ser tolerada e absorvida mesmo quando ela está oposta aos seus desejos. Não por uma questão de submissão, mas por uma questão de responsabilidade e necessidade. E se ninguém estiver do nosso lado, história estará.

Não sei como podemos evitar o manto de desesperança que nos abraçou depois de tantas perseguições, linchamentos e derrotas, mas peço que se consolem e esperem friamente porque que depois destes ciclos guerra, quase sempre, a história revela a verdade. E nela... estávamos certos o tempo inteiro. O Nosso Brio voltará um dia.

Heltron Xavier

Um comentário:

Omar Sales disse...

Sábias palavras, caro Heltron. Tenho de lhe confessar que o meu brio já se foi há muito tempo, mas, continuo enxergando a profunda beleza desse mister que abracei e amo, ainda que me traga alguns desgostos. Isso de ser tratado como bandido desalmado por toda a sociedade cansa e abate...mas, esperemos. O tempo é o senhor da razão. Omar.