quinta-feira, 15 de maio de 2014

LAUDO CUBANO É REJEITADO NO INSS

15/05/2014 07h41 - Atualizado em 15/05/2014 07h41
Laudo de médico cubano é rejeitado no INSS por preconceito, diz paciente
Morador de Piracicaba disse que perito discriminou profissional estrangeiro.
Previdência argumentou que segurado tem condições de voltar a trabalhar.

Do G1 Piracicaba e Região

Marcos Pascoal de Oliveira disse que perito teve preconceito contra médico cubano (Foto: Leon Botão/G1)

O operador de máquinas Marcos Pascoal de Oliveira, de 27 anos, alega que não conseguiu prorrogar um afastamento pelo Instituto Nacional do Serviço Social (INSS) porque o períto não aceitou laudo assinado por um médico cubano que trabalha na unidade do Programa Saúde da Família (PSF) do Jardim Gilda, na periferia de Piracicaba (SP). A negativa teria sido motivada por preconceito contra o profissional estrangeiro, segundo Oliveira. De acordo com o documento assinado pelo cubano, o rapaz não está apto a trabalhar. Já o perito da Previdência Social considerou o contrário.

"O perito nem olhou na minha cara direito, nem me examinou, me dispensou assim que viu que o receituário tinha sido feito por um médico cubano. Ele ainda falou que as recomendações dos médicos de fora não valem nada aqui no Brasil", afirmou Oliveira, que passou por consulta na última segunda-feira (12) com o médico Israel Reve Robles e se queixa de dores no corpo e problemas na visão causados por altos índices de diabetes e pelas fortes doses de insulina que toma. De acordo com o rapaz, a visão também está comprometida, o que o impossibilita de voltar ao trabalho.
Laudo de médico cubano afirma que o paciente
não está apto a trabalhar (Foto: Leon Botão/G1)

O laudo escrito por Robles afirma que "o paciente não fica apto para trabalhar porque apresenta dores nas pernas e nos braços, dor de cabeça e insônia". "O médico é muito bom, faz pouco tempo que ele trabalha lá no Gilda. A comunidade adora o trabalho dele, mas, infelizmente, por causa de médicos que têm preconceito, estou sem meu afastamento", lamentou o operário.

De acordo com Oliveira, mesmo que ele tentasse voltar ao trabalho, a empresa não o aceitaria e a família necessita do dinheiro. "Minha esposa está grávida e com anemia e também não consegue trabalhar. Tenho uma filha e dependemos deste dinheiro para sobreviver. Eu contribuo com o INSS desde meu primeiro emprego, aos 16 anos, e agora preciso da ajuda deles", disse o rapaz.

Prefeitura de Piracicaba
Vinte e cinco médicos de Cuba estão em atividade em Piracicaba por meio do programa Mais Médicos, do governo federal. Eles chegaram à cidade e foram recebidos pelo prefeito Gabriel Ferrato (PSDB) como a solução para o problema da saúde básica do município.

Sobre a reclamação de Oliveira, a Prefeitura informou, por meio de assessoria de imprensa, que não tem qualquer tipo de ingerência sobre o INSS ou sobre os profissionais que atuam no órgão federal. A Prefeitura afirmou também que os intercambistas do programa Mais Médicos são autorizados a trabalhar nas unidades do PSF pelo governo federal e para isso possuem o Registro no Ministério da Saúde (RMS), que os autoriza a exercer a profissão no país e a emitir documentos como receituários e atestados.

Resposta do INSS
Em nota enviada por assessoria de imprensa, o INSS relatou que Oliveira recebeu auxílio-doença entre novembro de 2013 e maio deste ano. "Ele teve o benefício negado neste mês porque a perícia médica do INSS avaliou que, embora possua a doença, pode desempenhar suas funções profissionais. Esclarecemos que a decisão de indeferir o pedido de auxílio-doença foi tomada com base em exame clínico feito pelo perito médico do INSS, levando em conta também os exames apresentados pelo segurado."

"Cabe ressaltar que a avaliação da incapacidade ou não para o trabalho cabe exclusivamente ao perito médico do INSS, não necessariamente de acordo com o atestado feito pelo médico que acompanha o tratamento do segurado. Por não concordar com a avaliação do perito médico, o senhor Marcos já marcou nova data para ser reavaliado pela perícia do INSS (pedido de reconsideração)", continuou a assessoria da Previdência.

9 comentários:

Francisco Cardoso disse...

Está corretíssima a atitude do perito: Primeiro que atestado mandando afastar já é pra olhar com desconfiança, quem é o perito é ele e não o assistente; Depois que cubanos não podem emitir atestados de saúde/doença conforme já explicamos aqui no blog, isso é prerrogativa legal dos médicos com CRM. Por fim, o cidadão alega problema de visão, né? Não preciso falar mais nada...

Marcelo Rasche disse...

6 meses de afastamento e não conseguiu controlar o diabetes....

Ighenry disse...

Como aceitar se os caras não são médicos e nem sabem português? Olha só a linguagem leiga do suposto atestado: "...porque ele apresenta dor nas pernas e nos brazos, dor na cabeza imsomnia". Esse país está ficando cada vez mais fuleiro!

Eduardo Henrique Almeida disse...

Ensinamento esquerdista assimimilado:
Teve pretensão contrariada, acusa de preconceito, racismo, homofobia que pode colar.

fernando luiz borges disse...

Tosco, deslapidado, demorou mas está chegando, cubanuz afastando apetraiada e nai vsi parar por ai Kissi fuckem all

Mariana disse...

Diabetes, doença que - ainda bem - tem tratamento; 06 meses depois e a doença continua tao descompensada assim? Ou é caso para o nivel secundario (e neste caso o proprio endocrino pode emitir o atestado), ou tem algo errado aí...

Paulo Castro disse...

Vivemos na terra da ignorância e dos que querem se dar bem a qualquer custo. A reportagem fala sobre "altos indíces de diabetes" e "fortes doses de insulina"...será que não podiam ter consultado pelo menos o Dr. Google? Todo mundo leigo nessa história: o cubano, o paciente e o repórter...será que voltamos à Idade Média?

Adrianus disse...

Oportunismo, malandragem, 171, Lei de Gérson, "se colar, colou" e por aí vai...
Unfortunately this is Banania, which it is not a serious country. And it will never be!

Mansano disse...

Todos deviam ter o nome divulgado...Comop não controlar a DM em 6 meses? Quais as doses dos medicamentos? SE DO SUS é ruim imagine de Cuba. SOu do SUS e sou Perito... tem algo de podre ai: