sexta-feira, 1 de março de 2013

FENASPS ACERTA AO DIZER QUE EXISTE GUERRA NA DIRETORIA DO INSS.

Este blog há muito tempo denuncia que existe uma guerra deflagrada na alta diretoria do INSS envolvendo o poder formal constituído pelo Presidente nomeado pelo governo e de outro lado o poder informal constituído por um grupo que comanda a máquina interna através de uma superdiretoria que controla a tudo e a todos transformando as outras em mero apêndices.

Este blog foi atrás da polêmica decisão do INSS em "acatar" a recomendação do MPF-SP e vimos que o presidente foi extremamente mal aconselhado a acolher os termos do MPF. Provamos que a recomendação nasceu de um processo viciado iniciado por 40 servidores ligados à uma das gerências que fazem parte do poder paralelo dentro do INSS que supostamente contrataram um caríssimo escritório de advocacia com fortes ligações com determinado partido apenas para retirar a conquista dos outros, nada para si mesmos, e que esse processo foi inflado e fermentado por um ofício encaminhado pela própria autarquia que continha erros primários de análise e julgamentos precipitados, quiçá direcionados (não duvidamos de mais nada), que serviu em cheio para o propósito do movimento.

Este blog desconstruiu os argumentos do procurador da república, do próprio INSS e por fim expusemos a lista de delatores que, caçados em sua própria gerência, enviaram sinais a este blog de que foram enganados. Pelo menos dois dos 40 fizeram chegar a nós mensagens de que foram enganados nas procurações que assinaram. Antes do caldo entornar, o poder paralelo mandou abortar a missão e com isso a presidência do INSS teve a clareza de revogar uma medida feita para detonar o próprio ocupante da cadeira máxima da autarquia.

Isto foi apenas mais uma das batalhas que se travam no INSS, que está refém desse grupo político que comanda a máquina interna e seu imenso poder político gerado pela inserção territorial e social da autarquia na República Federativa do Brasil. 

A próxima batalha se dará no campo do credenciamento ilegal de peritos, que está sendo fomentado no mesmo modus operandi em que se tratou a retirada das 6h. O credenciamento e o retorno da corrupção em escala industrial à perícia médica aumentará de sobremaneira o poder político dos que defendem essa tese.

O Presidente do INSS precisa ficar de olhos bem abertos pois está sentado em uma cadeira elétrica e se não se cercar de pessoas a quem possa ter a estrita confiança será levado a auto-acionar sua própria execução.

Um comentário:

aldofranklin disse...

então eu vou assinar uma procuração, reconhecer firma, e meter bala no MP pedindo o fim das 06 horas corridas. Se algo der errado eu "LULIZAREI" o negócio..."eu não sei de nada, eu não vi nada, eu não sei do que se trata..."

Fala sério!

Já o Presidente Lindolfo tem que ficar esperto! Depois que ele recem assumido veio com a conversa de terceirização, que la na Asia deu certo, que no Brasil ia ser uma maravilha, vc vê o assessoramento que o homem tem...Basta olhar a história recente das últimas terceirizações! Vc vê que o homem tá sendo enganado e induzido até mesmo para falar besteiras, motivo de chacota em corredores...E o Dinossauro é quem manda e tem tentáculos pra todo lado, por isso essa Autarquia não vai pra frente!
É preciso fazer uma faxina da pesada e afastar toda a gentalha que prejudica o Serviço Publico e por fim esse País, não querendo que ele vá pra frente!
Se eu fosse o Lindolfo ia meter o facão com gosto de gás!