quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

PSIQUIATRIA, TRISTE REALIDADE

28/1/2013 às 21h56
90% de diagnósticos errados de esquizofrenia prejudicam a população

DIÁRIO DA MANHÃ
MARCELO CAIXETA

Na medida em que realizo perícias de quase todos os casos graves de doença mental em Goiás (como médico perito judicial, psiquiatra, tendo-se em vista reavaliações para benefícios pelo INSS), um dado me chamou muito a atenção. Aproximadamente 90% dos diagnósticos de esquizofrenia estavam incorretos. As causas são múltiplas, e passo a enumerá-las abaixo tentando, com isto, ver se é possível minorar o intenso sofrimento por que passam todos os doentes com tais diagnósticos incorretos. Se, por exemplo, um adolescente, com psicose bipolar, alucina e delira, e, por causa disto, tem um diagnóstico incorreto de esquizofrenia, sua vida ficará eternamente comprometida por isto. Em primeiro lugar, deixará de ter um tratamento correto e, muitas vezes, eficaz (doentes bipolares - eu, por exemplo - podem ter uma vida praticamente normal , casarem-se , trabalharem, terem filhos, ou seja, serem felizes). Há muitos tratamentos hoje adequados para a doença bipolar, muitos levando à remissão dos sintomas, já a esquizofrenia é uma doença extremamente grave, com tratamento muito difícil, com muitas sequelas, incapacitações. Muitas medicações para esquizofrenia, além de não serem muito eficazes, quando usadas em doentes errados (com diagnóstico incorreto, p.ex.), podem produzir graves, definitivos e incapacitantes efeitos colaterais (p.ex., discinesia tardia, uma “lesão cerebral” que, uma vez feita, não tem mais como ser revertida). Então, um adolescente diagnosticado incorretamente como esquizofrênico, poderá ficar usando, para o resto da vida, medicação muito pesada, sedativa, que pode dar sérios efeitos colaterais; em síntese, pode ficar como muitos pacientes que eu vejo: engordando, em cima de uma cama, fechado em casa, fumando e bebendo café (o que acaba piorando mais ainda a própria doença mental). E, por causa da falta de tratamento para a doença bipolar, ainda tendo surtos depressivos, de agitação ou psicóticos. A causa mais comum de erro diagnóstico na esquizofrenia é a de se tomar como esquizofrênico um doente bipolar. Neste último pode haver alucinações, delírios, ideias de perseguição, isolamento social, sentimentos de influência, de prejuízo, de telepatia, controle da mente, de que “o estão xingando”, de que “estão falando mal dele”, medo psicótico de tudo e de todos, sensação de transformação e modificação do mundo, etc. Ou seja, pode ter todos os sintomas encontrados em certas “listinhas de sintomas esquizofrênicos” (tipo CID, tipo DSM), sem ser esquizofrênico. Além disto, a doença bipolar produz outros sintomas, tais como uso de drogas, transtornos de alimentação, hiperatividade, transtornos fóbicos, obsessivos e, sem diagnóstico correto, tudo isto também não é devidamente tratado. Tais erros acontecem porque, com o passar do tempo, a psiquiatria mundial americanizou-se e, como se sabe, americanos são e sempre foram muito ruins de psiquiatria. Criaram uma “listinha de sintomas”, chamada DSM, que hoje se disseminou, não só entre leigos como também, o que é trágico, entre psiquiatras. Esta “listinha” de sintomas diagnostica muito mal a esquizofrenia, a confunde com muitas outras doenças, daí o enorme prejuízo que causa à população. Por outro lado, muitos programas de formação de psiquiatras, as chamadas residências médicas, padecem dos disseminados problemas públicos : ou da falta de médicos nos serviços hospitalares ou do excesso de burocracia para abertura de vagas (muitos médicos que trabalham em psiquiatria, na verdade, não têm formação psiquiátrica adequada, entre outros motivos, por falta de vagas em residências médicas). Então, sem orientação, só com a “listinha de sintomas” em mãos, muitos futuros psiquiatras aprendem sua profissão sozinhos, sem contar com a experiência hospitalar de um médico mais tarimbado, isto é, só com a listinha na mão e o paciente à frente.

(Marcelo Caixeta, médico psiquiatra)

2 comentários:

EVANDRO afonso disse...

Olá doutor! Isso é o que observei quando precisei de um psiquiatra. Realmente esse comportamento justifica a fama que os psiquiatras têm, de um profissional frio e distante. Obrigado

Flavio Tavares disse...

tenho comprovado cid 10 f31.6 o perito me deu alta do inss epresa nao me aceita me encaminhou para o pisiquiatra esse disse que tenho que continuar afastado agora estou eu sem dinheiro ja nao sei mas oque faço me ajudem meus remedio terminam final do mes me dem uma ideia