quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

MPF, DESAVISADO, PUBLICA COM ATRASO MEDIDA QUE INSS JÁ REJEITOU. ESQUECERAM DE AVISAR AO PROCURADOR QUE A TABELINHA DEU ERRADO.

Saiu hoje no site da PRDC a notícia da recomendação do MPF em relação à jornada estendida do INSS. Falam como se fosse a solução dos problemas do INSS: Confinar o servidor a 9h dentro da APS.

Na notícia velha o procurador dá destaque à mentira que foi o cerne do pedido:

"“Isso ocasionou uma expressiva redução do número de atendimentos realizados, uma vez que o sistema disponibiliza senhas de acordo com o número de servidores à disposição”, explicou o procurador regional dos Direitos do Cidadão, Jefferson Aparecido Dias."
Mentira, senhor procurador. A APS disponibiliza senhas conforme a demanda do cidadão. Se o senhor tivesse ao menos se dado ao trabalho de LER a resolução 177 e não mandar um estagiário redigir a peça para ti, veria que nos primeiros artigos um dos critérios de concessão das 6h é a agência "atender toda a população presente na APS".

Em seguida revela o que a PFE-INSS disse a ele quando questionada:
"“vislumbrou-se que a adoção do regime proporcionaria o aumento em quantidade de horas destinadas ao atendimento ao público, distribuição de grade de agendamentos durante o dia, diminuição da sobrecarga dos sistemas e aumento da qualidade de vida aos servidores”. "
Mas depois mostra que a própria PFE, assinando em cima de uma análise equivocada e desprovida de fundamentação estatística, técnica, matemática ou epidemiológica, atribuiu a piora de alguns índices meramente à jornada estendida, findando com a própria PFE dizendo ao Procurador Jefferson que as 6h "não adiantaram" numa tabelinha inacreditável entre AGU e MPF. 

O MPF soube ver as estatísticas de tempo, grade e sistemas mas não se preocupou em ver a quarta justificativa dada na inicial, ou seja, se houve aumento de qualidade de vida dos servidores. Nem se preocuparam com isso pois para o MPF, o servidor que se dane.

Já o MPF pode forjar licitação para comprar IPAD3 e chamar isso de normal. Dois pesos e duas medidas.

Este BLOG desmontou a farsa dos "índices" e da "representação" e o INSS voltou atrás, sabiamente.

O procurador Jefferson quer mandar no INSS. Sugiro a ele que deixe seu cargo na PRDC e se candidate a Presidente do INSS.

3 comentários:

Fernando Antônio disse...

O Perito do INSS quando identifica um acidente de trabalho em que há suspeita de responsabilidade da empresa neste acidente, por falta de EPI por exemplo,,, deve ao finalizar a perícia solicitar o PAO (Processo Administrativo Previdenciário)deste segurado acidentado e fazer um despacho na última folha do PAP encaminhando ao SST para que este execute os ítens I e II do artigo 7º da OI 200/INSS. Deve o SST notificar/encaminhar esta suspeita do servidor Perito/INSS à procuradoria/INSS para que esta notifique esta suspeita ao Ministério do Trabalho (Auditores do Trabalho) e ao Ministério Público Federal do Trabalho para que estes órgãos competentes executem a investigação e auditoria nesta empresa para verificar se realmente houve/há responsabilidade da empresa sobre acidentes de trabalho ocorridos e realizar as devidas/legais notificações/multas. Em se confirmando responsabilidade da empresa o INSS pode posteriormente ingressar com ação regressiva sobre a empresa à fins de receber o valor indenizatório do período de licença médica/B91 do segurado/trabalhador acidentado.

aldofranklin disse...

Foi ele que tentou, sem sucesso, levar o pastor Silas Malafaia às barras dos tribunais quando este protestou contra o uso de santos católicos em situações homoeróticas numa parada gay?

É o mesmo que de mobilizou para caçar e cassar todos os crucifixos de prédios públicos?

Foi ele que queria trocar a cor da bandeira do município de Marília-SP, adotada há 03 décadas de uso, para o vermelho?

Foi ele que queria que durante o BBB, exigia que a emissora explicasse as forma de transmissão do HIV?

É verdade que o mandato dele à frente da PRDC encerra agora?

O Ex-Presidente Sarney disse que a atitude dele é "eu acho que isso é falta do que fazer?"

Esse é o Procurador que queria retirar o nome de Deus nas cédulas de R$ 1,0 real?
Vejam a argumentação neste caso:
“A manutenção da expressão ‘Deus seja louvado’ [...] configura uma predileção pelas religiões adoradoras de Deus como divindade suprema, fato que, sem dúvida, impede a coexistência em condições igualitárias de todas as religiões cultuadas em solo brasileiro (…). Imaginemos a cédula de real com as seguintes expressões: ‘Alá seja louvado’, ‘Buda seja louvado’, ‘Salve Oxóssi’, ‘Salve Lord Ganesha’, ‘Deus não existe’. Com certeza haveria agitação na sociedade brasileira em razão do constrangimento sofrido pelos cidadãos crentes em Deus”.

Parabens Sr. Ex-Presidente José Sarney...

Francisco Cardoso disse...

Tomar um fora de uma pessoa com a estatura moral do Sarney não é pra qualquer um não.

Só perde para o Gurgel tomando "pescotapa" do Collor e ficando quieto.