terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

ANÁLISE DO OFÍCIO DA PFE MOSTRA QUE INSS NÃO PODERIA TER ATRIBUÍDO PIORA DOS ÍNDICES À JORNADA ESTENDIDA

A pedido do Sindicato Nacional dos Peritos Médicos, este blog teve acesso ao conteúdo completo do Ofício 28/2013/PFEINSS/PGF/AGU que o procurador da república Jefferson Dias usou para alegar que o turno estendido havia piorado os índices do INSS e com isso, pedir a suspensão da jornada.

Agradecendo ao Procurador-Chefe Dr. Stefanuto que de prontidão nos enviou o conteúdo, ficou claro a este blog que o INSS fez uma análise equivocada de alguns índices e erroneamente atribuiu à jornada estendida a piora desses índices.

O primeiro índice usado no ofício do INSS é o de "Pessoas Aguardando mais que 2h" para atendimento. O gráfico mostra uma leve piora nos índices em 03 SR e melhora em 02 SR, com impacto final levemente pior. 

Mas como que um indicador de espera maior que 2h pode ser usado para medir a qualidade de uma medida administrativa se ela em nada tem a ver com a carga horária do servidor e sim depende de causas multivariáveis como a relação demanda x oferta, guichês x procura, agendamentos x servidores lotados, complexidade dos casos, etc, 

Mais pessoas esperando 2h ou mais significa que pode, por exemplo, ter havido uma expansão pela procura  das APS pela população beneficiada com a ampliação dos horários de atendimento e, como o número de servidores não aumentou, pelo contrário, diminuiu, isso explicaria a discreta elevação no índice. Ao retirar a jornada estendida, restringe-se o horário de funcionamento da APS e com isso maquia-se a demanda reprimida com a natural queda do indicador.

O segundo índice usado pelo INSS foi a distribuição de grade para agendamento, que não teve alterações. Mas onde está escrito que essa grade depende apenas da jornada de 6h? O aumento da grade depende de ações de gestão, por parte do INSS, que jamais foram feitas, fato este sempre denunciado aqui. Que adianta deixar médicos em turno estendido se a gerente sempre mantém 40% deles sem agenda SABI?

Como acusar um não aumento do uso dos sistemas informatizados como um possível fracasso da jornada estendida se o número de terminais computadorizados nas APS permaneceu o mesmo? E como acusar uma concentração de atendimentos pela manhã se são os próprios usuários do INSS que preferem esse turno para procurar suas demandas?

Que adianta turno de 6h sem aumento da rede, dos guichês e dos servidores lotados em APS? Óbvio que o índice vai permanecer o mesmo.

O terceiro índice é pior ainda. Usam o TMEA para dizer que ele não melhorou. Mas para o TMEA melhorar não basta uma jornada de 6h, o gestor executivo tem que tomar as medidas necessárias para fazer valer o aumento de disponibilidade de agendas nas APS.

Um exemplo clássico é o dos peritos. Com 4.000 peritos ativos, o INSS possui a capacidade instalada de fazer até 60.000 agendamentos/dia. Como a demanda diária é de 35.000, daria com folgas. Mas com 40% dos médicos fora e com hipossuficiência de salas em diversas GEx, o máximo que o INSS agenda é 31.000 perícias, criando déficit.

Com 3000 salas para 4000 peritos, resta óbvio que sem o turno estendido será impossível lotar todos os colegas nas APS. Se contar apenas as APS com mais de um perito lotado, a relação de peritos por sala disponível é de 1,7 perito por sala. Ocupe-se a sala por 8h e vai sobrar perito. Exatamente 1.665 peritos pelos nossos cálculos.

Nenhum dos índices apresentados pelo INSS apresenta relação direta com a jornada estendida e sim relação com outros fatores de gestão ainda não abordados.

Os índices são multifatoriais e multicausais e sua análise baseada apenas em um vetor de gestão torna a mesma análise prejudicada por vício insanável.

Simplesmente o INSS não pode atribuir a piora dos índices listados à jornada de 6h. O ofício enviado ao procurador do MPF está enviesado de forma terminativa, imprestável. Não serve para nada.

Mais um motivo para o INSS não cumprir a recomendação do procurador, pois a mesma foi baseada em dados irreais e incomparáveis, logo, imensuráveis pela ferramenta proposta, a jornada de 6h. A forma usada simplesmente é incapaz de medir essa eficiência.

8 comentários:

Rafael disse...

Boa noite. Acredito fielmente que ao revogar a jornada de 40 horas semanais, o INSS deu um grande tiro no pé. O que vimos, ao longo dos últimos anos, foi a derrota de um gigante, perante um governo "sagaz". Aos poucos, o governo conseguiu "desunir" peritos de administrativos. Após esta feita, ainda separaram os administrativos em duas carreiras (30horas e 40horas). Resuldado: Um gigante de várias cabeças, onde cada uma quer seguir por um caminho próprio, mesmo que isso indique abandonar o corpo. Agora, com o fim da jornada de 30horas, todos voltamos ao mesmo barco. Nossa unidade foi reconstituída. Se há algo a ser feito, deve ser agora. Porque em breve o governo vai encontrar um jeito em desmembrar os servidores novamente. Há 99 dias Gabas prometeu as 20horas para os médicos. Acredite em mim: Agora o INSS vai cumprir a promessa, para que os peritos não se unam com os administrativos em uma greve gigantesca. Todavia, espero que exista sabedoria entre os servidores, para dessa vez não se deixarem vender por favores do governo, até que todos venham ser definitivamente beneficiados.

Christopher disse...

Também espero que o governo nos dê as 20 horas. Porém acho que o INSS em um primeiro momento voltou todos para 40 horas para uniformizar os admistrativos e os peritos, e depois (espero que não seja apenas minha vontade) vai reduzir para 20 horas apenas os peritos. Acho que nós não devemos nos unir aos movimentos dos administrativos, pois estes nunca vão entender a nossa importância para INSS e o porque deveríamos ser mais valorizados.

Silver disse...

Entender a importância dos médicos para o INSS?

Eu que sou funcionário administrativo com certeza entendo a importância que vocês possuem, uma importância tão grande quanto a dos funcionários administrativos. Afinal de contas, quem é que dá a cara para bater ao entregar o resultado da perícia para o segurado? Os segurados irados, nem ao menos passam dos seguranças para conversar com o médico perito.

Ver que há essa desunião entre nós, é realmente muito triste. Infelizmente tem servidores que não enxergam ou não querem enxergar que somos complementares, que todos somos funcionários desta autarquia, algo muito maior que a divisão uma divisão administrativo/médicos.

Gabriel Macedo disse...

A conduta deveria ser a seguinte:
1) Trabalhar as 20 horas.
2) Fornecer a melhor prova física de que essa jornada NÃO traz qualquer prejuízo aos 'indicadores' monitorados.
3)Se não OFICIALIZADAS as 20h, daí sim, GREVE NACIONAL. Simples assim. Daí eles vão ver o que é prejuízo, pois o agendamento vai aumentar exponencialmente, os 45 dias da DER deferindo automaticamente.

Heltron Xavier disse...

Não se trata de importância. Tudo é importante. Seguranças, ASG, motoristas e mesmo estagiários. Não vou me ater a tempo de estudo e complexidade. A questão é que enquanto o concurso de vocês é altamente procurado com um dos maiores salários ou o maior em nível tecnico. Os peritos atualmente possuem uma das menores procuras com um dos salários para nível superior com Pós graduação. Sequer se consegue vencer a concorrencia do SUS. Nos temos exonerometro que per se já basta para justificar.

Diga-me caro; Quantas avaliações vc precisa fazer por dia? Quanto tempo a norma lhe dá para avaliar um segurado?

Ducatti disse...

Pperitos e administrativos vamos sair junto desse inferno e melhorar as condições de trabalho para todos nós. Mostrar que nós somos a força que move esta engrenagem e que se faltar uma das peças tudo para. O término das 6h por motivo pífio indica o quão os nossos gestores se importam conosco. Então que façamos sentir o que somos!!!

Rafael disse...

Sinceramente, a maioria dos comentários aqui são no mínimo uma boa piada:

"1- Administrativos nunca entenderão a importancia dos médicos.
2- Quantas avaliações um administrativo tem que fazer?
3- Administrativo dá a cara a tapa.
4- Técnicos do INSS tem um dos maiores salários ou o maior de nível médio."

Minha resposta a esses comentários é somente a seguinte:
* Peritos e administrativos, continuem buscando "loucamente" melhorias por cargo/carreira dentro do mesmo orgão e passados alguns anos mais estarão todos novamente aqui, nesse mesmo blog, em situação ainda pior que aa atual.

Christopher disse...

Concordo com o Heltron, e era isso que eu queria dizer, ou seja a nossa carreira requer nível superior, que não é valorizado pelo INSS e está perdendo para outras em termos salariais. Em momento algum desejei ofender os administrativos, apenas acho que os peritos merecem uma valorização salarial maior, pelo nívelde escolaridade superior e tempo de formação em relação aos outros colegas, porque se não for assim daqui a pouco não vai ter nenhum médico no INSS.