domingo, 26 de agosto de 2012

Caso Assembléia de SC - Defesa alega que aposentado por invalidez maratonista "Não teve má-fé".

26 de agosto de 2012. | N° 1597
ASSEMBLEIA LEGISLATIVA
“Se não é má-fé, não sei o que é
Qual a sua expectativa em relação ao julgamento do mérito no Tribunal de Justiça?
Merisio – Você não pode ter um corredor de maratona aposentado por invalidez, a sociedade vendo isso e o judiciário não vendo. Temos que encontrar Jormas, se houve erro, equívoco ou fraudes, de corrigir isso para o bem da sociedade.
A defesa dos inválidos fala muito que não houve má-fé por parte dos inválidos na época da aposentadoria. Qual a avaliação da Assembleia a respeito?
Merisio – A pessoa que sabe que não está doente, que está na plenitude da capacidade física, e assina um pedido de aposentadoria por invalidez, ainda vai dizer que não houve má-fé?
Vocês consideram que é fácil derrubar esse argumento então?
Merisio – A conta é simples. Quem tem que dizer isso são as perícias. A perícia médica diz que a pessoa não tem nenhum problema de saúde, nem agora e nem lá atrás, e ele assinou um pedido de aposentadoria por invalidez... se nisso aí não existe má-fé então não sei mais onde existe má-fé.

http://www.clicrbs.com.br/anoticia/jsp/default2.jsp?uf=2&local=18&source=a3864957.xml&template=4187.dwt&edition=20278&section=884

Um comentário:

aldofranklin disse...

Isso né má fé não, é "BOA FÉ!"... O cara diz que é INVALIDO, TEM APOSENTADORIA E ESTÀ CORRENDO MARATONA, É "BOA FÈ!", novo conceito a ser usado nas defesas!

"Ah, tão sabendo do novo protetor solar? Peroba..."