sexta-feira, 12 de julho de 2013

QUANTO CUSTA PARA TERMOS UM SUS DECENTE? AQUI ESTÁ A EXPLICAÇÃO DOS VETOS.

É simples, vamos pegar o modelo do NHS britãnico, aliás de onde dizem se inspirar o Ministério da Saúde:
Gasto público Inglês com Saúde: 3.000 dólares por habitante/anoGasto público brasileiro com Saúde: 440 dólares por habitante/ano.
(fonte: WHOSIS 2012)

No mínimo o Brasil teria que empatar o gasto público Inglês para poder querer, com investimentos certos e sem corrupção, ter os mesmos resultados ingleses.

Logo, o Brasil teria que gastar 3.000 dólares x 200 milhões de habitantes = 600 bilhões de dólates/ano*
Com boa vontade vamos cotar o dólar a 2 reais. O mínimo que o Brasil teria que gastar com Saúde por ano para poder se comparar ao modelo inglês é:

1.2 TRILHÃO DE REAIS por ano.

Resumo da história: Nunca teremos um SUS decente e vamos viver dessas políticas eleitoreiras, demagógicas e do uso de força não-médica para suprir trabalho médico nas áreas mais desfavoráveis. Por isso a pressão para vetar o ato médico.

2 comentários:

Adrianus disse...

Eis o que penso sobre o Ato Médico, a perseguição promovida por outras profissões da saúde e as últimas trapalhadas do (des)governo:

Incompreensível e lamentável o fato de tantos profissionais de outras áreas demonstrarem sentimentos e atitudes mesquinhos no que diz respeito aos Médicos. Empreenderam uma luta insana para barrar, na base do grito e da histeria, a lei do Ato Médico! Tentam, a todo custo, forçar suas atuações em uma seara que não lhes compete, que não integra seu rol de atribuições e para a qual não estão intelectual e tecnicamente aptos. Não consigo entender essa sanha por querer fazer DIAGNÓSTICOS, TRATAMENTOS E PROCEDIMENTOS MÉDICOS! Se querem tanto atuar como Médicos, por que não se esforçam para tornar legítimas suas aspirações, trilhando o caminho percorrido por aqueles que passaram pelas faculdades de Medicina? Na hora de criticar e fazer cobranças, todos querem ter voz e vez, porém ninguém quer pagar o preço da jornada. Será que consideram simplória a arte do diagnóstico e fácil a escolha de um tratamento? Não têm noção do quanto de estudo, raciocínio, habilidades etc. estão por trás dessas coisas que consideram aparentemente tão simples... Se tantos desejam enveredar-se pelos meandros da Medicina, façam como eu: saí do curso de Farmácia após dois anos e meio, depois de ter sido aprovado no vestibular para Medicina na mesma Universidade Federal do curso anterior, sem jamais ter feito nenhum cursinho pré-vestibular. Ao contrário do que o PT e o (des)governo proclamam, não sou proveniente da "elite" e sei as dificuldades que enfrentei durante minha formação. Há oito anos concluí o curso Médico e hoje estou na luta, embora a conjuntura atual e circunstâncias pessoais não me dêem motivos para comemorar. Mas o recado que quero deixar para os que repudiam o Ato Médico é o seguinte: se desejam tanto atuar como Médicos, que o façam em sua plenitude, lancem mão de sua energia e a canalizem em esforços que os conduzirão pelas vias legais e limpas para o curso de Medicina. Plantem seus sonhos e colham os resultados, e deixem quem já passou por isso tudo fazer com justiça aquilo para o qual está devidamente preparado.

Ighenry disse...

Excelente exemplo e análise do Adrianus!