segunda-feira, 13 de abril de 2015

NA ONDA DAS TERCEIRIZAÇÕES, PREVIDÊNCIA TENTA TERCEIRIZAR "PROBLEMA DA PERÍCIA" GERADO POR SUA FALTA DE GESTÃO.

O que será que o Ministério da Saúde e o Ministério da Defesa estão achando das tentativas do Ministro da Previdência, Carlos Gabas, em querer terceirizar aos primeiros o problema da perícia médica do INSS, gerado única e exclusivamente pela má gestão exercida pelo INSS nos últimos anos e que resultou no atual cenário de desastre que se encontra esse serviço?

Assim fica fácil: Bloqueia-se uma carreira, boicota-se suas prerrogativas, oprime-se um coletivo de servidores, vê-se a carreira sangrar até a morte, puramente por um misto de má gestão e desinteresse, e quando a bomba explode no colo, tenta-se empurrar o problema para o colo de outros Ministérios que já possuem problemas o suficiente a resolver.

Vendido como "ato de gestão", os "pedidos de parceria" aos outros ministérios revelam apenas o desconhecimento das regras que cercam a perícia médica e a falta de visão em querer resolver o que de fato irá acabar com o problema: Reconstruir a carreira médico pericial em patamares dignos que nos dêem autonomia técnica e segurança jurídica e financeira para tratar do assunto.

Promete-se o impossível ("perícias no SUS", "perícias no Exército") sem ao menos consultar os servidores (de cá e lá) em um enorme desespero em passar a batata quente adiante.

Quer resolver o problema da perícia, Ministro Gabas? Converse conosco. 

5 comentários:

Heltron Xavier disse...

Os médicos do SUS mal conseguem dar vazão à livre demanda da saúde pública. Imagina acumular, sem qualquer adicional, esta espinhosíssima função.... Além das questões éticas já resolvidas como o impedimento de ser assistente e perito do paciente. Além das questões logísticas de acesso a computadores e treinamento. Impressionante a incapacidade de visualizar problemas óbvios ainda na fase de planejamento do Sr. Gabas.

Rodrigo Santiago disse...

Parece, ao contrário, treinado para buscar as soluções mais problemáticas e os caminhos mais difíceis e ineficazes.Cria-se dificuldade para vender-se facilidade.Cria-se o problema na perícia para depois dizer-se que o problema é da perícia, quando, na verdade, é da gestão.

Os peritos sofrem no seu dia a dia pela falta de resolutividade do SUS, que onera o INSS com a sua falta de gestão e falta de cumprimento com o princípio da integralidade do SUS.Diariamente os peritos veem-se obrigados a prorrogar um benefício exclusivamente porque o SUS não funciona, o que onera os cofres do INSS.O ministro quer agora contribuir ainda mais para piorar o já combalido SUS, descobrindo o cobertor das pernas do SUS para cobrir a cabeça da perícia. É tirar do sujo (SUS) para dar para o mal lavado (INSS).Quebra uma perna já quebrada para colocar um curativo mal feito na carreira e no múnus público de perito.

Que tal combinar com o Ministro da Saúde que o recurso pago indevidamente ao segurado pelo INSS por causa da ineficiência do SUS em dar resolutividade à sua patologia será utilizado para destinar mais recursos ao SUS para pagar melhor os médicos do SUS e os procedimentos do SUS ?

Por que a PFE não entra com ação regressiva em desfavor do SUS por estar onerando o INSS deste jeito ? Tenha dó!

Paulo Taveira disse...

O ministro Gabastem soluções "jeitosas" há dez anos e a coisa só piora. E ninguém faz nada.Parece até que a gestão do governo seinspira na gestão do INSS.

Snowden disse...

Parceria Rô-Cú não vai resolver nada!
Se hoje o numero de benefícios já é maior que o pré-carreira, imagina com a terceirização, daí quebra mesmo! Né não comandante?

Hafiz Ben David disse...

Já estão credenciando nos estados do PR, RO e MT.Olho vivo...na ADIn...