terça-feira, 18 de agosto de 2015

MOTIM NO INSS - ELISETE E GABAS EXAGERAM NA MÃO PESADA E PERDEM COMANDO DA CASA


A presidente do INSS, Elisete Berchiol, perdeu as condições mínimas de se manter no cargo após os eventos que se sucederam a decisão de cortar com código de falta o ponto dos servidores administrativos em greve há 40 dias.

Elisete quis mostrar firmeza e dureza mas apertou demais e o parafuso espanou. Além de sucessivas entregas de cargos por parte de chefes de RH no país, Elisete perdeu o comando da Corregedoria, dos Gerentes Executivos e dos Superintendentes.

Revoltados, os servidores endureceram o movimento e se havia algum fio de esperança de Elisete em cessar a greve ela se foi quando em seu próprio estado, onde foi superintendente, a corregedoria local entregou os cargos e declarou-se em greve.

Quando um líder perde o respeito de seus pares a solução mais digna é ela mesma, Elisete, entregar o cargo, pois mesmo que a greve se encerre amanhã, a falta de respeito para com ela e a raiva dos servidores impedirá que ela faça qualquer coisa no INSS.

O comando de greve dos administrativos deveria incluir em sua pauta de reivindicações a saída de Elisete da presidência do INSS e, por tabela, de Gabas do MPS. De fato, o ciclo desses gestores chegou ao fim e para sobreviver a autarquia precisa renovar suas lideranças e enterrar o motim atual contra a presidência da casa. Somente a saída deles pacificará o INSS.

Carta enviada pela Superintendente de SP à Presidente Elisete pedindo o fim dos descontos: perda de autoridade presidencial compromete permanência de Elisete no INSS e de Gabas no MPS.

9 comentários:

Adriano de Lima Santos disse...

Enquanto cortam o salário dos servidores (em alguns casos o líquido ficou em menos R$ 500), deixam as APS sem copo, água e papel, a Elisete ostenta em plena reunião com grevista seu garçom particular.

Unknown disse...

Infelizmente a lavagem cerebral pela qual as pessoas passam ao assumirem certos cargos de liderança, as impedem de perceber que intransigência e truculência não sãomais aceitas num estado democrático de direito. É uma grande pena que servidores de carreira tenham alcançado os postos mais altos na Previdência Social e não tendam sabido fazer bom uso deles

T disse...

Os peritos deveriam se levantar também, já passou da hora.
O último apague a luz!

Donizete Lima disse...

Um(a) presidente quando perde a credibilidade, o respeito e a confiança de seus liderados, a melhor saída é a entrega do cargo. Foi no Ato de Segunda feira de manhã na Superintendência que a Corregedoria entregou o cargo e aderiu a greve.

PauloVieira disse...

Por esta ninguém esperava.
A greve dos Administrativos do INSS sendo fortalecida pela entrega dos cargos de chefias Brasil afora, sendo que em muitos casos, pamem, para não codificarem código de greve no ponto dos servidores.
Sou previdenciário há 25 anos, servidor federal há 40 e não lembro de ter visto este andamento de greve em outras oportunidades.
Parabéns aos que estão diponibilizando seus cargos de chefia!..

ione inez weber disse...

Obrigada pelo apoio ao nosso movimento.

E.G. disse...

Espera só pra ver como vai ficar a greve. Os peritos estão chegando !

Andre Kathy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Hafiz Ben David disse...

Estamos com os Administrativos! As Perícias não pararam, mas muitas foram reagendadas!