segunda-feira, 27 de outubro de 2014

2015 - O ANO DA EXTINÇÃO DA CARREIRA? VÃO ACABAR ATÉ COM A DIRSAT.

Segundo informações de dentro da cúpula do poder em Brasília, o primeiro efeito da reeleição de Dilma Rousseff já está sendo forjado nos gabinetes inssanos e pretende ser um golpe mortal na carreira dos peritos médicos previdenciários.

Já que é impossível controlar os peritos médicos, o INSS pretenderia acabar com nossa carreira e a forma como pensa em fazer isso é absolutamente inssana, pois preveria o fim da "subordinação dos médicos ao CRM".

Quando tive acesso a essa notícia, me pareceu delírio de uma das fontes. Porém fui atrás para checar e, por incrível que pareça, o assunto estaria sendo levado a sério, de fato, por gestores do INSS.

Segundo a denúncia, gestores estudariam, através de medida provisória, conceder benefícios por incapacidade no balcão das APS, sem perícia e sem exame físico, através apenas de análise de atestados médicos, "assumindo" para si em caráter nacional as condenações que vem sofrendo no âmbito das ACP movidas pelo MPF Brasil afora por conta da demora na realização de perícias.

A análise, porém, seria feito por servidores administrativos. Mas não seriam os técnicos do seguro social ou analistas do seguro social. Seria uma nova classe de administrativos, os bacharéis em medicina.

Como se sabe, em 2014 o PT através do MEC definiu que o Brasil seria o único país do mundo onde médico não receberia mais diploma de médico e sim de bacharel em medicina, um conceito irreal e esdrúxulo para uma profissão milenar como a médica.

Isso não era mero recalque de petista. Era para criar uma nova classe de "médicos" que passariam a operar sem a tutela do Sistema CFM-CRM.

Os novos concursos seriam para uma classe a ser criada por MP, a de "Analista Previdenciário Bacharel em Medicina", que seria servidor administrativo "especializado" em medicina, como funciona com o Serviço Social, receberiam GDASS, etc.

Com isso, pasmem, o governo pretende tirar do CRM a prerrogativa de dizer quem pode trabalhar com médico no Brasil. Por isso a alteração no diploma. O "bacharel" em medicina seria um graduado em medicina, não-inscrito no CRM, que seria autorizado a emitir pareceres médicos dentro do INSS para fins de incapacidade, e apenas isso ele poderia fazer na vida já que não tem CRM.

Com isso, nossa carreira de PMP seria colocada na lista de extinção.

A DIRSAT deixaria de ser uma diretoria, pois estão precisando dos cargos de DAS para incorporar a uma nova coordenação de TI dentro do INSS e seria rebaixada a coordenação subordinada à DIRBEN, perdendo a sua já pequena importância.

A idéia aqui é fazer com a medicina o que fizeram com o direito, onde o "bacharel em direito" sem OAB acaba aceitando fazer esses concursos de analista previdenciário devido à saturação do mercado.

Uma das coisas que vem sendo criticada nesse projeto louco e absolutamente recalcado anti-médico é justamente isso: Não ocorre com a medicina esse mercado saturado que o direito experimenta, com isso seria muito difícil em especial nas áreas mais afastadas do centro, manter uma pessoa com possibilidade de ser médica de fato presa a uma carreira de baixo salário e atrelada a gratificações absurdas de desempenho.

O plano é tão ardiloso que pretendem fazer os CRM caírem em uma armadilha, a de criar a prova de acesso ao CRM, estilo OAB, para criar uma legião de sub-médicos reprovados e que, impossibilitados de obterem o CRM, seriam empurrados a subempregos como esse a ser criado pelo INSS.

Conselhos alinhados ao petismo, como o de São Paulo, não à toa, estão na luta pela criação do Exame de Ordem Médico. O objetivo não é a qualidade do médico, é criar sub-médicos para preencher essas vagas estatais de subempregos.

Manteria-se a Lei do Mais Médicos e apenas cubanos e "bachareis em medicina" sem CRM inscritos nesse programa poderiam atuar como médicos no Brasil, aos outros sem CRM restaria cargos como esse. A expansão de vagas em faculdades embutida nessa Lei ajudaria nesse processo.

É o maior projeto de desqualificação profissional em massa de uma categoria profissional jamais empreendida por um governo na história do Brasil e quiçá de todo o ocidente. E isso vai começar justamente na nossa carreira, no INSS.

Para quem acha loucura, em 2009 e 2010 o INSS submeteu consultas à AGU no sentido de saber se:

1) O médico poderia ser enquadrado como analista previdenciário (clique aqui)
2) O médico para o concurso de 2010 precisaria ter CRM (clique aqui)

A AGU foi enfática no sentido de que o médico não poderia ser enquadrado como analista uma vez que exerce atividade meio e não finalística dentro da instituição e que deveria por força de lei própria ter sim registro no CRM.

Mas nada que uma MP bolchevique não mude, não?

O assunto ainda é tratado com reservas e não ultrapassou as fronteiras do INSS, porém tem sido estudado em caráter "emergencial" pelas autoridades envolvidas, segundo as fontes me passaram.

10 comentários:

MAURICIO disse...

Jarbas Simas - o Sr. vai entrar para história como o Presidente da Associação no ano da extinção da carreira.

Que currículo hein ?

Vai ficar parado olhando?

MAURICIO disse...


Na minha opinião o médico que votasse e principalmente fizesse campanha para qualquer candidato do PT deveria ter seu CRM sumariamente cancelado.

É crime de lesa categoria.

Eduardo Henrique Almeida disse...

Em 2003, enquanto negociávamos com o minitro Ricardo Berzoini, a diretora dde RH, igualmente petista, Deputada distrital Lúcia Carvalho, nos incluía como Analistas Previdenciários. Foi a descoberta desta manobra suja que nos levou à greve que criou a carreira. Esta ideia, portanto, acompanha o governo petista desde a primeira hora. Em defesa da Previdência e dos cidadãos que a sustentam e não a querem ver quebrada, dos que querem a profissionalização do atendimento, salário digno aos peritos, condições de trabalho compatíveis com a dignidade do servidor e do usuário, só um caminho resta: a luta!

Ighenry disse...

Triste ver um povo votar com estômago e não com a cabeça. Mais triste ainda é ver intelectuais votando no PT. E masoquista perfeito é o médico que votou no PT.

Harley Davidson and Travel disse...

Isso é conversa fiada, igual o auxilio alimentação que o blog falou que iria terminar em abril.
Marcos Perito Juina MT
Obs sei que não será publicada , pois vcs somente publicam os textos que concordam com o que vcs escrevem

moacir jorge Oliveira disse...

Tenho colegas, médicos peritos, que estão deixando o INSS dado aos absurdos
que acontecem na assistência aos trabalhadores. Os clePTocratas e apaniguados chegam a exigir filiação ao PT para receberem beneficios.

Eraldo Simões disse...

a carreira vem morrendo de inanição aos poucos!

Se analisarem bem, o valor/hora é menor a cada ano e a fiscalização cada dia mais severa.

Francisco Cardoso disse...

Ao Harley que se esconde sob pseudônimo: Este blog acerta 95% de suas previsões. O auxilio-alimentação, exemplo usado, só não foi mexido justamente por movimentações iniciadas após a denúncia feita por nós, outro exemplo foi a revogação do fim do turno estendido em março/2013, também graças a nós. Um abraço e tenha a coragem de se identificar no futuro.

Harley Davidson and Travel disse...

Sr Francisco não me escondi atrás de psudônimo, me identifiquei inclusive revelando a APS em que trabalho, esqueça um pouco o instinto predador e leia o texto com atenção. Sempre apoiei vcs, saí da ANMP por terem acabado com o fórum e esta censura que existe neste BLOG é uma incoerência com a proposta política de vcs.
Marcos Sérgio de oliveira Lima APS Juina MT mat 1222299

Francisco Cardoso disse...

Que censura??? A moderação é para evitar calúnias e infâmias de pessoas que não se identificam, mas fora isso todos os textos são publicados, inclusive o seu.