sexta-feira, 14 de novembro de 2014

FIM DE FESTA. LINDOLFO DEVE SAIR AINDA ESSE MÊS. PÂNICO TOMA CONTA DE BRASÍLIA.

Fim de festa

Fontes garantem que o atual presidente do INSS, Lindolfo Sales, deverá pedir o chapéu ainda esse mês. Não será surpresa se semana que vem já apresentar o bilhete azul ao Ministro Garibaldi. Se dependesse do humor e da vontade do mesmo, esse movimento já teria ocorrido. A suspensão de suas férias já são um preparo para esse evento.

A irritação de Lindolfo (e por tabela de Garibaldi) com o Planalto é tamanha que, se pudesse escrever uma carta de despedida de seu cargo, faria a carta de Marta Suplicy parecer uma declaração de amor.

Abandonando o barco

Aliás, sua secretária principal, Isabel Suzuki, percebendo o barco afundar, já se exonerou para se encostar em outro cargo DAS, mais seguro, se posicionando diante da iminente mudança radical de quadros que haverá no INSS em breve. Isabel ficou famosa nesse blog ao ser flagrada em email interno orientado gerentes a inserirem dados indevidos no sistema para aceitar atestados de cubanos. Exposta, se retratou ao blog.

Inversão de culpa

O INSS, ao invés de investigar a conduta da secretária, resolveu abrir PAD contra este que vos escreve, por ficar fazendo denúncias contra o INSS. Obviamente, a conduta da corregedoria será alvo em breve de uma investigação independente.

Por falar em PAD, Gabas também está marcado para sair do MPS, conforme adiantado por este blog. Só não se sabe ainda para onde vai, mas certamente será algum cargo bem obscuro, nas sombras. Caiu em desgraça com as denúncias feitas por este blog. Que o INSS aliás, se recusa a investigar.

Pânico na esplanada

Diversos técnicos do seguro social em cargos de DAS estão desesperados com a possibilidade de perder a boquinha com a mudança ministerial. Se acostumaram a um padrão de vida que será intangível caso sejam forçados a voltar a suas bases com o salário achatado e vinculado a GDASS. Sem apartamento funcional, celular funcional e passagens aéreas da TAM pagas pelo erário. a vida será mais difícil.

Nem tanto...

Somente o PFE Stefanutto e o Corregedor Seixas estão menos tensos, pois são auditores e não sofreriam o mesmo impacto financeiro. Seixas, porém, ainda precisa explicar o auxílio moradia que recebe em uma cidade cheia de apartamento funcional disponível.

Seis por meia dúzia

Servidores da DIRBEN torcem para a queda de Cinara Wagner, mas não necessariamente pela volta de Brunca. Estão magoados pelo fato do chefe ter aceitado um "cala-boca" no MPS e abandoná-los ao léu, mas não perdoam Cinara, que, convenhamos, deixou a desejar até o momento. A DIRBEN continua um cemitério de processos e um paquiderme paralítico, uma âncora afundando o navio previdenciário. Absolutamente nada mudou desde a sua posse. Ou melhor, a piora continuou igual.

Fim do escudo protetor

Quem é protegido de Gabas que se cuide. Ao sair do MPS, acabará o efeito "teflon" e eventuais irregularidades ou abusos cometidos em nome da "causa" serão cobrados a ferro e fogo por quem assumir. Não haverá chance de chororô nem mimimi.

Herança Maldita

Ao saírem da previdência, Garibaldi, Gabas e Lindolfo deixarão uma verdadeira herança maldita: Números explodindo, dezenas de ações civis impetradas contra a autarquia, prejuízo bilionário recorde e dezenas de APS inauguradas pelo PEX mas fechadas por falta de servidor. São as APS fantasmas, que só existem no papel e no concreto, mas não funcionam. Até em Brasília existe uma assim.

Um comentário:

E.G. disse...

Sinceramente, eles não têm nada que se queixar. Master e Blaster não fizeram nada nestes últimos anos, nem cheiraram nem federam, como diria o segurado.